A indústria farmacêutica é um perigo para a saúde

Compartilho artigo assinado por Bernie Sanders, ex-candidato à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata. Se nos Estados Unidos, onde os controles e a fiscalização são mais rigorosos, a indústria farmacêutica – e de outros setores também – fazem essa farra com o dinheiro público e com a saúde das pessoas, imagine no Brasil onde estão todos preocupados em acabar com o Bolsa-Família, o Mais Médicos, derrubar presidentes, morar em Miami e comprar em Nova York.

E, depois, ainda tenho que ouvir citações sobre as maravilhas da livre iniciativa, da competição e da capacidade do mercado, sozinho se auto-regular. Tenho que escutar argumentos, de quem finge que leu Adam Smith, de que se deixado livre, cada empresário, ao buscar seu exclusivo interesse individual, sem qualquer interveniência de governos, melhor contribuirá para o interesse coletivo.

Eu gostaria de ver Adam Smith, que faleceu em 1790, retornar à terra e explicar para os idiotas que apoiam a liberdade de estupro da saúde alheia, que não foi bem isso que ele quis dizer. E, como ser humano ético, reconhecer que, tendo em vista a “evolução” do capitalismo, suas  teorias não podem ser aplicadas por total afastamento da realidade.

Quantos precisam morrer nos EUA e no mundo até que o mercado de medicamentos e da saúde se equilibrem e as pessoas tenham recursos para pagar os absurdos custos dos tratamentos médicos?

Quantos Estados, Prefeituras, países e Sistemas Únicos de Saúde quebrarão antes que as pessoas acordem e entendam que esta situação é completamente insana?

Ou todo mundo acha mesmo que basta entrar na justiça e obrigar as empresas de plano de saúde a arcar com os valores absurdos de algumas drogas que são essenciais para salvar suas vidas e as vidas dos seus entes queridos?

Até quando manifestantes verdeamarelos vão pra rua vomitar abobrinhas, mandar as pessoas para Cuba – em se falando de tratamento de saúde, talvez até seja uma boa sugestão – enquanto os bancos cobram taxas de juros exorbitantes, o Banco Central prática taxa de juros vergonhosas e os grandes oligopólios fazem o que querem em todos os setores do mercado, inclusive nos mercados de saúde?

Até quando a vida vai girar somente em torno do Self ?

Paulo Martins

Leia o artigo:

A indústria farmacêutica tornou-se um grande perigo para a saúde do povo norte-americano.

Os EUA pagam – de longe – os preços mais elevados do mundo para medicamentos prescritos (com receita médica).

Como resultado desses preços exorbitantes, quase um em cada cinco americanos não pode se dar ao luxo de comprar os remédios de suas receitas médicas.

Enquanto isso, as cinco maiores empresas de medicamentos alcançaram em 2015 um lucro total de 50 bilhões de dólares (equivalentes a 163 bilhões de reais).

Isso é inaceitável. Um medicamento fabricado para salvar vidas não serve para nada se o paciente não puder comprá-lo.

Um novo relatório divulgado hoje pelo Americans for Tax Fairness ( Americanos pela Justiça na Tributação) explica como uma empresa farmacêutica, a Gilead Sciences, joga com o sistema de cobrar preços elevados, levar os lucros para serem tributados fora do país e evitar bilhões de dólares em impostos dos EUA.

A Gilead vende uma droga chamada Sovaldi, que é usado para tratar o vírus da hepatite C. A droga foi desenvolvida com fundos públicos, dos contribuintes, por um pesquisador que trabalhou no Departamento de Assuntos de Veteranos e fundou uma pequena empresa farmacêutica.

A Gilead comprou a empresa por 11 bilhões de dólares, adquiriu os direitos de monopólio fornecidos pelo governo americano e fixou o preço de US $ 1.000 (3.260,00 reais) por comprimido, ou US $ 84.000 (273.840,00 reais) por tratamento , a preços de 2013.

As empresas de seguro saúde públicas e privadas norte-americanas, os contribuintes e os pacientes gastaram mais dinheiro em Sovaldi em 2014 do que em qualquer outra droga de prescrição.

Gilmar obteve seu retorno sobre o investimento em menos de um ano.

Se não tratada, a hepatite C pode resultar no que uma enfermeira-praticante chamou de “algumas das piores mortes que eu já vi.” Ela disse: “No final, você não morrer sabendo quem você é, sua barriga parece 12 meses de gravidez , você está desnutrida, e você está sangrando até a morte. “

Os doentes com hepatite C são muitas vezes de baixa renda e um número desproporcional deles são veteranos. No entanto, muitos programas Medicaid tiveram que limitar o acesso ao medicamento, e apesar de gastarem, literalmente, bilhões de dólares em novos fármacos para a hepatite C, o Departamento de Assuntos de Veteranos inicialmente lutou para fornecer a medicação para cada veterano que precisava.

Enquanto isso, os lucros da Gilead quintuplicaram desde que começou a vender a droga, de US $ 4 bilhões em 2013 para US $ 22 bilhões em 2015.

E o assunto fica ainda mais feio. O relatório do Americans for Tax Fairness concluiu que a Filead se livrou de pagar quase US $ 10 bilhões em impostos dos EUA.

Como isso é possivel?

Gilead afirmou que apesar de fazer “dois terços das suas receitas aqui e cobrando preços mais elevados de drogas do que em qualquer outro lugar do mundo, fez apenas cerca de um terço dos seus lucros nos Estados Unidos”, segundo o relatório.

A empresa paga uma taxa efetiva de apenas 1 por cento nos países estrangeiros onde se propõe a fazer negócio. E em 2013, diretor financeiro da Gilead disse que a fórmula da droga Sovaldi estava sendo transferida para a Irlanda, a fim de diminuir a taxa de imposto efetiva da empresa.

A estratégia funcionou: taxa efetiva de imposto mundial da Gilead caiu de 27 por cento em 2013 para 16 por cento em 2015.

Muitas empresas americanas usam esta prática para evitar o pagamento de impostos dos EUA, mas a ganância da Gilead é particularmente repreensível, porque o público americano pagou por essas drogas duas vezes: primeiro os contribuintes financiaram a pesquisa dos fármacos para a hepatite C e, em seguida, eles pagaram uma segunda vez quando Gilead decidiu cobrar dos americanos o preço mais alto no mundo para o tratamento.

E agora os americanos estão sendo enganados uma terceira vez quando a Gilead esconde seus lucros no exterior para evitar impostos.

Mas Gilead não é a única empresa que está se aproveitando dos financiamentos públicos de  públicos para pesquisa e das falhas na legislação teibutária. Pfizer, Merck, Johnson & Johnson, Eli Lilly, Bristol-Meyers Squibb e muitos outros se envolveram em sonegação fiscal offshore semelhante para evitar pagar bilhões de dólares em impostos nos EUA a cada ano.

Quando os americanos vão descobrir que o sistema fiscal norte-americano, o financiamento público de pesquisas e o sistema de patentes não estão servindo ao interesse público?

Quando os americanos vão perceber que eles foram distorcidas para servir os interesses particulares de alguns bilionários como John C. Martin, CEO da Gilead até março passado, cuja remuneração atingiu um pico de quase US $ 200 milhões em 2014?

Quando o Congresso americano vai ter a coragem de enfrentar a ganância da indústria farmacêutica e dizer basta?

No ano passado, eu solicitei, diz Bernie Sanders, ao Departamento de Assuntos de Veteranos para usar uma lei existente que permite ao governo federal quebrar patentes, a fim de tornar os medicamentos da hepatite C disponível para veteranos. Eu também introduzi uma lei no ano passado, a Lei de Prevenção Contra Sonegação Tributária de Corporações, que seria tributar todos os lucros das corporações norte-americanas da mesma forma, independentemente de onde eles são ganhos. Isso eliminaria o incentivo para que as empresas escondam os seus lucros no exterior.

Eu também, afirma Sanders, apoiei a legislação que iria reduzir os custos para os consumidores, ao premiar os desenvolvedores de medicamentos com base em benefício de uma droga para os consumidores. Sob tal sistema, Sovaldi teria sido atribuído um prêmio monetário substancial, uma vez que representou um grande avanço para os pacientes com hepatite C, mas sob minha proposta, a droga viria imediatamente para o mercado como medicamento genérico, poupando os consumidores uma década ou mais de pagar preços exorbitantes para os medicamentos de marca. Eu também apoio fortemente que o Medicare negocie os preços dos medicamentos e reduza as barreiras para a importação de medicamentos de prescrição do Canadá e outros países.

Outros países regulam estritamente o que as empresas farmacêuticas podem cobrar mas, nos EUA, não há limite para a especulação flagrante dos executivos das corporações.

Acoplar preços exorbitantes dos novos medicamentos com novas e criativas formas de evitar o pagamento de impostos é uma atitude verdadeiramente vergonhosa.

Isso tem de mudar.

Americanos que sofrem de hepatite C hoje e de muitas outras doenças graves – incluindo veteranos, aposentados e crianças – precisam de um governo que trabalha para eles, não apenas para os Executivos de grandes empresas farmacêuticas e a para a classe bilionária.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s