The Great Acceleration – Owen Gaffney

Trata-se material do Forum Econômico Mundial que mostra o impacto da revolução industrial até a rápida urbanização e tendências climáticas que fizeram de 2014 o ano mais quente já registrado. Estes gráficos são retratos instantâneos das mudanças em nosso mundo.

Todo o líder deveria analisá-los.

http://wef.ch/1BkukHD

Motor da História

Cidadania & Cultura

Sábio-contador

David Priestland, em seu ensaio Uma Nova História do Poder: Comerciante, Guerreiro, Sábio (São Paulo; Companhia das Letras; 2014), argumenta que “os conflitos entre essas castas e seus valores, à medida que vão se adaptando às mudanças no ambiente econômico e tecnológico, são o motor da história”.

As sociedades são transformadas quando uma aliança de grupos, incorporando determinados valores de casta, é capaz de se impor com mais sucesso que as rivais. Em seguida, ela “coloniza”, ou penetra, outras áreas da sociedade, reproduzindo-se em outras profissões e organizações, seja pela força, seja pela persuasão.

Em sociedades pré-modernas, por exemplo, a aristocracia não só dominava a política e a posse da terra. Seus hábitos paternalistas moldavam todos os domínios da vida. As empresas muitas vezes eram administradas como famílias aristocráticas, com um “amo” (ou “senhor patriarcal”) controlando a vida dos aprendizes e operários como se…

Ver o post original 977 mais palavras

Dogmas Econômicos, Consenso Míope

Trata-se entrevista de Luiz Gonzaga Belluzzo concedida à Revista Forum. Foi também publicada pelo outraspalavras.net. Estamos republicando em nosso blog por que, como já mencionei em outro “post”, estamos passando por um período no qual há uma espécie de consenso míope no país. É sempre salutar ouvir o outro lado e tirar as nossas próprias conclusões.

Paulo Martins – dialogosessenciais.com

Por Anna Beatriz Anjos e Glauco Faria, na Revista Fórum Continue lendo “Dogmas Econômicos, Consenso Míope”

Contra a Pena de Morte, por Norberto Bobbio

 Publicado originalmente em “outraspalavras.net”
“O Estado não pode colocar-se no mesmo plano do indivíduo singular. O indivíduo age por raiva, por paixão, por interesse, em defesa própria. O Estado responde de modo mediato, reflexivo, racional. Também ele tem o dever de se defender. Mas é muito mais forte do que o indivíduo singular e, por isso, não tem necessidade de tirar a vida desse indivíduo para se defender. O Estado tem o privilégio e o benefício do monopólio da força. Deve sentir toda a responsabilidade desse privilégio e desse beneficio” Continue lendo “Contra a Pena de Morte, por Norberto Bobbio”

Te Recuerdo Amanda – Victor Jara

Te recuerdo Amanda
la calle mojada
corriendo a la fábrica
donde trabajaba Manuel.
La sonrisa ancha
la lluvia en el pelo
no importaba nada
ibas a encontrarte con él
con él, con él, con él
son cinco minutos
la vida es eterna
en cinco minutos
suena la sirena
de vuelta al trabajo
y tú caminando
lo iluminas todo
los cinco minutos
te hacen florecer.

Te recuerdo Amanda
la calle mojada
corriendo a la fábrica
donde trabajaba Manuel.
La sonrisa ancha
la lluvia en el pelo
no importaba nada
ibas a encontrarte con él
con él, con él, con él
que partió a la sierra
que nunca hizo daño
que partió a la sierra
y en cinco minutos
quedó destrozado
suena la sirena
de vuelta al trabajo
muchos no volvieron
tampoco Manuel.

Te recuerdo Amanda
la calle mojada
corriendo a la fábrica
donde trabajaba Manuel

Fuente: musica.com