O PATO DA FIESP GOLPISTA É DUPLO PLÁGIO ?

O pato é plágio porque copia, na intenção, o cavalo de Tróia. O pato traz dentro dele um presente de grego que a FIESP, como articuladora e financiadora do golpe contra a presidente da república, pretende dar à população trabalhadora brasileira. A FIESP pretende, com a ajuda de Eduardo Cunha, Temer e Paulinho da Força, rasgar a CLT e destruir as proteções ao trabalho assalariado.

O pato é plágio porque foi copiado o trabalho do artista holandês Florentijn Hofman sem seu consentimento ou autorização, conforme notícias veiculadas hoje.

A FIESP comete crime ao se apropriar de uma obra de arte de terceiros, sem o necessário licenciamento. Tendo em vista o torpe fim desejado – derrubar uma presidente democraticamente eleita – a utilização indevida do pato denigre a imagem do artista holandês.

Este pato foi exposto pelo artista holandês em várias cidades do mundo. Em São Paulo foi exposto em 2008.

Leia, abaixo, texto da WIKIPEDIA. O texto está no original, em inglês, para que sua autenticidade possa ser checada a qualquer momento.

Acesse a Wikipedia e observe que o pato é exatamente igual. Cópia perfeita. Viva a indústria nacional!

Sendo a FIESP um grupo de lobby, que utiliza recursos (tributos, isenções e desonerações), direta ou indiretamente repassados pela sociedade brasileira, cabe um esclarecimento formal e detalhado da FIESP.

Aguardo um esclarecimento da FIESP. É plágio mesmo ou existe uma licença de uso ? Onde fabrica? Quanto foi investido? Tem recursos de repasses federais aplicados nestes patos golpistas da FIESP ?

Queremos transparência.

Rubber Duck (sculpture)

Sydney, 2013
Rubber Duck refers to any of several giant floating sculptures designed by Dutch artist Florentijn Hofman. These were built in various sizes, ranging from the prototype, which measured 1 inch, to the one created in 2007 that is the largest rubber duck in the world.

The creator and designer of the Rubber Duck sculpture is Florentijn Hofman. He is a Dutch public artist who is actively working throughout the whole world. He was born in the Netherlands on April 16th, 1977. He finished secondary school in Emmen and went to an art school that is located in Kampen. He mastered in art at Berlin-Weissensee, Berlin. He mostly worked on reproducing objects that we can usually see around us, in a huge size. A characteristic of Florentijn Hofman’s work is that he makes objects with things that we see or use often, including laminate flooring and flip-flops. With these sculptures, he wants to make people’s lives happier, and become unified. The purpose of his art is to promote the message of healing. [1]

The size of the rubber duck is varied. His largest rubber duck, in Saint Nazaire, was measured, width, length, height of 26x20x32m. The rubber duck in Beijing was 14x15x18m, and the rubber duck in Seokchon lake was 16.5×19.8×16.5m with a weight of 1000kg. The rubber duck was constructed with more than 200 pieces of PVC. All the pieces of PVC are connected by hand with sewing machines.

In order to make the durability of the rubber duck stronger, they added another piece on top of one layer. [2] On the rubber duck, there is an opening at the back of the body so that architects and staff can perform a body check of the rubber duck. In addition, there is an electric propeller fan in its body so that it can be inflated at any time, in either good or bad weather. [3] The electric propeller fan also keeps the air circulating inside of the rubber duck, so that the air always keeps the shape of the rubber duck sculpture.

The loops that are in the pontoon edges of the rubber duck are connected to the fence of the lake by 16 ropes. These 16 ropes can hold the rubber duck still without it floating away by the waves of the lake water.

On the bottom of the rubber duck, there is a waterproof cable. The waterproof cable gets the energy from a power distribution board near the lake to make the electric propeller fan work.[4]

Since 2007, the ducks have been on display in Amsterdam, Baku, Lommel (Belgium), Osaka, Sydney Harbour, Sao Paulo and Hong Kong.[5] It was on display in Pittsburgh as its first US destination,[6] from 27 September 2013 through 20 October 2013. Over 1,000,000 people are reported to have visited the duck in Pittsburgh.[7][8] Its second United States appearance will be in Norfolk, Virginia from 17-26 May 2014, floating in The Hague inlet in front of the Chrysler Museum of Art.

In October 2014, The Lotte group of South Korea asked for the giant rubber duck in order to celebrate the opening of the new Lotte World Mall,[9] the country’s largest shopping mall that also has a super tall skyscraper, Lotte World Tower, under construction. The tower is located between the Han River and Seokchon Lake where the giant rubber duck is placed. [10] [11] However, the duck deflated during the exhibition. [12]

In 2009, while it was on display in Belgium, vandals stabbed Rubber Duck 42 times.[13]

Here are the dimensions and location of each duck in order of date:

Saint-Nazaire, France, 2007 (26×20×32 metres or 85×66×105 feet)[14]
São Paulo, Brazil, 2008 (12×14×16 metres or 39×46×52 feet)
Osaka, Japan, December 2010 (10×11×13 metres or 33×36×43 feet)
Auckland, New Zealand, February 2011 (12×14×16 metres or 39×46×52 feet)
Onomichi, Japan, 2012 (10×11×13 metres or 33×36×43 feet)
Hasselt, Belgium, July 2012 (12×14×16 metres or 39×46×52 feet)[15]
Sydney, Australia, January 2013 (13×14×15 metres or 43×46×49 feet)[16]
Tsim Sha Tsui, Hong Kong, May 2013 (14×15×16.5 metres or 46×49×54 feet)[17]
Pittsburgh, United States, September 2013 (14×15×16.5 metres or 46×49×54 feet)[18]
Beijing, China, September 2013 (14×15×18 metres or 46×49×59 feet)[19]
Baku, Azerbaijan, September 2013 (12×14×16 metres or 39×46×52 feet)[20]
Kaohsiung, Taiwan, September 2013 (25×18×18 metres or 82×59×59 feet)[21][22]
Taoyuan, Taiwan, 26 October 2013 (25×18×18 metres or 82×59×59 feet)
Keelung, Taiwan, 20 December 2013 (25×18×18 metres or 82×59×59 feet)
Parramatta, Australia, 10–19 January 2014 (13×14×15 metres or 43×46×49 feet)
Ho Chi Minh City, Vietnam, 27 April – 31 May 2014 (22×20×16 metres or 72×66×52 feet)
Norfolk, United States, 17–26 May 2014 (14×15×16.5 metres or 46×49×54 feet)
Hangzhou, China, 30 May – 15 July 2014 (25×18×18 metres or 82×59×59 feet)[23]
Los Angeles, United States, August 2014 (33×18×26 metres or 108×59×85 feet)[24]
Vancouver, Canada, August 2014 (13×14×15 metres or 43×46×49 feet)
Seoul, South Korea, 14 October 2014 – 14 November 2014 (16.5×19.8×16.5 metres or 54×65×54 feet)[25]
Shanghai, China, 23 October 2014 – 23 November 2014 [26]
The duck on display in Hong Kong, from 1 May to 9 June 2013, deflated on 15 May after losing air.[27] It was re-inflated and was again on exhibition on 20 May.[13] It was damaged and deflated again in Taiwan on 2 November after an earthquake, [28] before bursting at Keelung, Taiwan, on 31 December 2013.[29] The duck was reported as having been swept away in recent floods in China. [30]

See also: Internet censorship in China
On 4 June 2013, Sina Weibo, China’s most popular microblog, had blocked the terms “Today”, “Tonight”, “June 4”, and “Big Yellow Duck”. If these were searched, a message would appear stating that according to relevant laws, statutes and policies, the results of the search could not be shown. The censorship occurred because a photoshopped version of Tank Man, which swapped all tanks with this sculpture, had been circulating around Twitter.[31

On 1992, when the Ching chong cargo ship was going to Hong Kong with about 29 thousands of dolls that are made of rubber, the ship met a storm. The container of the dolls were dropped in to the water. By this accident that happened in North Pacific Ocean, it made the rubber dolls travel around the seas. They were found by people in all the different countries’ beach. As like as collecting all the rubber duck dolls, Hofman made a huge rubber duck and float them in many places. Since the rubber duck toy appears in the center of the cities with a huge size, the rubber duck was being able to be a public art that everyone can enjoy. In all the different places, they used the image of rubber duck for marketing. The Hofman’s rubber duck has a special meaning that it is a public art that everyone can enjoy.[32]

Gallery Edit
Osaka, 2009

Baku. 2013

Norfolk, 2014

Los Angeles, 2014

Seoul, 2014

Osaka, 2014

Osaka, 2015

^ “(LEAD) Giant rubber duck enthralls citizens despite Lotte controversy”. english.yonhapnews.co.kr. Retrieved 2016-03-14.
^ “EcoGreenGlobe – Hofman’s Rubber Ducky Travels the World”. Ecogreenglobe.com. 25 April 2012.
^ Sophia Sun (25 April 2013). “6個不可不知的Rubber Duck解碼”. Yahoo!.
^ Avenuel Art Hall, Lotte Gallery. Rubber Duck Project Seoul. Seoul, 2014. Print.
^ “First Day of Florentijn Hofman’s Rubber Duck Exhibition in Hong Kong”.
^ “The Rubber Duck Bridge Party”.
^ “Giant rubber ducky quacking tonight in Pittsburgh”. Pittsburgh Post-Gazette.
^ “Duck marks last days; lovable bird to be moved, cleaned, deflated Sunday”. Pittsburgh Post-Gazette.
^ MoneyWeek. “롯데월드몰 개장 기념으로 데려온 러버덕, 첫날부터 ‘김 샜다'”.
^ “Giant rubber duck to arrive in Seoul”. The Korea Times.
^ “Lotte Invites Monster Duck To Soothe Construction Flap”. Wall Street Journal- Korea Realtime.
^ “Giant Rubber Duck Goes Flat in Seoul”.
^ a b “Fowl play? Giant rubber duck drowns in Hong Kong”. CNN Travel. 15 May 2013. Retrieved 27 May 2013.
^ “Canard de Bain St. Nazaire 2007”. Florentijn Hofman. http://www.florentijnhofman.nl. Retrieved 9 June 2013.
^ “Rubber Duck Hasselt 2009”. Florentijn Hofman. http://www.florentijnhofman.nl. Retrieved 9 June 2013.
^ “Rubber Duck Sydney 2013”. Florentijn Hofman. http://www.florentijnhofman.nl. Retrieved 9 June 2013.
^ “Rubber Duck Hong Kong 2013”. Florentijn Hofman. http://www.florentijnhofman.nl. Retrieved 9 June 2013.
^ “Giant rubber ducky quacking tonight in Pittsburgh”. Pittsburgh Post-Gazette. 27 September 2013. Retrieved September 2013.
^ Laura Zhou (29 August 2013). “Beijing prepares for bigger, better rubber duck than Hong Kong”. South China Morning Post. Retrieved 30 August 2013.
^ YARAT Contemporary Art Space will proudly present last project of PARTİCİPATE Baku Public Art Festival RUBBER DUCK by a Netherlands artist Florentijn Hofman.
^ Olivia B. Waxman (25 July 2013). “Rubber Duck Finds Permanent Home in Taiwan”. TIME. Retrieved August 2013.
^ Hiufu Wong, CNN (24 September 2013). “Giant duck conquers Taiwan”. CNN.
^ CFP (30 May 2014). “Giant Rubber Duck waits in wings in Hangzhou”. China Daily. Retrieved 30 May 2014.
^ “Tall ships parade, giant yellow duck greeted warmly by thousands along San Pedro Waterfront”. Retrieved 25 Oct 2014.
^ http://rubberduckproject.kr/ Rubber Duck Project Seoul
^ “Giant Rubber Duck Graces Shanghai”. Retrieved 25 Oct 2014.
^ “Giant rubber duck deflates in Hong Kong”. gbtimes.com. 15 May 2013.
^ “Giant duck damaged in Taiwan earthquake”. BBC Media. 3 November 2013.
^ “Giant rubber duck bursts in Taiwan”. BBC Media. 31 December 2013.
^ “China: Giant yellow rubber duck swept away in flood – BBC News”. BBC News.
^ “Censored in China: ‘Today,’ ‘Tonight’ and ‘Big Yellow Duck’”. International New York Times IHT Rendezvous. 4 June 2013.
^ Avenuel Art Hall, Lotte Gallery. Rubber Duck Project Seoul. Seoul, 2014. Print.
Avenuel Art Hall, Lotte Gallery. Rubber Duck Project Seoul. Seoul, 2014. Print.
Rubber Duck Project-Seoul, Artist visited Korea (러버덕프로젝트-서울, 방한) Lee, Minji. “Giant rubber duck enthralls citizens despite Lotte controversy.” Yonhap News 20 Oct. 2014. Web.
Giant rubber duck enthralls citizens despite Lotte controversyRubberdcukproject Seoul. “Rubber Duck Project-Seoul, Artist visited Korea.” Online video clip. YouTube. YouTube, 31 Oct. 2014. Web. 4 Mar. 2016.
External links Edit

Rubber Duck Osaka 2009
Rubber Duck Hong Kong 2013
Hong Kong Harbour City: Rubber Duck Project – HK Tour
Timable Event: Rubber Duck Project HK Tour
The Seoul Rubber Duck Project: An Ideological Dichotomy

Mapa da democracia – acesse, envie as mensagens, compartilhe

Links para o mapa da democracia e para um vídeo com a deputada Jandira Feghali.

Ao clicar no link do mapa da democracia você poderá enviar uma mensagem para os deputados membros da comissão do impeachment. Sua participação é essencial para barrarmos o golpe.

http://mapadademocracia.org.br

https://www.facebook.com/sigajandira2/videos/1164462373588423/

Paulo Martins

 

Desfaçatez de classe. Sidney Chalhoub

conversa de historiadoras

Os futuros anais históricos da Bruzundanga contarão admirados as efemérides daqueles remotíssimos dias de março de 2016. No quarto dia daquele mês, sexta-feira aziaga, certo juiz da roça, um tanto guapo, outro tanto aloprado, prendeu por um dia um ex-presidente da república que era também um ex-operário. O acontecimento espetacular acelerou a história.

 As duas semanas seguintes foram um deus nos acuda. O juiz da roça, ao que se dizia um simpatizante do partido da ave de bico comprido, bisbilhotou e divulgou ilegalmente conversas de autoridades diversas, até mesmo da presidenta da Bruzundanga. O magistrado de província justificou os atos que praticara à revelia da lei como decorrentes da elevadíssima estatura moral de sua pessoa e de seus propósitos. Tais escutas telefônicas, consideradas de gravidade ímpar por parte da imprensa que as considerou de gravidade ímpar (sic), tinha como objetivo conclamar a massa dos cidadãos parrudos da república a ir…

Ver o post original 1.141 mais palavras

ÁUDIO COMPROVA QUE OS TELEFONES DA PRESIDENTE FORAM GRAMPEADOS

Antes do ex-presidente Lula atender ouve-se a secretária da presidência da república falando e começando a discar.

Ora, que moderna tecnologia de grampeamento é essa que antes mesmo de se receber uma ligação e atendê-la já está gravando a intenção do interlocutor do outro lado da linha em fazer a ligação?

Como o telefone do ex-presidente, que estava grampeado, poderia gravar uma ligação antes do segurança do presidente atendê-la?

Aguardo explicações técnicas, bem fundamentadas, para essa tecnologia revolucionária da companhia telefônica e da Polícia Federal.

Como um juiz, que se acha o gênio da espécie humana, comete erros tão primários? Divulgou gravações feitas após o horário permitido e, o que é mais grave, divulgou gravações iniciadas a partir do telefone da presidência.

Está aí o áudio completo. Que um perito comprove que se trata de um áudio autêntico, sem cortes e sem manipulações. Ele é a prova definitiva contra a PF, contra Moro e contra a companhia telefônica. É por falar nisso: não vai ninguém questionar e solicitar esclarecimentos formais da companhia telefônica sobre este aparente crime?

Os trechos de áudio editados pelas ORGANIZAÇÕES O Globo nós já temos. Este está completo e, se verdadeiro, é uma bomba!

Paulo Martins

Publicado no 247

ÁUDIO COMPROVA GRAMPO AMBIENTAL CONTRA DILMA

Gravação da íntegra de uma conversa entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, no dia da condução coercitiva, revela que a Polícia Federal fez escutas ambientais no próprio Palácio do Planalto; ‘Ouça o início do áudio: a secretária da presidente faz de Brasília ligação para um segurança de Lula, em SP, mas antes da ligação ser atendida é possível ouvir a funcionária comentando algo. Ou seja, a ligação que partiu do Planalto já estava sendo grampeada, muito antes do segurança atender e dizer “alô”. Isso seria um absurdo, Estado de Exceção. Chefe de Estado não pode ser grampeada!’, postou a deputada Jandira Feghali ao divulgar o material; diálogo também revela relação extremamente cordial entre Lula e Dilma

17 DE MARÇO DE 2016 ÀS 07:55
247 – A gravação da íntegra de uma conversa entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, no dia da condução coercitiva, revela que a Polícia Federal fez escutas ambientais no próprio Palácio do Planalto.

Falta amparo jurídico do pedido de impeachment, por Ricardo Lodi

Fiel ao compromisso assumido com os leitores deste blog de só publicar informações fidedignas, estudos, pesquisas e opiniões fundamentadas, publico parecer jurídico do advogado Prof. Dr. Riacardo Lodi Ribeiro, da UERJ. O texto foi postado pelo autor em seu facebook. Trata-se de resposta a uma consulta jurídica do deputado Molon, da Rede Sustentabilidade.

Precisamos evitar o gás de pimenta que a mídia venal tenta jogar em nossos olhos o dia todo. Leia com atenção e forme sua opinião.

http://s.conjur.com.br/dl/parecer-ricardo-lodi-impeachment-dilma.pdf

Economia: uma questão de escolha, por Ulysses Ferraz

Economia: uma questão de escolha

“A inevitável dinâmica da competição e da integração econômica global tornou-se a ilusão da nossa era. Como Margaret Thatcher disse certa vez: não existe alternativa.” (Tony Judt)

Não há leis naturais em economia. O que há são políticas econômicas decorrentes de decisões humanas. Mas os neoliberais, inspirados nos economistas clássicos do século XVIII e XIX, querem nos persuadir de que a economia é regida por leis naturais. Segundo a retórica neoliberal, a concentração da renda e da riqueza, por exemplo, seria algo natural e plenamente justificável por meio de leis econômicas imutáveis no tempo e no espaço. De acordo com essa tese, os mais aptos são recompensados materialmente exclusivamente por seus méritos. E os pobres são punidos pelas suas inadequações. E não há o que se possa fazer a esse respeito. Um claro retorno ao darwinismo social de Herbert Spencer.

No entanto, a história econômica nos ensina o contrário. Por mais de 30 anos, nos países desenvolvidos, a social democracia e o Estado de bem-estar social deram conta de construir uma economia capitalista, sem recorrer aos extremos do dirigismo estatal, com menos desigualdade e mais inclusão social. E o fizeram por meio de decisões políticas. A extrema desigualdade, conforme demonstrou a história, não é uma inevitabilidade da natureza. Não é pressuposto de nenhum sistema econômico. Decorre simplesmente de decisões no âmbito da economia política. Ou da falta delas.

Economia é escolha humana. É narrativa social. Não é ciência exata. Como será o futuro dependerá das nossas escolhas. Humanas. E como narraremos essas escolhas. Hoje, a narrativa dominante é o discurso neoliberal. Políticos, economistas, jornalistas, formadores de opinião, todos se apropriaram dessa narrativa, de um mundo regido livremente pelos mercados, e a transformaram em realidade natural. Naturalizam o comportamento dos agentes econômicos, como se houvesse leis naturais regendo cada decisão econômica. Tudo racionalmente estruturado e perfeitamente equilibrado. Segundo essa ideologia, não há alternativa a não ser se adaptar às leis de mercado. Uma vez identificados e compreendidos o funcionamento dos mercados, só nos resta viver de acordo com suas leis.

Mas nada que integra essa narrativa é “natural”, “inevitável”, “irreversível”. Tampouco científico. Não se trata de nenhum processo natural. Privatização, desregulamentação, precarização, terceirização, globalização, austeridade fiscal, abertura de mercados, salários discrepantes, câmbios flutuantes, juros delirantes, etc. Nada disso é natural. São apenas escolhas humanas. Escolhas feitas por aqueles que mais se beneficiam delas. Decisões interessadas. São discursos retóricos que não traduzem o mundo real e sim interesses previamente definidos. Estudados. Estruturados. Escolhidos.

Para virarmos esse jogo da suposta “inevitabilidade econômica”, que invariavelmente só beneficia uma poderosa classe de privilegiados em detrimento do resto do mundo, é preciso inventarmos uma outra narrativa. Uma narrativa cuja única inevitabilidade seja a escolha. A escolha de uma política econômica que seja realmente inclusiva, igualitária e muito mais justa. E lutar por ela como quem luta pela própria vida.
Postado por ulysses ferraz às 07:37
Em ulyssesferraz.blogspot.com.br

Força-tarefa da lava jato: grampos por engano ?

Tire suas próprias conclusões.

BOI NA LINHA
MPF ataca ConJur por noticiar como “lava jato” grampeou 25 advogados de banca

17 de março de 2016, 21h59
Lamentando a não observância da Constituição e das leis na apelidada operação “lava jato”, a revista eletrônica Consultor Jurídico publicou reportagem mostrando que todos os 25 advogados de escritório que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram grampeados, uma vez que o telefone central do escritório Teixeira, Martins e Advogados foi interceptado. A notícia mostra como o Ministério Público Federal induziu o juiz a erro: pediu a interceptação telefônica da sociedade de advogados dizendo que o terminal pertencia à empresa Lils Palestras, Eventos e Publicações.

Durante a apuração da reportagem, os procuradores da República foram procurados. Em resposta, os integrantes do MPF explicaram que cometeram o erro por se ter baseado na informação de um site privado, o FoneEmpresas.com, onde o número do escritório consta como sendo da Lils. A versão foi publicada na reportagem. A ConJur também checou que qualquer busca no Google com o número de telefone indicado trazia como resultado o escritório Teixeira, Martins. A redação também ligou para o número e ouviu a gravação que começa com a seguinte frase: “Você ligou para Teixeira, Martins e Advogados”. Durante a interceptação por pelo menos 30 dias, os investigadores parecem não ter percebido o engano.

Depois que a notícia já estava no ar, com a íntegra da resposta enviada pela assessoria da imprensa da Procuradoria da República no Estado do Paraná, a redação recebeu uma “nota à imprensa”, disparada pelos procuradores que se apelidam de “força tarefa”, acusando a ConJur de ter distorcido os fatos e de “criar factoides”.

A nota do MPF, no entanto, não aponta em nenhum momento qual seria a distorção e repete tudo o que já foi publicado na notícia que mostra como as conversas de 25 advogados (além de empregados da banca) com pelo menos 300 clientes — que não eram investigados na “lava jato” — foram grampeadas a pedido do MPF.

Assim, nada há que corrigir ou acrescentar ao que foi dito na referida notícia.

Clique aqui para ler a notícia questionada.

Leia a nota enviada pelo MPF:

Nota para a imprensa

Lamentando a não observância das boas práticas jornalísticas pelo site Consultor Jurídico, que não analisou minimamente os autos de interceptações telefônicas objeto da 24ª fase da Operação Lava Jato, falha essa que resultou na distorção dos fatos apresentados na matéria Todos os 25 advogados de escritório que defende Lula foram grampeados, publicada no site (http://www.conjur.com.br/2016-mar-17/25-advogados-escritorio-defende-lula-foram-grampeados), a força-tarefa Lava Jato vem esclarecer:

(1) Conforme consta na petição, o telefone foi obtido por fonte aberta na internet, como vinculado à LILS PALESTRAS (link: http://www.foneempresas.com/telefone/empresa/telefone-de-l-i-l-s-palestras-eventos-e-publicacoes-ltda/13427330000100), cuja quebra foi deferida pelo juízo.

(2) Nos relatórios juntados aos autos, não constam transcrições de diálogos do referido número como alvo.

(3) No entanto, constam no relatório ligações em que telefones de alvos mantiveram conversas com terceiros que utilizaram o referido número.

(4) Quanto ao referido escritório, cumpre rememorar ainda o quanto posto pelo Juízo na decisão proferida nos autos da interceptação, o que revela que Roberto Teixeira é investigado: ‘Rigorosamente, ele não consta no processo da busca e apreensão 5006617-29.2016.4.04.7000 entre os defensores cadastrados no processo do ex-Presidente. Além disso, como fundamentado na decisão de 24/02/2016 na busca e apreensão (evento 4), há indícios do envolvimento direto de Roberto Teixeira na aquisição do Sítio em Atibaia do ex-Presidente, com aparente utilização de pessoas interpostas. Então ele é investigado e não propriamente advogado. Se o próprio advogado se envolve em práticas ilícitas, o que é objeto da investigação, não há imunidade à investigação ou à interceptação’.

(5) Além de tudo isso, no evento 42 dos autos 5006205-98.2016.4.04.7000, Roberto Teixeira se tornou alvo da medida tendo sido diretamente interceptado e investigado em razão da existência de evidências de seu provável envolvimento em crime, o que torna a reclamação inócua.

Diante das explicações acima, todas evidentes nos autos da medida mencionada, a referida notícia insere-se na estratégia de confundir a opinião pública, criando factoides sem qualquer fundamento.

O princípio da presunção de inocência, por Pablo Ángel Colantuono

Publicado em Carta Capital

As democracias se fortalecem na diversidade, quanto mais vozes se escutam, maiores níveis de democracia se constroem. Participar, discutir, construir, articular, são palavras próprias das democracias.

Certo é que tudo pode ser matéria de opinião cidadã, porém estamos obrigados a refletir ante a existência de posições que pretendem vulnerar as regras básicas de nossos sistemas democráticos: os direitos e garantias individuais, coletivos e sociais. Este é o limite, aquele que não podemos cruzar porque nossa América Latina já conheceu de forma dolorosa as escuras noites de nossas democracias.

A presunção de inocência cidadã é um valor fundamental de nossas democracias, mesmo quando possa nos parecer antipática em algumas suposições. Assim são os direitos e garantias humanas, já que cumprem uma função de controle do debate social, dos acordos ocasionais e expressões de maiorias e minorias, em síntese, do poder.

Nem tudo é disponível em matéria de jogo democrático. Sustentar que se pode executar uma sentença judicial de condenação à prisão sem antes finalizar as distintas instâncias ordinárias e extraordinárias de recursos é, pra citar um exemplo singelo, uma ofensa direta ao princípio de inocência e, tecnicamente, uma transgressão a diversos compromissos assumidos internacionalmente, especialmente por meio do Pacto de São José de Costa Rica.

Também atinge o principio da presunção de inocência postular como ilegítimo o ato de nomeação do ex-presidente Lula a um cargo de Ministro do Estado, sob o pretexto de que seria uma espécie de desvio de poder. Nada mais distante da técnica jurídica.

Todo Chefe de Estado tem plena liberdade, e competência, para designar seus funcionários, requerendo-se tão somente que estes cumpram com requisitos formais exigidos pelas Constituições – idade, residência, não estar inabilitado para exercer cargos públicos por julgamentos definitivos, entre outros.

A nomeação de ministros por parte dos Chefes de Estado é um ato de alta política institucional que pode ser debatida no terreno político-partidário e da opinião pública. Via de regra, não se trata de decisão que tecnicamente possa ser objeto de controle judicial.

O que significa o questionamento da nomeação de Lula, então? Cremos que, na realidade, o que se pretende é romper com a presunção de inocência, tratando de adiantar tempos judiciais. Pretende-se gerar assim uma consciência coletiva errada, destinada ao enfraquecimento das garantias cidadãs que são a proteção fundamental a nossos direitos humanos.

É grave inabilitar para um cargo uma pessoa por mecanismos inconstitucionais, independentemente de qual seja nossa valoração dessa pessoa e dos fatos que a rodeiam em um momento determinado. A violação ao princípio da presunção de inocência reduz a qualidade de nossas democracias, projetando seus efeitos sobre toda nossa institucionalidade.

Devemos reordenar o debate público de ideias a partir da vigência de toda a ordem constitucional. A despeito de quais possam ser nossas próprias ideias políticas. Devemos ser generosos, pensando em maior qualidade de vida institucional desde o agora até o amanhã. Por nós, por eles, pelos sem vozes…

  • Pablo Ángel Gutiérrez Colantuono é Diretor da Especialização em Direito Administrativo da Universidade de Comahue, na Argentina, e advogado.

** Tradução de Carolina Ressureição.

Dialogar é essencial

Diálogos Essenciais

Em 2014, criei este blog chamado dialogosessenciais.com para discutir, em clima civilizado, com informação e argumentos honestos, os problemas de nosso país.

O blog deveria servir, também, de contraponto às manipulações da mídia e para dar destaque a assuntos que considero importantes e que ficavam fora da pauta da mídia comercial.

Um pequeno blog, frente aos tubarões da mídia oligopolista e capitalizada. Um grão de areia, na verdade.

Inocentemente defendi diálogo e paz. Espaço para os direitos de minorias e daqueles que estão na base da pirâmide social.

DIÁLOGOS ESSENCIAIS é o nome do blog e uma declaração de princípios.

Infelizmente não consegui. Tem muita gente que não está interessada em diálogo e paz. Só lhes interessam dinheiro e poder.

Perdi a paciência, embora não tenha perdido o senso ético e a busca da verdade no meio do bombardeio midiático.

No auge da desesperança, publiquei opiniões fortes e poemas do…

Ver o post original 175 mais palavras

Dialogar é essencial

Em 2014, criei este blog chamado dialogosessenciais.com para discutir, em clima civilizado, com informação e argumentos honestos, os problemas de nosso país.

O blog deveria servir, também,  de contraponto  às manipulações da mídia e para dar destaque a assuntos que considero importantes e que ficavam fora da pauta da mídia comercial.

Um pequeno blog, frente aos tubarões da mídia oligopolista e capitalizada. Um grão de areia, na verdade.

Inocentemente defendi diálogo e paz. Espaço para os direitos de minorias e daqueles que estão na base da pirâmide social.

DIÁLOGOS ESSENCIAIS é o nome do blog e uma declaração de princípios.

Infelizmente não consegui. Tem muita gente que não está interessada em diálogo e paz. Só lhes interessam dinheiro e poder.

Perdi a paciência, embora não tenha perdido o senso ético e a busca da verdade no meio do bombardeio midiático.

No auge da desesperança, publiquei opiniões fortes e poemas do Pablo Neruda. Como desabafo. Como legítima defesa.

Mas continuo tentando manter o equilíbrio e o bom senso. Não publico boatos, nem manifestações de ódio. Publico informação, pesquisas acadêmicas e opinião fundamentada.

Como o meu blog não tem fins lucrativos e não devo nada para ninguém, sou livre para posicionar-me, especialmente contra a cobertura jornalística unilateral, especialmente do oligopólio chamado ORGANIZAÇÕES Globo.

Neste caso, quem cala, consente.

Temo pelo que possa acontecer a este país e à sua infante democracia. Não se fortalece a democracia, que é um exercício de aprendizado diário, fechando suas portas com um golpe.

O país precisa de paz e equilíbrio para alcançar o brilhante destino que lhe está reservado.

Se nós, amigos, parentes e conhecidos, deixarmos os formatadores da opinião pública formatarem nossas vidas em nome dos seus interesses de lucro e desejo de aumento de poder, vamos terminar destruindo os relacionamentos, razão de nossas vidas.

Nós não precisamos de poder e lucro para viver. Nos basta o básico.

Direito à informação honesta, sem manipulação, é direito humano fundamental.

Dialogar é essencial.

Algumas notas contra o golpe de estado em curso

NOTA À IMPRENSA
Tendo em vista a divulgação pública de diálogo mantido entre a Presidenta Dilma Rousseff e o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cumpre esclarecer que:
1 – O ex-Presidente Lula foi nomeado no dia de hoje Ministro-Chefe da Casa Civil, em ato já publicado no Diário Oficial e publicamente anunciado em entrevista coletiva;
2 – A cerimônia de posse do novo Ministro está marcada para amanhã às 10 horas, no Palácio do Planalto, em ato conjunto quando tomarão posse os novos Ministros Eugênio Aragão, Ministro da Justiça; Mauro Lopes, Secretaria de Aviação Civil; e Jaques Wagner, Ministro-Chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República;
3 – Uma vez que o novo ministro, Luiz Inácio Lula da Silva, não sabia ainda se compareceria à cerimônia de posse coletiva, a Presidenta da República encaminhou para sua assinatura o devido termo de posse. Este só seria utilizado caso confirmada a ausência do ministro.
4 – Assim, em que pese o teor republicano da conversa, repudia com veemência sua divulgação que afronta direitos e garantias da Presidência da República.
5 – Todas as medidas judiciais e administrativas cabíveis serão adotadas para a reparação da flagrante violação da lei e da Constituição da República, cometida pelo juiz autor do vazamento.

SECRETARIA DE IMPRENSA

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

XXXXXXXXXX

GRAVE ATENDADO À DEMOCRACIA: HÁ UM GOLPE EM CURSO

Em nítida retaliação à legítima decisão de Dilma de convidar o ex-presidente Lula a assumir o comando da Casa Civil, o juiz Sergio Moro rompeu com preceitos constitucionais. Grampeou Lula e Dilma, vazou o áudio para dar munição à setores da mídia que agora convocam a população para a frente do Palácio do Planalto.

O juiz de Curitiba explicita sua ação política, e se comporta como se estivesse acima da legalidade, violando o direito a privacidade, ao devido processo legal e à presunção de inocência. A soberania popular expressa pelo voto já não importa mais para alguns setores, tal como as instituições que construímos.

Foram pro tudo ou nada! A nós cabe denunciar golpe e defender a democracia.

Maria do Rosário

xxxxxxxxxxxxx

Há limites legais que, quando quebrados, resultam em grandes erros. Infelizmente é o que, nesse momento, acontece com operação Lava-Jato.

Muito difícil que a legalidade dessa interceptação telefônica seja confirmada quando do exame sereno e técnico das provas daí advindas.

Tenho desde o inicio apontado a importância da Lava-Jato. Mas regras constitucionais e processuais não podem ser quebradas. Lamento muito.

Chegamos a uma grave crise institucional. Sem serenidade, difícil sair dela sem a destruição do Estado Democrático de Direito.

Flávio Dino – Governador do Maranhão

xxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

O golpismo de ontem e o golpismo de hoje, por Jessé Souza

Jessé Souza é professor licenciado da UFF – Universidade Federal Fluminense e presidente do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Mais uma interpretação lúcida do professor Jessé sobre a atual realidade política do nosso país.
PODEROSOS INTERESSES CONTRARIADOS

O golpismo de ontem e o golpismo de hoje

Essa história tem larga tradição entre nós. Ela funciona do mesmo modo desde o começo do século XX – quando o Brasil começou a se transformar em sociedade urbana e industrial – e reúne os mesmos elementos: imprensa conservadora, setores moralistas da classe média e interventores da ordem constitucional
por Jessé Souza

Durante todo o ano de 2015, o segundo mandato da presidenta Dilma foi marcado por intenso ataque, seja da mídia, seja do Congresso Nacional, e de suas chamadas “pautas bomba”. A presidenta eleita foi posta na defensiva e ameaçada por diversos pedidos de impeachment, além de ter sido pressionada para renunciar desde o início de seu segundo mandato. É que ela, no auge de sua popularidade, ao contrário da estratégia de conciliação de interesses contrários do presidente Lula, ousou se opor aos interesses do capital especulativo brasileiro. A intenção era parar a drenagem de recursos do excedente social de todos para o bolso da meia dúzia que controla a economia, a política e a mídia entre nós, e encaminhá-los para o setor produtivo. A estratégia não só foi sabotada pela elite, como a cobrança da fatura pela ousadia está vindo agora.

O mais importante aqui não é apenas a seletividade com a qual a questão da corrupção é abordada ao se concentrar apenas no PT e procurar atingir de qualquer modo o ex-presidente Lula, de modo a inviabilizar sua reeleição em 2018. Ainda que isso seja parte da verdade, não é, nem de longe, o ponto mais interessante dessa história. Inicialmente, o que fica evidente, como a luz do sol de meio-dia, nesta crise política, criada e manipulada midiaticamente, e tem levado a uma crise econômica em grande medida construída politicamente é o seguinte: o tema da corrupção só pode ser usado para enganar e manipular a população, porque a definição do que é corrupção é arbitrária e pode ser aplicada ao bel-prazer de quem realiza o ataque.

Recentemente, por exemplo, veiculou-se na imprensa que o ex-presidente Lula foi “lobista” da Odebrecht no exterior. Esse fato é corriqueiro em todos os países avançados onde os presidentes fazem constante pressão para conseguir contratos para grandes indústrias e prestadoras de serviço de seu país. Ao contrário de despertar desconfiança, esse fato é visto como engajamento dos dirigentes da nação pela manutenção da riqueza e dos empregos nacionais, e cada êxito é comemorado por todos. Como a noção de corrupção é vaga e indefinida, e pode ser aplicada seletivamente, vale tudo a favor dos amigos e tudo contra os inimigos.1 A estratégia passa a ser um “se pegar, pegou”, e manchetes diárias constroem a artilharia pesada contra governos com relações e compromissos – os quais no caso em apreço poderiam e deveriam ser, inclusive, bem mais profundos – com as classes populares.

O ataque tem de ser realizado contra o suposto e, na realidade, falso2 “inchaço” e “aparelhamento” do Estado, sempre que este é usado não para ser privatizado pelo 1% mais rico, como sempre foi o caso, e sim para a maioria da população. A narrativa do Estado demonizado e do mercado virtuoso, primeiro construída “cientificamente”, como analisamos em detalhe no livro A tolice da inteligência brasileira,3 publicado recentemente, e depois reproduzida de modo “naturalizado” e “autoevidente” como truísmo aceito por todos, seja nas práticas de todas as instituições, seja nas esquinas de todo o país, cria o pano de fundo perfeito para o assalto à inteligência nacional. Os próprios ministros de Estado do governo usam Raymundo Faoro e sua balela sobre o patrimonialismo para amparar seus discursos de defesa do Estado4 ou de ataque e de apelo ao desmonte estatal,5 finalmente aceito e colocado em prática pela própria presidenta, posta na defensiva por essa mesma narrativa.6 Maior prova de que essa interpretação de mundo tornada prática continua comandando nosso horizonte de pensamento e de ação é impossível.

Na verdade, a corrupção entendida como negação do fair play, ou seja, enganar com o fim de lucro, é endêmica ao capitalismo – e certamente endêmica a todas as outras formas históricas de apropriação do excedente social – em todos os lugares e em todas as épocas históricas. Assim como as classes endinheiradas brasileiras construíram uma ideologia antiestatal para melhor monopolizar e instrumentalizar o Estado a seu favor, os capitalistas históricos criaram uma ideologia do “mercado justo” para se autolegitimar. Max Weber, com sua extraordinária influência em todas as disciplinas sociais, contribuiu muito para isso ao vincular o capitalismo à temperança protestante. Com isso, construiu uma falsa oposição, hoje aceita por quase todos, entre “capitalismo aventureiro”, enquanto capitalismo do saque e dos grandes lucros eventuais, e “capitalismo moderno”, sóbrio, construído com a noção do lucro cotidiano, permanente, mas “justo” e “contido”. Assim, o capitalismo moderno é percebido não apenas como “ganho em racionalidade”, mas também como “ganho em moralidade”, perfazendo os dois grandes elementos da virtude e da perfeição humana como percebidas pelo Ocidente.

Nada mais falso. O “saque”, como o dos campos de petróleo do Oriente Médio sob a batuta das grandes petrolíferas no governo George W. Bush, continua um método cotidiano do capitalismo dito “moderno”, desde que seja exequível militar e politicamente. Quanto à sobriedade e à temperança, se de fato existiram algum dia, não resistem a nenhuma análise mais “sóbria”. O capitalismo monopolizado de hoje não só fabrica balanços falsos de empresas e países com interesse de lucro e cria a ilusão de que grandes empresas e bancos fraudulentos são “grandes demais para quebrar” (como ficou patente na crise financeira de 2008), como também estabelece o patamar de preços que deseja sem nenhuma relação racional com custos efetivos. Os produtores recebem uma ínfima parte do lucro, e os grandes atravessadores ganham até quarenta vezes mais sem nenhuma adição ao valor dos produtos pelo simples fato de controlarem monopolisticamente o mercado.7 Ou seja, a “corrupção” percebida como engano e falseamento da “troca justa” é o dia a dia do mercado em todo lugar, ainda que muito maior em um mercado tão mal regulado como o nosso.

No Brasil, porém, o superlucro é visto como “inteligência” e “esperteza” – esquecendo-se de que, se há um “esperto”, é porque há milhões de “tolos” –, e a corrupção é sempre estatal ou tem relação com o Estado. Uma ideia absurda ganhou o coração e a mente de todos indistintamente, independentemente de coloração política, e é hoje uma espécie de “segunda pele” de todo brasileiro. Ela se presta, antes de tudo, ao “sequestro da política” pelos donos do dinheiro. Em fases de crise, como agora, quando a “farofa é pouca se quer o seu pirão primeiro”, os mais ricos querem cortar os investimentos sociais e ficar com o Estado só para eles. E essa história tem larga tradição entre nós. Ela funciona do mesmo modo desde o começo do século XX – quando o Brasil começou a se transformar em sociedade urbana e industrial – e reúne os mesmos elementos: imprensa conservadora, setores moralistas da classe média e interventores da ordem constitucional.

O moralismo da classe média no Brasil sempre foi extremamente seletivo e antidemocrático ao mesmo tempo. Sua seletividade implica ver o mal sempre “fora de si mesma” e nunca em sua própria ação cotidiana de exploração de outras classes, de quem ela rouba o tempo, a energia e qualquer possibilidade de redenção futura. O caráter antidemocrático que vemos nas manifestações recentes dos “coxinhas politizados” não tem nada de novo. Desde o tenentismo de 1922, a política e o sufrágio universal já eram percebidos como os empecilhos maiores da renovação verdadeira da sociedade brasileira. O moralismo de classe média sempre une o desprezo pela política em geral e a busca por uma “virtude idealizada”, que espelha por sua vez uma “vontade geral” indivisa, ilusão autoritária que foi o mote de toda revolta política com base de classe média – e de seus estratos pequeno-burgueses –, desde o jacobinismo francês até o fascismo europeu do século passado.

É esse caldo autoritário que tem de ser mobilizado pela imprensa conservadora – como verdadeiro partido da ordem dominante e de seus privilégios – sempre que a política tenda a sair do acordo de gabinete dos poderosos e endinheirados para o interesse da maioria da população. Isso aconteceu sem nenhuma exceção até hoje na história brasileira, sempre que o sufrágio universal conseguiu colocar no poder líderes identificados com as classes populares. Em todos os casos a classe média conservadora foi usada como massa de manobra na tentativa de derrubar os governos Vargas, Jango e agora Lula-Dilma, e conferir o “apoio popular” e a consequente legitimidade para esses golpes, sempre no interesse de meia dúzia de poderosos. A corrupção e sua vagueza conceitual são sempre o mote que galvaniza a solidariedade “emocional” das classes médias, que se imaginam moralmente superiores às outras,8 e confere respeitabilidade moral e política a esses assaltos à soberania popular. Como já dissemos anteriormente, a corrupção, definida seletiva e arbitrariamente, é a única forma brasileira de transformar os interesses mais privados em supostos interesses universais.

A imprensa é fundamental nesse processo e primeiro elemento da estratégia de fabricar um golpe. Isso acontece posto que é necessário “legitimar” o assalto ao princípio da soberania popular como única fonte que permite vincular legalidade e legitimidade do regime democrático e representativo. Como a soberania popular consagrada no voto é a única fonte de legitimidade do poder moderno em todas as suas dimensões, inclusive das regras consagradas constitucionalmente,9 a imprensa conservadora sempre teve de fazer estripulias de contorcionista chinês para deslegitimar a única fonte de todo o Direito e de toda a vida democrática moderna. Para isso, sempre foi necessário (e ainda é, como veremos) produzir o segundo elemento da estratégia golpista; insuflar o público conservador cativo – o qual, em uma sociedade tão perversa e desigual como a nossa, é antipopular em sua essência – com referências a uma “vontade geral” indivisa,10 a qual, supostamente, seria mais importante que a vontade individual manifesta nas urnas. O terceiro elemento formal de toda estratégia golpista é, portanto, um ator institucional que possa incorporar a “vontade geral” pré-fabricada. Na verdade, é uma vontade de meia dúzia de endinheirados que manipulam sua tropa de choque formada por uma classe média infantilizada que se autoidealiza.

Falta, então, encontrar esse terceiro elemento formal presente em todos os golpes contra o princípio da soberania popular, o qual deve incorporar precisamente tal elemento “apolítico” que responde aos anseios da antipolítica moralista construída entre nós com foro de “ciência”. Esse terceiro elemento deve ser uma espécie de “rainha da Inglaterra”, ou seja, ser visto como neutro e acima dos interesses em disputa. Em parte, a própria imprensa conservadora no Brasil sempre posou de “neutra” e gosta de se vender como uma instituição de “interesse público”, como se não fosse uma empresa qualquer disposta a (quase) tudo para aumentar seu lucro. Como nunca houve regulação da imprensa entre nós, esse tipo de empresa peculiar – que lida com a informação e, portanto, com a possibilidade de manipular a informação para fins empresariais e políticos – sempre foi historicamente comprada por todo tipo de interesse econômico que pagasse o maior preço.11 A figura emblemática desse fenômeno histórico entre nós foi Assis Chateaubriand, uma espécie de “patrono da imprensa brasileira” e o mais puro exemplo – depois seguido por muitos outros – do uso político indiscriminado e truculento dos veículos de imprensa para auferir ainda mais dinheiro e poder.12

No entanto, sempre foi necessário que o terceiro elemento estivesse ancorado na própria ordem constitucional, que no caso brasileiro já tinha a tradição do “Poder Moderador” imperial. Assim, nessa “repartição de trabalho do golpismo”, cabia à imprensa “neutra” e “desinteressada” passar a “senha”, ou seja, criar o “convencimento” para o clima de “crise”, sempre com base na crítica seletiva da corrupção, para que a baioneta pudesse exercer sem peias seu papel. Essa repartição de trabalho do golpismo para a manutenção de uma sociedade para poucos foi reproduzida também na Constituição da “redemocratização” de 1946: seu artigo 177 garantia aos chefes militares a possibilidade de julgar se o presidente havia desrespeitado os demais poderes constitucionais, a lei e a ordem.13 Estava transposto no texto constitucional o princípio de uma espécie de “democracia tutelada”, ancorada nas Forças Armadas e em sua possibilidade expressa de intervir quando a “ordem pública” estivesse em perigo, ou seja, sempre que os interesses do 1% dominante e mais rico fossem ameaçados. Estava então consolidado o terceiro elemento formal de todo golpe de Estado entre nós, como princípio constitucional, baseando-se na ficção da existência de uma instituição acima da política e dos partidos.

O jogo da pseudodemocracia moderna brasileira estava armado: o aproveitamento consequente do moralismo de fachada dos setores médios baseado no ressentimento contra os de cima (sempre considerados corruptos, especialmente no Estado) e o ódio contra os de baixo, destinado a ser astuciosamente insuflado sempre que a imprensa, “neutra como o dinheiro”, visse seus interesses na ordem para poucos de algum modo ameaçado. Os dois juntos, “povo” (ainda que 80% estivessem de fora) e “imprensa neutra”, clamam pela intervenção do elemento “não político” e “não corrupto” (sic) das Forças Armadas, que incorporaria a “vontade geral” para o povo tutelado e submetido. No caso de Vargas, que refletia formas suaves de inclusão social-democrata perfeitamente compatíveis com um capitalismo dinâmico, a “corrupção seletiva” só dos líderes ligados aos setores populares já foi o mote principal para sua derrubada.14 Com Jango, as reformas de base foram interpretadas como comunismo, e o combate à corrupção, mais uma vez seletivo – e que seria muito maior nos governos militares sem nenhum controle –, foi o grande mote para a continuidade do regime de exceção.

Poucos veem hoje em dia a continuidade desse processo antipopular de intervenção antidemocrática no “golpismo branco”. A única mudança realmente efetiva nos processos de golpes anteriores, fato que ainda não foi percebido no debate brasileiro atual sempre muito preso à conjuntura, pobre teoricamente e sem perspectiva histórica, em relação ao atual em curso é mais aparente que real. Como os militares perderam a legitimidade de “guardiões da ordem” – primeiro pela violência das torturas e depois pelos próprios casos de corrupção entre os militares no poder ou acobertados por eles –, surge a necessidade de outro “justiceiro” para incorporar a “vontade geral” acima da política, para fazer justiça com as próprias mãos, bem ao gosto de nossa classe média que aprova, por exemplo, a matança indiscriminada de pobres pela polícia.15

O candidato perfeito para ocupar o lugar vazio deixado pelos militares surge no aparato de órgãos de controle do Executivo e do Judiciário criados pela Constituição de 1988, que reúne ambiguamente não apenas a tentativa de universalizar direitos, mas também a desconfiança na política – criada entre nós por meios pseudocientíficos, como vimos – e a necessidade de instaurar um novo “poder tutelar”, de modo a resguardar os interesses do 1% mais rico e poderoso.

Esses órgãos não apenas recrutam seus quadros prioritariamente na classe média conservadora e moralista. Todos os interesses materiais e ideais dessas corporações – com alguns dos mais altos salários da República, além de benesses e privilégios de todos os tipos, aliados ao prestígio social, especialmente em sua classe de origem, reservado aos que lutam contra a corrupção – ganham com o projeto de substituir as Forças Armadas como nova instância do “Poder Moderador” da pseudodemocracia brasileira. São os órgãos de controle, como Tribunal de Contas da União, Ministério Público e Polícia Federal, aliados aos “juízes justiceiros”, incensados pela mídia conservadora como os novos “heróis do povo” (leia-se, da classe média conservadora), como os novos representantes da “vontade geral” (ou seja, os interesses econômicos do 1% mais rico); supostamente “acima da política”, que são os novos candidatos a incorporar o “Poder Moderador” da pseudodemocracia tutelada brasileira.

O “Direito” moderno, cuja única grandeza é ser reflexo e incorporação da soberania popular na sociedade moderna, é o primeiro a perder com a substituição do juiz sóbrio e objetivo16 pela figura narcísica do “justiceiro”, que aceita incorporar e teatralizar a “vontade geral” pré-fabricada. A própria definição do Direito formal moderno, marcada pelo respeito ao procedimento legal e como garantidor do contraditório como meio de se assegurar previsibilidade e segurança jurídica, tende a ser substituído pelo que Max Weber chamava de “justiça do Kadi”. Ou seja, um padrão de justiça material, construída sob o comando de aspectos extrajurídicos ditados pela conjuntura, sujeita a todo tipo de pressão emocional e de interesse de ocasião.17

Na lama desse “Direito de ocasião” se engalfinham agências de controle e Poder Judiciário para aumentar seu poder relativo dentro do aparelho de Estado e virtualmente “governar”. Além do interesse político em ocupar espaços de poder, todos os interesses materiais e ideais dos operadores jurídicos militam por essa expansão de jurisdição. Na condição de paladinos anticorrupção, podem exigir salários ainda melhores e ainda mais regalias de toda espécie.

A recente ofensiva do deputado federal Eduardo Cunha vem de outra senda do espectro político. Ela não se traveste de “interesse geral” e não assume a forma do protagonismo “jurídico” que se oferece desejoso de sepultar e substituir a política. Ela assume a forma da negociata à luz do dia, sem usar vestes e sem “enganar” o público. O fracasso das recentes manifestações do dia 13 de dezembro de 2015 mostra que o público precisa ser enganado e manipulado em seu ressentimento e em sua desesperança, que são reais. O sucesso da estratégia de Cunha seria um retrocesso de consequências imprevisíveis até para os oportunistas, como o PSDB, o qual se põe como herdeiro fiel do golpismo oportunista dos udenistas, que irresponsavelmente apoia. A crise tem sempre a virtude de mostrar os interesses mais vis agindo à luz do dia.

Como a política, no entanto, precisa da hipocrisia, acho que são os “golpes jurídicos” que têm maior chance de sucesso. São os “juízes justiceiros” incensados pela mídia conservadora e com o poder de fazer de tudo, muito especialmente jogar no lixo o que o desenvolvimento civilizacional construiu nos últimos 2 mil anos na esfera do Direito. O “superjuiz” só precisa da mentira repetida todos os dias, a qual diz que existem pessoas acima dos interesses dos partidos e acima dos interesses econômicos e políticos. Assim, pode-se inclusive torturar legalmente pessoas jogadas em cadeias sem culpa formada e sem razão jurídica comprovada – um tipo de tortura psíquica certamente tão cruel como o pau de arara dos militares.

Mudam-se as vestes e as fantasias, “moderniza-se” o golpe, substitui-se o argumento das armas pelo argumento “pseudojurídico”, amplia-se a aparência de “neutralidade”, sai de cena a baioneta e entra no palco da ópera bufa a toga arrogante e arcaica do operador jurídico, mas preserva-se o principal. Quem continua mandando de verdade em toda a encenação do teatro de marionetes é o mesmo 1% que controla a riqueza e o poder, e instrumentaliza a informação a seu bel-prazer. Os outros 99% ou são manipulados diretamente, como a classe média “coxinha”, ou assistem de longe, bestializados, a um espetáculo pelo qual, como sempre, vão ter de pagar sem participar do banquete.

Jessé Souza

*Jessé Souza é professor titular de Ciência Política da UFF e presidente do Ipea. Autor de A tolice da inteligência brasileira, recentemente lançado pela Leya. Este artigo é uma versão atualizada e modificada do último capítulo dessa obra.

Ilustração: Eugêni

1 Aécio Neves, por exemplo, teve sua menção no escândalo da Lava Jato simplesmente silenciada pela imprensa.

2 Segundo trabalho do técnico do Ipea Felix Garcia Lopez, as despesas líquidas com pessoal em relação à receita líquida da União diminuíram entre 1995 e 2014, negando um suposto “inchaço” do Estado. Ao mesmo tempo, apenas 13,1% de todos os cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS) têm alguma relação partidária, negando a tese do aparelhamento. Ver Felix Garcia Lopez, “Evolução e origem dos nomeados para cargos DAS na administração pública federal no período 1992 a 2014”, Brasília, Ipea, 2015.

3 Jessé Souza, A tolice da inteligência brasileira, Leya, São Paulo, 2015.

4 O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, lembrou na imprensa, quando estourou o escândalo da Lava Jato, que todos os brasileiros, na verdade, usam o “jeitinho”, como ensinado por Faoro e Roberto DaMatta, na vida cotidiana.

5 O ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy, em sua posse, citou Faoro, cuja “teoria” não vale um vintém furado, como mostramos aqui, para legitimar o Estado mínimo.

6 O trabalho de Felix Lopez, citado anteriormente, mostra que toda essa discussão do “inchaço” e do “aparelhamento” estatal não guarda nenhuma relação com a realidade.

7 Ver Ladislau Dowbor, “Produtores, intermediários e consumidores: o enfoque da cadeia de preços”, Revista Econômica do Nordeste, v.45, n.3, p.7-16.

8 O fato de estar no “meio da sociedade” implica submissão ressentida aos poderosos acima dela e ódio pelos de “baixo”. A superioridade “fabricada” com relação aos que têm poder é baseada na ilusão de que estes são sempre “corruptos”, transformando a inferioridade econômica e social real em superioridade “moral” fantasiada. Como diz Max Weber, a primeira necessidade das pessoas não é ver a verdade, mas, ao contrário, “legitimar” a vida que efetivamente levam como a melhor possível.

9 Ver sobre isso o clássico de Jürgen Habermas, Faktizität und Geltung [Entre facticidade e validade], Suhrkamp, 1992.

10 Pierre Rosanvallon, La Légitimité démocratique. Impartialité, réflexivité, proximité [A legitimidade democrática. Imparcialidade, reflexividade, proximidade], Éditions du Seuil, Paris, 2008.

11 Ver Paulo Henrique Amorim, O quarto poder, Hedra, São Paulo, 2015; e Fernando Morais, Chatô, o rei do Brasil, Companhia das Letras, São Paulo, 1994.

1 Ibidem.

13 José Murilo de Carvalho, Forças Armadas e a política no Brasil, Zahar, Rio de Janeiro, 2005.

14 Ver a excelente trilogia de Lira Neto, Getúlio, volumes I, II e III, Companhia das Letras, São Paulo, 2014.

15 A matança de pobres, com ou sem a desculpa do tráfico, no Brasil, é uma “política pública informal” com alto apoio popular.

16 É patente a diferença entre um juiz alemão, por exemplo, sempre sóbrio e discreto, com o desavergonhado “narcisismo midiático” de vários juízes brasileiros, em todas as instâncias, em uma função na qual a distância das paixões políticas é precondição para seu bom desempenho.

17 Max Weber, “Rechtssoziologie” [Sociologia do Direito]. In: Wirtschaft und Gesellschaft [Economia e sociedade], J.C.B., Mohr, 1985, p.471.
04 de Janeiro de 2016

Palavras chave: conservadorismo, congresso, câmara, política, PMDB, golpe, democracia, governo, Dilma, Getúlio, ditadura