Idoso da Havan e o lixão ideológico

Leio, em rede social de um partido alinhado com as causas sociais e direitos humanos, críticas políticas ao dono da loja de departamentos Havan, apelidado Véio da Havan.

Robôs e seguidores de Bolsonaro ampliaram sua atuação nas redes sociais e adotaram a estratégia de invadir páginas e sites progressistas e espalhar fake news ou postar comentários absurdos, disfarçados de preocupação com a democracia ou com a liberdade de culto ou de expressão. Nada mais falso.

Este é o caso de um comentário que, a pretexto de defender o Véio da Havan das justas críticas políticas, compara este senhor a Marielle, alegando que ele está sendo vítima do que ele chama de ódio do bem. Ele dá a entender que esse tal ódio do bem é tão pernicioso quanto o ódio do mal, que eles praticam.

Ora, tornou-se normal no Brasil inverter os termos da equação para confundir a sociedade e obter dividendos políticos. O que era consenso, fruto da luta do ser humano pela sobrevivência em uma sociedade de competição e exclusão, o que foi convencionado como civilizatoriamente correto para evitarmos que os mais fortes e poderosos eliminassem os mais fracos transformou-se, na visão dos mais fortes, em conhecimento e sentimento descartáveis.

A civilização, necessária à convivência em equilíbrio dos seres humanos em uma sociedade cada vez mais integrada e interdependente, foi jogada no lixão ideológico dessa extrema direita bárbara.

Seria a crítica política fundamentada em valores éticos e civilizatórios comparável ao ódio – não precisamos qualificá-lo. Ódio é ódio – que a extrema direita dedica a tudo que é humano?

Claro que não. Por isso, fiz questão de responder ao comentarista que comparou o Véio da Havan a Marielle, como se fossem iguais. Leia abaixo:

Senhor comentarista, se você não vê diferença entre Marielle, uma pessoa que dedicou e perdeu sua vida na luta pelos direitos humanos, sem interesses financeiros e/ou escusos e o Idoso da Havan, uma pessoa que só pensa nos seus interesses financeiros e/ou escusos, financia a divulgação de mentiras contra adversários políticos e financiou ilegalmente campanhas políticas baseadas em fake news (o que é crime aqui e em qualquer país sério), entre outras atrocidades que ele fala e pratica,
deve ser porque o senhor o apoia ou é igual a ele.

E está minha manifestação não é ódio do bem nem elogio ao senhor.

Este meu comentário é uma manifestação política em resposta a um comentário absurdo, disfarçado de preocupação honesta. Ele é, na verdade, uma espécie de lamento, um sentimento que todos temos ao ver que a empatia com as pessoas – e no caso da Marielle e do Anderson, com pessoas que foram brutalmente fuziladas – e o que restava de humano, a humanidade, foram parar em um lixão ideológico que está destruindo o Brasil.

Destaque

Brasil: seguindo a matriz

Não tem a mínima chance de dar certo com Guedes e Bolsonaro, se o certo for um futuro para as pessoas no Brasil com acesso à Saúde, Educação, emprego digno, paz social, equilíbrio econômico e meio ambiente limpo, ou seja, vida digna para todos, sem distinção de cor, sexo e classe social.

Eles estão implementando uma política econômica contracionista, austericida, que desvia recursos da maioria da população e os transfere para o Estado e para um grupo pequeno de empresários oligopolistas.

Na ditadura, que começou em 1964 e desabou podre em 1985, cheia de cupins, gafanhotos, tortura, assassinatos e corrupção, um daqueles generais que eram nomeados presidentes pelos seus amigos de farda declarou, perplexo, que: “a Economia vai bem, mas o povo vai mal”.

Esse general nunca aprendeu uma regra básica, simples: se o povo vai mal, o Estado e o mercado (que é o que eles chamam de Economia) não podem ir bem. Guedes e Bolsonaro repetem exatamente o mesmo erro dos generais da ditadura: estão alheios à realidade que os cerca. Fingem não ouvir os apelos e insistem em ideias ultrapassadas que levaram outros países ao caos social e econômico.

Alguns generais ainda hoje, em pleno ano de 2020, demonstram um descolamento da realidade e dos fatos que assustam qualquer cidadão minimamente preocupado com o futuro do Brasil. Um desconhecia o que era o SUS, mesmo tendo sido nomeado ministro da Saúde e outro, que exerce a função de vice-presidente, elogiou o mais produtivo e sanguinário dos torturadores da ditadura de 1964 no Brasil. Espero. Que m

Vai demorar um pouco para as pessoas sentirem na pele que suas vidas prioraram.

Quando acordarem, corremos o risco de parte desse povo, contaminada pelas notícias falsas e tomada pelo ódio, se torne ainda mais radical e comece a assassinar, à luz do dia, aqueles que ela considera seus inimigos, pois está armada e organizada em falanges e milícias.

Nos Estados Unidos foram descobertos pelo FBI e presos treze integrantes de uma milícia paramilitar neonazista que planejava sequestrar a governadora democrata de Michigan Gretchen Whitmer e outras autoridades do estado antes das eleições presidenciais de novembro próximo. O plano envolvia, ainda, um “julgamento por traição” contra a governadora democrata, nos moldes do grupo Estado Islâmico.

Eles não estão brincando. Nós não podemos fingir não ver.

Fontes da notícia: G1, nbcnews, CNN, BBC.