A arte

“Não, Raul Seixas não teve uma visão ao compor “O Dia em que a Terra Parou”. Saramago não “previu por acaso” uma pandemia em Ensaio Sobre a Cegueira.
Jean Yves-Ferri e Didier Conrad não fizeram o quadrinho do Asterix enfrentando o vilão Coronavírus em 2017 por um golpe de sorte, ou George Orwell quando escreveu 1984, ou Aldous Huxley com seu Admirável Mundo Novo, ou Mark Homan e Greg Kotis com Urinal, o Musical, ou Bong Joon-Ho com Parasita e assim vai.
Não é mera coincidência.
É justamente isso que a arte faz. Lê a sociedade e a desvenda de modo que ela nos seja revelada não apenas pelo nosso pensamento, mas através dos nossos sentimentos.
A arte está dizendo há muito tempo que nosso modelo de vida não é sustentável e que não tardaria para que a sociedade neoliberal, individualista, medicalizada, incapaz de lidar com frustrações, sobrecarregada de trabalho e precarizando as relações trabalhistas, terceirizando o cuidado com os filhos, com pouca ou nenhuma preocupação com o meio ambiente, enfim, para que essa sociedade entrasse em colapso.
Há tempos que a arte nos diz: parem de ser infantis e achar que bandido bom é bandido morto porque nossas mãos se sujam de sangue cada vez que ignoramos o sofrimento do outro para que tenhamos nossos privilégios.
Nós somos os bandidos.
Parem de achar que o mundo se divide em mocinhos e ladrões, princesas e vilões, as relações humanas são muito mais complexas, trazem conflitos, dilemas, nuances e não podem ser traduzidas apenas em poucas palavras.
É preciso que haja, sim, muita coisa escrita nos livros e é preciso que existam cada vez mais livros, mais quadros, mais filmes, mais peças, mais música, mas ao invés de manter olhos e ouvidos abertos, a sociedade marginalizou e combateu os artistas, essa gente chata que fica nos dizendo o que não queremos ouvir e nos mostra o que não queremos ver.
Essa gente cheia de mimimi, mamando na Lei Rouanet dizendo o tempo todo que não podemos nos fechar em nós mesmos e temos que aprender a viver como coletividade.
Essa gente mostra que não há possibilidade de sobrevivência se alguns ficam extremamente felizes enquanto outros são massacrados, que cada vez que um de nós tem muito mais do que suas várias gerações futuras poderiam precisar, é porque alguém não tem o necessário para viver, e que não podemos cuidar só dos “nossos” e o resto que se vire, porque todos são “os nossos”.
Artistas, esse povo que fica chorando por verba pública porque diz que arte (e não mero entretenimento), assim como ciência, não podem ficar sujeitas a regras de mercado e que esse tal mercado não pode ser o regulador da sociedade porque não há possibilidade de economia forte sem justiça social.
A arte está nos alertando desde muito tempo que nossa moral foi flexibilizada a ponto de aceitarmos como líderes, pessoas que defendem tortura ou que prendem criança em gaiola somente porque prometem mais dinheiro e nós acreditamos, maldosamente ingênuos, perversamente cegos, que esse dinheiro vai chegar a quem precisa.
Arte e ciência mostram que se a consciência do todo não for acordada, treinada, exercitada, não teremos chance enquanto espécie neste planeta.
Se não houver paz para todos, não haverá para ninguém.
Agora parece que as pessoas começam a ver que a distância entre eu e a operária de fábrica da China que faz meu tênis em troca de um salário de fome, pode ser apenas a de um microrganismo. Prestem atenção na arte, ela é incômoda, chata, como tudo o que tem ligação estreita com a realidade.
Arte dói, liberdade dá trabalho, consciência é um incômodo constante, pensamento nos deixa em crise, democracia precisa ser cuidada.
São remédios amargos, mas são os únicos que podem nos salvar.” Não sei a autoria, se alguém souber me diz aqui pra o devido crédito.

Compartilhado do Facebook de João Lopes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s