O rottweiler virou poodle, por Guilherme Boulos

Compartilho artigo de Guilherme Boulos, publicado na Folha de São Paulo.

Embora seja algo previsível, vale o registro. Pablo Neruda já registrou, faz tempo, a existência desse tipo de “covardão arrendado” em sua poesia intitulada Os favoritos, publicada neste blog.

Repito trechos desta poesia. Pode ser aplicada a diversos dos lambe-botas que participaram da campanha do golpe e foram recebidos em palácio ou ministério tão logo o presidente e os ministros golpistas tomaram posse:

 Os Favoritos

No espesso queijo cardão

da tirania amanhece

outro verme: o favorito.

É o covardão arrendado

para louvar as mãos sujas.

É orador ou jornalista.

Acorda rápido em palácio

e mastiga com entusiasmo

as dejeções do soberano,

elocubrando longamente

sobre seus gestos, enturvando

a água e pescando seus peixes

na lacuna purulenta.

Paulo Martins 

“Nem sequer Michel Temer foi efetivado como presidente da República, mas sua interinidade já foi o suficiente para ocasionar curiosas metamorfoses no comportamento de muita gente, até mesmo no reino animal.

Reinaldo Azevedo, guru da direita delirante, tornou-se conhecido por ataques raivosos, cheios de ranço e impropérios, contra o governo petista. Isso lhe rendeu o apelido de “rottweiler”. Pouco rigoroso, é verdade, já que dos rottweilers Reinaldo possui apenas a raiva, deixando de lado a força e coragem.

Agora, três meses passados do afastamento de Dilma Rousseff, nem a raiva ficou. É difícil encontrar em seus textos uma só crítica ao governo do interino. A agressividade de outrora deu lugar à bajulação. Temer domesticou o “rottweiller”.

Logo no primeiro dia, Reinaldo derreteu-se ante o fraquíssimo discurso inicial do vice, qualificando-o de “impecável na forma e no conteúdo” e dizendo sentir-se, depois de muito tempo, perante uma autoridade que inspirava respeito por encarnar os “bons valores da institucionalidade”. Comovente. Chegou a encantar-se até mesmo com as mesóclises.
O presidente interino, Michel Temer, em evento no Palácio do Planalto
O presidente interino, Michel Temer, em evento no Palácio do Planalto
A vergonha alheia seguiu seu rumo. Veio o primeiro escândalo do governo interino Michel Temer, com as gravações de Sérgio Machado. Nelas, o então ministro Romero Jucá relaciona sem rodeios o impeachment a um pacto para barrar a Lava Jato. O mesmo Machado, pouco depois, confessou em delação ter repassado R$ 10 milhões em caixa dois para o PMDB a pedido do próprio Michel Temer.

Foi aí que o “rottweiller” perdeu de uma só vez os dentes e a vergonha. Contemporizou. Ele disse que não havia nada de relevante na fala de Jucá. Tentando manter algum resquício de dignidade, defendeu que Temer o demitisse por razões “políticas”, não “legais”.

Já em relação aos R$ 10 milhões foi além, alegando que não há nenhuma referência à origem ilícita do dinheiro e que “não há como acusar o presidente de coisa nenhuma”. Claro, Madre Temer de Calcutá se encontrou com um diretor de estatal e conhecido operador de propinas, num galpão de aeroporto, para tratar de doações legais e outros assuntos republicanos. Triste de se ver.

Mas a conversão de Reinaldo Azevedo é retrato de uma hipocrisia maior. A cobertura de boa parte da imprensa tornou-se subitamente mais “compreensiva”, restituindo na opinião pública o que Celso Rocha de Barros, colunista da Folha, definiu como o benefício da dúvida em favor de Michel Temer.

As panelas também reencontraram seu lugar no armário. Silenciosas nos sucessivos escândalos que derrubaram três ministros. Silenciosas também nas manobras gritantes de Eduardo Cunha para evitar a cassação e a prisão, até aqui vitoriosas. Elas não são mais necessárias. Nem os paneleiros. Nem as marchas cívicas na avenida Paulista. Não por acaso seus verdadeiros artífices abandonaram-nas à própria sorte, resultando no fiasco do último dia 31, a despeito de alguns garotos que acreditaram estar fazendo história.

Reinaldo Azevedo é retrato desta indigência moral. Mas também pode, ironicamente, tornar-se sua vítima. Se confirmado o afastamento de Dilma, seu ofício perde o sentido. Seu nicho de mercado diminuirá na mesma proporção que sua função social. Tende a tornar-se tão descartável quanto Cunha, os meninos do MBL (Movimento Brasil Livre) e as panelas.

Como sinal dos tempos, o semanário que o emprega já botou na rua dois da mesma turma, Rodrigo Constantino e Marco Antônio Villa. No desespero, é de se esperar que Reinaldo procure novos alvos e carregue no tom de baixaria sensacionalista, mas apenas para esconder a bajulação servil. O “rottweiler” virou poodle”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s