Crime de assédio eleitoral: o que é

Assédio eleitoral
Angelo Cavalcante

Dos seus gabinetes e escritórios muito bem instalados e climatizados a ordem do patronato goiano é uma só: “Tirem, arranquem votos dos trabalhadores para Bolsonaro!”.

Capatazes, superintendentes, chefes menores e completamente desavergonhados não pestanejam e rasgam seus discursos criminosos, imperativos e autoritários! Oferecem dinheiro, cargos, funções, novos salários além de um monte de outras quinquilharias.

Uns, mais modestos, disponibilizam churrascos, cervejadas e, ao fim, um dinheirinho; outros, desprovidos de qualquer cerimônia, publicam suas intenções e dão visibilidade aos seus crimes lançando tais ardis nas redes sociais.

Vergonhoso, lamentável e constrangedor!

Isso tem nome… Se chama ASSÉDIO e é crime!

Lembrou do evangelho quando o demônio leva Cristo para um monte e oferece-lhe terras, palácios e riquezas se “me adorar”!

O Cristo nega!

Bom… Tem que ricos, abonados e oligarcas de todo o Brasil estão, exatamente e nesse preciso instante em que você lê essas letras… Emparedando, pressionando e encurralando trabalhadores para tascarem votos no intragável e incompetente presidente de plantão.

De verdade… Tudo isso já está descarado, na luz do dia e sob holofotes. Esses barões já perderam a vergonha, o discernimento e qualquer fiapo ou vaga lembrança de ética ou conduta!

Foi duro conquistar mas… Estejam certos de que o voto é livre, individual, secreto e deve expressar a exclusiva vontade daquele que o possui e o exerce e ninguém – NINGUÉM – pode coagir ou pressionar quem quer que seja para que o voto alheio seja em fulano, cicrano ou beltrano!

Não… Não são só empresários, fazendeiros ou financistas e que realizam esses dispositivos… Prefeitos e vereadores, sobretudo, de cidades interioranas estão, a todo vapor, espremendo o juízo e as vontades alheias…

É um absurdo completo!

E isso, de fato, não será resolvido pela seriedade de juízes eleitorais, de fiscais ou advogados sinceros e atentos… Esse crime político e invasivo é resolvido, do mesmo modo, com a inteligência política dos trabalhadores.

A alternativa possível é que esses mesmos trabalhadores, em assumida discrição, silêncio e rebeldia, operem em contrário às determinações desses “novos senhores de engenho”; que votem em Lula da Silva, o “horror dos horrores” dessa gente; que elejam o candidato socialista, social e do mundo do trabalho.

Todas essas refregas são, ora, ora… Classes sociais em conflito; é a interminável luta entre o capital e o trabalho e; a destacada sanha de poderosos por capturar a subjetividade, as intimidades e vontades das classes do labor.

Só a rebeldia, sobretudo, a rebeldia das consciências, nos salva!

Lula Presidente!

Angelo Cavalcante – Economista, professor da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Itumbiara.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s