Rancho da Goiabada: doze milhões de famintos

Vou repetir: doze milhões de famintos. Doze milhões de famintos. Doze milhões de famintos … PQP, doze milhões de famintos!

Quase quatorze milhões de desempregados. Quase quatorze milhões de desempregados. PQP, quatorze milhões de desempregados!

Vinte e três mihões de “sevirantes”. Vinte e três milhões de “sevirantes”. A máfia da mídia os chama pomposamente de “empregados por conta própria”. A mão direita assina o seu contrato de emprego como empregadora e a mão esquerda assina este mesmo contrato como empregado. O ‘sevirante” trabalha o mês todo sem direito ao pagamento das despesas de transporte e alimentação e, ao final do mês, o empregador, sua mão direita, enfia a mão no bolso direito e tira o dinheiro para pagamento do mês de trabalho. Sua mão esquerda recebe, conta, e enfia o dinheiro em seu bolso esquerdo. “Empregado por conta própria”. Premiado. Está empregado e não tem patrão.

São bóias-frias. Burros-sem-rabo. Camelôs. “Moradores” de rua. Fogueteiros. Aviões. Gerentes. Assaltantes. Flanelinhas. Guardadores de lugar na fila do INSS. Guardadores de celular na fila do Consulado norte-americano. Vendedores de balas nos sinais. Limpadores de vidro de carro. Malabaristas de sinal fechado. Mendigos de chão de calçada. Pedintes de porta de bancos.

“Sevirantes”.

A tomada do poder mediante um reles artifício teve este exato objetivo: adotar um plano econômico que não teria a menor possibilidade de ser aprovado nas urnas. O estado mínimo e a miséria máxima, o outro lado desta moeda, implantados na marra, goela abaixo. Pós-golpe.

O investimento público quase zerado. Não cobre nem os custos de depreciação, ou seja, estão destruindo bens de capital. Bens de capital são aqueles necessários à produção de novos bens. Se não se repõe, mediante novos investimentos o que se perdeu, como pensar em futuro?

Desempregados eternos. “Sevirantes” para sempre

E, apesar de tudo, de toda a recessão planejada, a relação dívida/PIB dispara. Resultado mais do que óbvio da adoção da política de recessão. Nós avisamos. Os economistas não envolvidos no golpe avisaram. “Austericídio” à la grega.

Um país que encolhe, empobrece, será, mais adiante, ruim para todos. Até para quem abandonou o barco e virou “sevirante” em Nova York, Miami ou Portugal.

O rancho da goiabada.

Paulo Martins

QUEM SE COMOVE COM A PRISÃO DE LULA?
E COM OS DADOS DO DESEMPREGO?

Por Gilberto Maringoni

Quantas pessoas estão revoltadas com a prisão de Lula? Quantas estão desoladas? Quantas outras estão espantadas?

Não sei. Talvez a minha bolha virtual e outras semelhantes, mais alguns conhecidos e amigos pelo Brasil? A esquerda, num sentido amplo? Quanto dá isso? Dez mil pessoas? Cem mil? Um milhão? Dois?

Não sei e não penso que seja isso o mais importante. O importante é verificar que, três semanas depois da prisão, os que alegam terem vencido o ex-presidente agora – às vésperas do 1o. de Maio – apresentam seus feitos. Suas realizações. Seus troféus!

Eles estão aí, repetidos pelas redes:

A. O número de desempregados em todo o Brasil, no primeiro trimestre do ano, alcança 13,7 milhões de pessoas. Dados do IBGE.

B. A construção civil demitiu 280 mil trabalhadores em doze meses;.

C. O investimento público desabou. Todo o setor público, união, estados e municípios investiram 1,17% do PIB, o menor patamar em meio século. Investimento público, como se sabe, é a construção do futuro.

D. Um país em acelerado processo de degringolada social e desesperança.

A prisão de Lula em si é uma injustiça, uma fraude jurídica e um atentado á democracia. Mas não é – desculpem – o centro dos dramas do país.

O centro dos dramas do país é a catástrofe social que se avizinha.

A prisão de Lula tem potencial politicamente explosivo se as pessoas perceberem que ela está conectada direta e objetivamente ao programa e aos resultados do golpe. Quando escrevo pessoas, devo completar: dezenas de milhões de pessoas.

É um tapa na cara: prenderam o Lula dizendo que iam consertar o país e o resultado está aí! Os que o prenderam são os mesmos que arrebentam com a renda e destroem o emprego. E comprometem nosso futuro.

Parece fácil o vínculo, mas não é. Ainda é abstrato para um enorme contingente de brasileiros e brasileiras.

Mas é tão eloquente que, mais cedo ou mais tarde, os dois processos aparentemente desconectados se juntarão na cabeça de todos.

Será assim ainda neste ano em que a CLT completa 75 anos e a carta de 88 apaga trinta velinhas!

Uma bomba atômica social está em processo de montagem. Ela precisa ser direcionada contra os de cima.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s