Diplomatas

Diplomatas (1948)

Pablo Neruda, em Canto Geral

Se você nasce bobo na Romênia
segue a carreira de bobo,
se você é bobo em Avignon
sua qualidade é conhecida
pelas velhas pedras de França, pelas escolas e meninada desrespeitosa das granjas.
Mas se você nasce bobo no Chile não demoram a fazê-lo embaixador.
Chame-se você bobo Mengano, bobo Joaquín Fernández, bobo Fulano de Tal, se for possível

tenha uma barba acrisolada. É tudo o que se exige
para “entabular negociações”.
Informará depois, sabichão, sobre a sua espetacular apresentação de credenciais, dizendo: Etc., o coche,
etc., Sua Excelência, etc. frases, etc., benévolas.
Arranje uma voz cava e um tom de vaca protetora, condecorando-se mutuamente com o enviado de Trujillo, mantenha discretamente
uma garçonnière (“Sabe você as conveniências destas coisas para o Tratado de Limites”), remeta disfarçado em algo
o editorial do jornal doutoral que leu ao café anteontem: é um “informe”.
Junte-se com o “fino”
da “sociedade”, com os bobos daquele país, adquira quanta prataria puder comprar,
fale nos aniversários
junto aos cavalos de bronze, dizendo: Ejem, los vínculos, etc., ejem, etc.,
ejem, los descendientes,
etc., la raza, ejem, el puro,
el sacrosanto, ejem, etc.
E fique tranquilo, tranquilo: 

é você um bom diplomata do Chile, é você um bobo condecorado e prodigioso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s