Visões, por Bertolt Brecht

PARADA DO VELHO NOVO

Eu estava sobre uma colina e vi o Velho se aproximando, mas ele vinha como se fosse o Novo.

Ele se arrastava em novas muletas, que ninguém antes havia visto, e exalava novos odores de putrefação, que ninguém antes havia cheirado.

A pedra passou rolando como a mais nova invenção, e os gritos dos gorilas batendo no peito deveriam ser as novas composições.

Em toda parte viam-se túmulos abertos vazios, enquanto o Novo movia-se em direção à capital.

E em torno estavam aqueles que instilavam horror e gritavam: Aí vem o Novo, tudo é novo, saúdem o Novo, sejam novos como nós! E quem escutava, ouvia apenas os seus gritos, mas quem olhava, via pessoas que não gritavam.

Assim marchou o Velho, travestido de Novo, mas em cortejo triunfal levava consigo o Novo e o exibia como Velho.

O Novo ia preso em ferros e coberto de trapos; estes permitiam ver o vigor de seus membros.

E o cortejo movia-se na noite, mas o que viram como a luz da aurora era a luz de fogos no céu. E o grito: Aí vem o Novo, tudo é novo, saúdem o Novo, sejam novos como nós! seria ainda audível, não tivesse o trovão das armas sobrepujado tudo.

Bertolt Brech – Poemas 1913 – 1956

Seleção e tradução de Paulo César de Souza

Editora 34

Amazônia, Chico Mendes e o “ministro” Meio Sem Ambiente

O texto é do André Trigueiro. O título do artigo é meu.

Do Blog do André Trigueiro:

Ao lembrar que o ministro faria no dia seguinte sua primeira viagem à Amazônia, e que a região desperta preocupação mundial, Lessa perguntou qual a opinião dele sobre Chico Mendes.

“Faltavam menos de 4 minutos para que a edição da última segunda-feira do programa Roda Viva, da TV Cultura, chegasse ao fim. Como de praxe, o âncora Ricardo Lessa pediu licença aos debatedores para fazer as últimas perguntas “rápidas” ao entrevistado. Depois de uma tensa sabatina em que defendeu a flexibilização da legislação ambiental, o auto-licenciamento, e a desimportância da agenda climática em relação a outras prioridades de sua pasta, entre outras questões, o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles não poderia imaginar que suas últimas respostas seriam aquelas que mais repercutiriam depois.

“Olha, eu não conheço Chico Mendes. Eu tenho um certo cuidado em falar sobre coisas que eu não conheço”. Ao reconhecer a própria ignorância em torno da figura de uma das principais lideranças do movimento ambientalista brasileiro, o ministro poderia encerrar a resposta aí. Mas seguiu em frente dizendo:

Ministro: (…) Eu escuto histórias de todo lado. Dos ambientalistas mais ligados à esquerda, o enaltecimento de Chico Mendes. As pessoas que são do agro, que são da região, dizem que Chico Mendes não era isso que é contado…

Cristina Serra (uma das debatedoras convidadas) : O que o pessoal do agro diz para o senhor?

Ministro: Que o Chico Mendes usava os seringueiros para se beneficiar, fazia uma manipulação da opinião…

Ricardo Lessa: Beneficiar o que? Ele morreu pobre.

Ministro: O fato é que é irrelevante. Que diferença faz quem é o Chico Mendes nesse momento?

Cristina Serra: Chico Mendes é uma liderança reconhecida pela ONU.

Ministro: Mas a ONU reconhece um monte de coisa errada também.

Bastaram alguns segundos de um diálogo tenso para se perceber claramente (quem quiser conferir a entrevista na íntegra acesse a página do Roda Viva no Facebook) o desprezo do atual ministro do Meio Ambiente pela história e pelo legado de Chico Mendes por entendê-lo como alguém da “esquerda”, e de quebra, pela ONU.

Em respeito à história, vale lembrar de quem estamos falando.

Chico Mendes só passou a ser conhecido no Brasil depois de receber em 1988 o prestigiado Prêmio Global 500 Roll of Honour, concedido pela ONU, pela defesa do meio ambiente. Na oportunidade, ele previu que seria assassinado pela luta que vinha travando no Acre. Líder seringueiro, Chico criou o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri (AC) na década de 1970, quando começou a receber ameaças de morte. Ajudou a fundar o PT na região (talvez venha daí a antipatia do atual ministro, fundador do Movimento Endireita Brasil) e a organizar a União dos Povos da Floresta. Sua militância em favor do desenvolvimento sustentável da região incomodava os fazendeiros que expandiam as áreas de pasto derrubando extensas áreas de floresta.

Chico Mendes impedia o avanço dos tratores sobre a floresta recorrendo ao “empate”, quando famílias inteiras (mulheres e crianças à frente) se sentavam de forma organizada próximo das máquinas, inibindo a ação dos desmatadores. As ameaças de morte se intensificaram quando Chico teve contato direto com representantes do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e do Senado americano, e denunciou projetos financiados com recursos estrangeiros que ameaçavam as comunidades indígenas e a floresta. Quando o fluxo de dinheiro para o desmatamento minguou, a decisão de matá-lo ganhou força.

Chico Mendes foi assassinado aos 44 anos com tiros de escopeta na varanda de casa, mesmo sob a escolta de dois policiais. Os fazendeiros Darly Alves (mandante do crime) e o filho dele, Darcy Alves Ferreira (autor do disparo) foram condenados a 19 anos de prisão. Um ano depois do assassinato de Chico Mendes, o então presidente José Sarney – sob pressão da comunidade internacional e de várias organizações do Brasil por não garantir a vida do líder seringueiro nem a proteção das florestas -criou o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e de Recursos Naturais Renováveis). Por coincidência, o Ibama vem sendo acusado de ser uma “indústria de multas”.

Antes de encerrar o Roda Viva, Ricardo Salles ainda foi perguntado se teria algum livro de cabeceira na área de meio ambiente. “Eu já li vários livros na área de meio ambiente. Hoje estou lendo os técnicos, sobre licenciamento ambienal, sobre temas de pagamento por serviços ambientais. Questões técnicas que tragam resultados”, respondeu.

O âncora insistiu: “Mas, um livro inspirador…”

A resposta foi inclemente: “Da área de meio ambiente são os livros técnicos que eu uso. Eu acho que são necessários ao trabalho”

E rolaram os créditos.

Dentre as muitas leituras que poderíamos indicar aqui para o ministro, fica a dica para o excelente livro do colega Zuenir Ventura, “Chico Mendes, crime e castigo”, um amplo registro do que de mais importante houve antes, durante e depois do assassinato do “herói dos povos da floresta”. Depois de conquistar o Prêmio Esso de Jornalismo pela série de reportagens sobre o assassinato de Chico Mendes, Zuenir voltou ao Acre 15 anos depois para ver o que tinha acontecido por lá. Vale a pena conferir.

A história segue. É dinâmica. Nem o Acre, nem o Brasil, nem a política, nem os ambientalistas ou os ruralistas são os mesmos. Mas o que se espera de um ministro do Meio Ambiente permanece igual. Ou seja, alguém identificado com o sentido maior de todas as lutas ambientais, que é o uso inteligente e sustentável dos recursos naturais. Exatamente o que Chico Mendes defendeu ao lado dos seringueiros, castanheiros, indígenas, pequenos pescadores, quebradeiras de coco e populações ribeirinhas da Amazônia. Ninguém mais deveria morrer por isso. Importante que o ministro do Meio Ambiente seja o primeiro a reconhecer o mérito dessa luta.”

A vaga reservada no topo da cadeia alimentar, por Maria Cristina Fernandes

Publicado no Valor Econômico.

Maria Cristina Fernandes, para equilibrar-se na posição em que se encontra como colunista do jornal Valor Econômico, das Organizações, precisa, sempre que escreve um texto contra o governo patronal, qualquer governo patronal, fazer críticas ao PT. É uma espécie de salvo-conduto. Se o assunto é a extinção da Previdência Social para os jovens que entrarão no mercado de trabalho e sua substituição por uma espécie de poupança compulsória, administrada por terceiros, por que ela não foca exclusivamente neste assunto, atual e urgentíssimo, informando ao público leitor detalhes desse golpe de mestre da dupla Guedes-Bolsonaro?. A conclusão é simples: o público leitor do jornal Valor Econômico é o seleto mundo dos empresários, a elite predatória nacional e estrangeira. Para eles não servem a omissão e a manipulação grotesca praticadas pelo Extra, Istoé, Veja, Estadão, O Globo, a imprensa engana-bobo nacional. Para esse mundo empresarial o Valor Econômico serve a receita neoliberal tradicional, com algumas análises um pouco menos superficiais. Aí entra Maria Cristina Fernandes, como uma voz pretensamente alternativa, mas que precisa, para ser aceita (engolida, na verdade) pela nossa elite escravocrata, para ganhar a confiança desse mercado ávido pelas reformas a qualquer custo, de falar mal dos governos do PT desde a introdução até a metade do texto. Compreensível. O jornal é feito para eles, para essa classe de sangue-sugas, para essa classe que vive e enriquece do trabalho alheio. Também, vindo das Organizações esperar o quê?

Paulo Martins


A vaga reservada no topo da cadeia alimentar

O governo Luiz Inácio Lula da Silva mal tinha começado quando Francisco de Oliveira publicou um texto em que identificou o surgimento de uma nova burocracia. Gestores de fundos de pensão, ligados ao partido do presidente da República, agiriam em defesa deste ou daquele investimento contrariando, muitas vezes, os interesses dos trabalhadores por meio dos quais ascenderam ao poder. Ao premonitório texto, Oliveira deu o nome de Ornitorrinco, uma alegoria desses novos gestores na forma de um mamífero, ovíparo e com bico de pato.

O sociólogo foi o primeiro a prever as mudanças políticas geradas pela gestão de fundos pensão de estatais pelo PT. Não era a primeira vez que isso acontecia. Expandidos, em grande parte, durante a ditadura, acumularam digitais do PFL de Antonio Carlos Magalhães, aos interesses privatistas do PSDB. No poder, o PT, além de espalhar ornitorrincos pela capital federal, franqueou espaços ao MDB de Renan Calheiros e Eduardo Cunha.

A ingerência sobre os recursos desses fundos fez a fortuna de gerações de empresários brasileiros, recheou a crônica de todos os grandes escândalos das últimas décadas, da Capemi à JBS, e adentrou a era Bolsonaro. O governo ainda não tinha completado um mês quando a Polícia Federal deflagrou uma operação para prender acusados de pagar subornos para que recursos de fundos de pensão de estatais e órgãos públicos administrados pelo BRB fossem investidos em projetos de duvidosa viabilidade como um hotel de luxo na Barra da Tijuca (RJ), tocado por uma sociedade que chegou a reunir as empresas do presidente americano, Donald Trump, e o neto do último general-presidente da ditadura, João Figueiredo.

Ao propagandear a capitalização privada como a saída para a Previdência no país, o governo Jair Bolsonaro é favorecido pela trágica memória recente da administração dos fundos públicos de pensão. Já se desmentiram idade mínima, paridade de gênero ou redução de abonos, mas ainda não se contestou a capitalização como pilar desta reforma. Tanto a mensagem presidencial ao Congresso Nacional quanto as declarações do ministro da Economia são no sentido de que a capitalização da Previdência pública é o que garantirá o futuro da juventude brasileira.

A julgar pela minuta, no entanto, esse futuro ainda é uma página em branco a ser desenhada pelo quórum mais reduzido da legislação complementar. O texto preliminar não deixa dúvidas de que está por se abrir, com uma carta branca, um mercado bilionário para o concentrado sistema financeiro que é o gestor da previdência privada do país.

Em duas décadas, os fundos de previdência aberta em suas duas modalidades (VGBL e PGBL), acumularam um patrimônio (R$ 800 bilhões) equivalente àquele dos fundos de previdência fechados. Nas contas de Daniel Pulino, professor de direito previdenciário da PUC-SP e conselheiro do fundo de previdência dos servidores federais (Funpresp), as taxas de administração dos fundos abertos fazem com que, ao longo de 35 anos, se reduza, pela metade, a rentabilidade do benefício (ver gráfico acima).

Capitalização é o pilar da reforma da Previdência

Ao remeter para legislação complementar a regulamentação, a proposta deixa em aberto a possibilidade de os fundos abertos não apenas aumentarem sua carteira com uma contribuição compulsória dos trabalhadores da iniciativa privada como concorrerem com os fundos de pensão fechados na captação de servidores. Ganhariam terreno na crença de que a gestão pública da Previdência está sujeita à roubalheira. O medo sugeriria ainda aos poupadores que taxas de administração que afetam a rentabilidade de seu benefício futuro e aumentam a remuneração do capital dos acionistas das instituições financeiras, não passam de uma pechincha.

Ao longo das últimas décadas, os fundos de pensão e o BNDES foram os responsáveis por grande parte do financiamento da infraestrutura do país. Gerações de políticos ascenderam em seus partidos como despachantes desses interesses. A capitalização da Previdência parte do pressuposto de que os recursos a serem captados pelos fundos geridos pelos bancos vão fomentar o mercado de capitais e, por meio deles, o financiamento do investimento privado.

Depois de preconizar reformas do gênero, o Banco Mundial já publicou sucessivas ressalvas de que o almejado fomento do mercado de capitais tem ficado aquém do esperado e que as empresas empregadoras, ao se ausentarem paulatinamente da co-participação dos benefícios previdenciários geridos pelos fundos privados, arriscam o empobrecimento dos poupadores na velhice.

A gestão desses recursos previdenciários pelos bancos tem ônus e bônus. A imagem a zelar, pilar do seu negócio, reforça a segurança atuarial do produto. O preço a ser pago pelo país é a concentração ainda maior de poder no sistema financeiro, o bicho que está no topo da cadeia alimentar em que vive o ornitorrinco. Os critérios de governança desse mercado serão definidos pela intricada tramitação da reforma, em detalhes cujo interesse para as poderosas redes sociais tem sido inversamente proporcional à importância para o futuro daqueles que sequer conquistaram o direito ao voto.

Golpe de Mestre

Paulom

06.02.2019

dialogosessenciais.com

Patrão (P), Governo Federal (G) e Empregado (E) pegaram um bilionário empréstimo no Banco (B), comprometendo-se a pagá-lo juntos.

P sonegou parte da sua obrigação e convenceu G a desobrigá-lo de pagar uma outra parte importante.

G nunca pagou sua parte pois desviou os recursos para outros gastos.

E pagou sozinho sua parte, descontadas compulsoriamente por P e G do seu contracheque. Parte do valor descontado de E nunca foi enviada por P para Banco.

P e G, devedores, se juntaram e combinaram chamar de déficit o que é, em verdade, sonegação, desoneração, falcatrua, calote, desvio e apropriação indébita.

P e G alegam que as dívidas do empréstimo que eles contraíram e não pagaram, virou uma bola de neve e não cabe nos seus orçamentos.

P e G, preocupados com a saúde financeira de Banco, acertam renegociação do empréstimo e do saldo da dívida colocando E como único devedor.

Você acha justo?

Substitua a palavra Banco por Previdência Social, empréstimo por Contribuição Previdenciária e déficit por dívida e você vai entender porque a reforma da Previdência de Guedes (leia mercado financeiro) e de Bolsonaro (leia estamento fascista) é um GOLPE de MESTRE.

Paulom