Paulo Kliass: O Banco Mundial dos velhos tempos

Economia
28 de novembro de 2017 – 16h53
Paulo Kliass: O Banco Mundial dos velhos tempos

Publicado em vermelho.org.br

O dia 21 de novembro de 2017 talvez tenha marcado uma triste mudança de rota no comportamento de um dos principais organismos multilaterais em sua história mais recente de relações com o Brasil. Naquela terça-feira foi convocada uma cerimônia oficial para o lançamento de um importante documento oficial do Banco Mundial (BM), com o pomposo título “Um Ajuste Justo: Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”.

Por Paulo Kliass*

Presente ao ato, o Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, estava acompanhado do Ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira. Na sede da Fazenda, ambos faziam sala para o representante do BM, Martin Raiser, em evento que foi concebido para conferir legitimidade à nova versão do receituário do desastre. Na verdade, trata-se de um conjunto de proposições que lembravam os antigos tempos das cartas de recomendação do Fundo Monetário Internacional (FMI) e de outros libelos de natureza impositiva elaborados pelo próprio BM.

A história e a origem do mencionado estudo talvez nos auxiliem na compreensão de tal mudança de comportamento. Afinal, há anos que não se tinha notícia de tal nível de ingerência externa na formulação explícita de políticas públicas em nossas terras. Desde 2003, a relação com tais organismos estava mais civilizada e o financismo conservador era obrigado a se fazer representar por meio de seus colunistas nos grandes meios de comunicação e por intermédio de seus representantes informais nos altos escalões do governo. Mas nesse caso, a relação mudou e houve uma solicitação por parte do próprio Ministro da Fazenda, logo no início do segundo mandato de Dilma Roussef. Triste ironia da História.

O fato concreto é que tudo começou com uma demanda de Joaquim Levy ao BM, que recorreu em 2015 aos seus colegas daquela instituição financeira sediada em Washington. Ele pedia que a instituição realizasse um estudo a respeito da qualidade dos gastos públicos do governo federal. Estranho, para dizer o mínimo. Aquele que havia sido indicado para o comando da economia como a segunda opção do Presidente do Banco Itaú desconsidera a competência profissional reconhecida que existe no interior da própria administração pública federal e apela para o espírito dos Beatles, implorando por uma “little help from my friends”. Ou seja, busca amparo junto à galera que raciocina afinada com o pensamento hegemônico no interior do sistema financeiro internacional.

Levy encomenda estudo ao Banco Mundial

A encomenda do BM demorou mais de dois anos para ser concluída e só pode ser realizada graças à especial e dedicada “colaboração” com que a equipe encarregada pelo estudo foi agraciada pelos dirigentes que ocupam postos estratégicos na Esplanada durante esse período. Afinal, verdadeiras caixas pretas de informações estratégicas do governo brasileiro foram gentilmente oferecidas aos consultores externos. O mais impressionante e significativo de tudo isso é que Joaquim Levy deixou o governo no início de janeiro de 2016 para – como que por mera e inusitada coincidência! – ser nomeado para o cargo de Diretor Financeiro do próprio Banco Mundial em fevereiro de 2016. Haja promiscuidade nessa teia de relações incestuosas.

A lista de agradecimentos do documento contém uma extensa fila de nomes e de pessoas envolvidas com as altas esferas do governo que sucedeu ao golpeachment. É bem compreensível tal deferência da alta tecnocracia do BM. Afinal esse pessoal do governo Temer está altamente empenhado em promover a maior parte das propostas que a fina flor do financismo internacional também está exigindo das elites tupiniquins. Como a população e as forças progressistas começam a se articular para evitar a continuidade e o aprofundamento do desmonte, os serviçais sempre de plantão por aqui agora resolveram apelar para o apoio político e ideológico do BM.

O próprio documento reconhece a sua gênese e aponta para a cumplicidade solicitada há mais de dois anos atrás:

“Atento à mudança de cenário, o governo federal solicitou ao Banco Mundial a elaboração deste relatório, com o objetivo de realizar uma análise aprofundada dos gastos do governo, identificar alternativas para reduzir o déficit fiscal a um nível sustentável e, ao mesmo tempo, consolidar os ganhos sociais alcançados nas décadas anteriores.” (GN)

Ora, nada mais ridículo do que esse pedido de ajuda. Há equipes e carreiras muito bem capacitadas no âmbito da administração pública federal, com plenas condições de cumprir com esse tipo de demandas, tais como: i) analisar com profundidade a estrutura de gastos; ii) identificar alternativas para reduzir o déficit fiscal; e iii) consolidar os ganhos sociais das décadas anteriores. Talvez o verdadeiro problema seja que a maior parte desses servidores, que conhecem tão bem a realidade econômica do governo e do País, não esteja de acordo com a orientação do austericídio.

Banco Mundial “esquece” suas descobertas

No entanto, um dos aspectos mais interessantes é que os autores do documento se traem logo no início, na própria apresentação. Assim, o texto reconhece claramente que existem alternativas para a implementação de aperfeiçoamentos na estrutura da política fiscal. E, mais do que isso, terminam por confessar a característica essencial da desigualdade social e econômica em nossa sociedade. Assim, afirmam que a principal descoberta do estudo relaciona-se ao fato de que alguns programas do Estado brasileiro favorecem ainda mais os setores do topo da pirâmide, ou seja, que tais políticas públicas são concentradoras de renda.

“O principal achado de nossa análise é que alguns programas governamentais beneficiam os ricos mais do que os pobres, além de não atingir de forma eficaz seus objetivos. Consequentemente, seria possível economizar parte do orçamento sem prejudicar o acesso e a qualidade dos serviços públicos, beneficiando os estratos mais pobres da população.” (GN)

Mas o documento parece não se interessar por esse tipo de rota alternativa que ele mesmo evoca ainda na apresentação. Afinal, poderia ser muito arriscado para o BM enveredar por um caminho distinto da via do conservadorismo ortodoxo e que terminasse por apontar para soluções que se preocupem com as camadas mais pobres da população. Não! Ao contrário, a equipe responsável optou por recorrer às nada saudosas fórmulas da arrogância e da prepotência dos velhos tempos. Não se valeu nem mesmo daquelas recomendações básicas de qualquer manual de aprendiz de diplomacia, onde se sugere apresentar a maldade embalada em um discurso que se apresente como gentil e delicado. A primeira frase do texto fala por si só: é um tapa na cara de cada um de nós.
“O Governo Brasileiro gasta mais do que pode e, além disso, gasta mal. Esta é a principal conclusão deste estudo”.

É possível que o leitor atribua esse início a um eventual destempero, que possa ser relevado em função de algum problema hepático do redator no momento da falta de inspiração. Caso continue na tarefa da leitura detalhada do restante do documento, outras surpresas surgirão. Uma delas chama a atenção, ainda logo no início – no item 5 da apresentação. Ali, em uma espécie de laivo de sinceridade, os autores parecem se esquecer da diretriz estratégica da encomenda que a eles foi dirigida por Levy e depois referendada por Meirelles.

O documento dedica todo um parágrafo para reconhecer aquilo que os economistas não alinhados com o financismo vínhamos falando há muito tempo. Vale a pena citar o arroubo de sinceridade que deixaram escapar:

“A princípio, a redução dos gastos não é a única estratégia para restaurar o equilíbrio fiscal, mas é uma condição necessária. A outra alternativa seria, em vez de cortar seus gastos, o governo Brasileiro deveria aumentar suas receitas tributárias e reduzir os altos pagamentos de juros sobre sua dívida pública. Certamente, há escopo para aumentar a tributação dos grupos de alta renda (por exemplo, por meio de impostos sobre a renda, patrimônio ou ganhos de capital) e reduzir a dependência dos tributos indiretos, que sobrecarregam os mais pobres.”

O leitor mais desatento até que poderia se deixar entusiasmar por tal avaliação e considerar que haveria algo de novo no coração do BM. Afinal, parece realmente estranho partir daquela organização multilateral sugestões de se buscar a promoção do reequilíbrio fiscal por meio de aumento de impostos sobre o topo da pirâmide e – oh, santa heresia! – por meio de redução das despesas financeiras associadas ao pagamento de juros sobre a dívida pública. Até parede discurso de comuno-bolivariano!

Arrogância e prepotência, “as always”

Mas o otimista entusiasmado recebe uma ducha de água fria logo na sequência. Apesar de mencionar tais alternativas, o BM deixa logo claro que não se trata aqui de recomendar nenhum exercício de heterodoxia à equipe de Temer. As medidas são citadas e deveriam integrar a estratégia de ajuste, mas não ganham espaço para discussão no documento e nem serão objeto de nenhum tipo de recomendação. Ufa! O povo da finança parece agradecer e volta a respirar aliviado.

“Tais medidas não são discutidas em detalhe neste relatório, mas deveriam fazer parte da estratégia de ajuste fiscal.”

Superado esse pequeno deslize, o documento então se dirige para aquilo que dele o governo tanto ansiava. Trata-se de uma agenda de aprofundamento do desmonte que vem sendo promovido em nossa estrutura de direitos sociais. E também uma agenda de ampliação da destruição das bases de potencial recuperação de uma estratégia desenvolvimentista em nosso País.

Como era de se esperar, o foco nevrálgico do BM é a questão previdenciária. Não por acaso, a divulgação do texto ocorre na mesma semana em que o governo Temer inicia uma campanha milionária nos meios de comunicação para desinformar a população a respeito das consequências de sua proposta da Reforma Previdência recauchutada. Nesse mesmo período, o núcleo duro do Planalto aposta todas as suas fichas para tentar aprovar a nova versão da PEC na Câmara dos Deputados antes do final do ano. E para tanto, o comando do governo avalia que a apresentação de uma chancela do Banco para sua intenção poderia convencer alguns deputados ainda reticentes. Ou então se dirigir àqueles que ainda não tenham sido ainda convencidos pelo festival do fisiologismo explícito. Enfim, mais um escândalo patrocinado por um governo que disputa sua popularidade com a margem de erros das pesquisas de opinião.

“A fonte mais importante de economia fiscal de longo prazo é a reforma previdenciária. Os grandes e crescentes déficits do sistema previdenciário constituem um fator chave da pressão fiscal.”

Aqui reside a cereja do bolo. Ao contar com a preciosa colaboração das equipes da Secretaria da Previdência Social, o documento trabalha com a interpretação falsificada de que as necessidades de financiamento da previdência social são “déficits estruturais”. Por exemplo, não há nenhuma menção à queda circunstancial da capacidade de arrecadação nos últimos 3 anos, provocada basicamente pela recessão e pelo desemprego. Afinal, a fonte da receita previdenciária é a folha de pagamento. Para os tecnocratas, o chamado “rombo” da previdência teria vindo para ficar e não haveria solução fora da redução das despesas.

Previdência em primeiro lugar

E nessa missão destruidora, o documento continua abusando de inverdades e da manipulação de informações.

“No entanto, diferentemente do programa Bolsa Família, que é bem direcionado aos mais pobres, as aposentadorias e pensões sociais não são bem focadas aos indivíduos pobres. Na verdade, 70% dos beneficiários do BPC e 76% dos beneficiários das aposentadorias rurais não pertencem ao grupo dos 40% mais pobres da população.”

Acima identificamos claramente a intenção de retirar dois programas essenciais da área da previdência e encaminhá-los para o grupo da assistência social. Esse é um movimento antigo e recorrente, que pode colocar o futuro de ambos em risco. Como argumento para excluir os benefícios previdenciários dos trabalhadores rurais e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) desse rol, o texto afirma que eles oferecem valores mais elevados do que o Bolsa Família e que pesam mais no Orçamento. Além disso, o documento falta com a verdade quando diz que 70% do BPC e 76% dos aposentados rurais são parte da elite, pois não pertenceriam aos 40% mais pobres. Uma loucura!

Caso tivessem acesso à legislação e às normas dos benefícios que tanto criticam, os autores veriam que mais de 99,3% dos benefícios previdenciários rurais são iguais ou inferiores a um salário mínimo. Assim, a quase totalidade dos quase 10 milhões de benefícios não supera o valor mínimo necessário à sobrevivência do indivíduo. Mas os autores não ligam para isso e chegam a afirmar que esses “privilegiados” não pertencem ao grupo dos 40% mais pobres.

Por outro lado, tampouco devem ter sido informados por seus fiéis colaboradores a respeito das condições de alocação do BPC. Tal benefício foi criado na Constituição de 1988, sendo destinado a pessoas portadoras de deficiência incapazes para o trabalho e a idosos com idade mínima de 65 anos. Além disso, a renda familiar per capita dos beneficiários deve ser inferior a ¼ de salário mínimo. Ora, em tais condições, também soa como desconhecimento grave ou como provocação barata a afirmação de que são privilégios atribuídos majoritariamente a cidadãos da elite brasileira.

O documento continua difundindo heresias por muitas outras esferas da administração pública. Assim, ele sugere o fim da gratuidade no ensino superior; a redução das despesas com servidores públicos; mudanças no sistema de proteção social (abono salarial, seguro desemprego e acesso ao FGTS); fim da obrigatoriedade de os municípios gastarem 25% de sua receita em educação; redução drástica nos gastos com saúde, em especial com o SUS; eliminação dos incentivos fiscais para micro e pequenas empresas (SIMPLES); entre tantas outras maldades.

No entanto, para manter a tradição dos velhos tempos do BM, não encontramos nenhuma sugestão ao longo do documento para buscar o reequilíbrio fiscal por meio de impostos a incidirem sobre o topo da pirâmide social e econômica. O capital financeiro continua ser solenemente ignorado como fonte de tributação e as despesas financeiras do governo não são consideradas como um problema fiscal. Assim, a solução continua sendo o arrocho sobre os mais pobres. E ponto final!

  • Paulo Kliass é doutor em Economia pela Universidade de Paris 10 e Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, carreira do governo federal.

Jamais sejamos complacentes

Por Jean Wyllys, em sua página oficial no Facebook

Publicado em ocafezinho.com.

Amigos e seguidores me questionaram privada ou publicamente se Celene Carvalho – a fascista que insultou, aos gritos, Eduardo Suplicy e o prefeito Fernando Haddad na Livraria Cultura, em São Paulo, há alguns dias, e cujo vídeo da agressão viralizou na internet – é mesmo filiada do PSOL. Como, no momento do questionamento, eu não sabia a resposta (afinal de contas, o PSOL tem representação em quase todo o Brasil e eu não conheço nem um centésimo dos seus filiados), eu me calei e fui pesquisar.

Para minha surpresa e infelizmente, Celene era, sim, filiada ao PSOL de São Lourenço, Minas Gerais. Ela inclusive foi candidata pelo partido numa das eleições passadas. A representação do PSOL em Minas informou que já havia pedido o afastamento da fascista. Porém, como o pedido de afastamento não fora devidamente encaminhado à Comissão de Ética da direção nacional do partido, Celene continuava constando da lista de filiados do PSOL. Mas, com esse episódio, a direção nacional do partido vai acelerar a expulsão da fascista.

Apesar de criterioso e rigoroso em seu processo de filiação, o PSOL não está imune a infiltrações de pessoas que nada têm a ver com seu programa nem ideologia. Algumas dessas infiltrações se devem à disputa interna ao partido entre suas diferentes tendências; outras se devem a tentativas deliberadas, por parte de outras legendas, de desqualificar um partido cada dia mais respeitado pela opinião pública.

Creio que se Celene tenha se infiltrado no PSOL devido às disputas internas. Tendo em mente apenas a informação de que o partido nascera de uma dissidência do PT, a fascista deve ter achado que o PSOL seria terreno fértil para seu antipetismo doentio e certamente contou com o apoio de algum dirigente que pretendia usá-la nas disputas internas.

Celene nada tem a ver com o PSOL nem com suas figuras públicas. Ela está mais bem próxima do demo-tucanato (ou seja, das ideias antipetistas comuns ao PSDB e ao DEM) e dos fascistas com colunas na “grande mídia”, tanto que, em seu perfil no Facebook, pululam selfies com Aécio Neves, Reinaldo Azevedo et caterva, sem falar de sua idolatria ao juiz Sérgio Moro.

O PSOL que meus companheiros de bancada e eu representamos está tão longe de Celene que os grupelhos de analfabetos políticos pró-impechment de Dilma que atuam na internet em sintonia com parlamentares do DEM e do PSDB (grupelhos que a fascista tanto admira e dos quais compartilha postagens em seu perfil na rede social) vivem nos acusando de “linha auxiliar do PT” e duvidando da oposição que fazemos ao governo da presidenta Dilma.

Celene cabe perfeitamente naquela já clássica fotografia em que parlamentares do PSDB, DEM e PPS e outros do baixíssimo clero da Câmara Federal e “líderes” dos grupelhos de analfabetos políticos pró-impechment aparecem sorridentes e de dedo em riste ao lado do presidente da casa, Eduardo Cunha, denunciado formalmente – e com robustas provas – pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro (inclusive em igreja evangélica) e evasão ilegal de divisas. Celene comunga da mesma indignação seletiva dessa gentalha que quer o impechment de uma presidenta da República sobre qual não pesa qualquer denúncia de crime algum, mas apoia um presidente da Câmara Federal que todos sabemos ser, devido investigações dos ministérios públicos suíço e brasileiro, um criminoso contumaz e cínico.

Aliás, graças a esse apoio, os grupelhos de analfabetos políticos ganharam, de Eduardo Cunha, o direito de violarem, com a complacência e a proteção da Polícia Legislativa, o Ato da Mesa, em vigor desde 2001, que proíbe acampamentos e palanques em frente ao Congresso Nacional. O patrimônio histórico e cultural se encontra manchado pelo verde-oliva das barracas de camping caras erguidas sobre o gramado pelos grupelhos pró-impechment (ao mesmo tempo, a Polícia Legislativa proibiu que sem-teto, indígenas e movimentos que pedem o afastamento de Cunha ali se instalassem!). A imprensa não disse um “a” a respeito dessa ilegalidade! (Imaginem o que diriam se fossem as barracas do MST!)

Antes de insultar Suplicy e Haddad, Celene fizera parte de um grupo que tentou constranger Dilma e Lula durante uma festa de casamento para qual foram convidados. Sua postura, entretanto, não é isolada nem está fora do contexto de crise política que vivemos. Ela é parte do “cotidiano autoritário” que se engendrou no Brasil durante e após as eleições de 2014 em função da linha de atuação adotada pelo PSDB e que é analisado pela filósofa Marcia Tiburi em seu novo e necessário livro “Como conversar com um fascista – reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro” (Editora Record), do qual tive a honra de assinar o prefácio.

Celene é produto da desonestidade intelectual e da má fé de editores, colunistas e articulistas que atuam na chamada “grande mídia” e que deformam o imaginário e o caráter de sua audiência com coberturas parciais, meias-verdades, boatos alçados à condição de fatos, declarações selecionadas e mentiras deliberadas. Não preciso citar seus nomes. Celene é fruto da canalhice e da demagogia da oposição de direita na Câmara Federal e no Senado, blindada por editores, articulistas e colunistas da “grande mídia”.

O episódio de Celene dá sequência ao macartismo tupiniquim (muito em vigor durante a ditadura militar!) e que já vitimou Guido Mantega, Alexandre Padilha, José Eduardo Cardoso, Stédile, Jô Soares, Marieta Severo, o rapper Flávio Renegado, os médicos cubanos, os imigrantes haitianos e o casal de intelectual de Perdizes. O mesmo macartismo que, ontem, decidiu, numa expressão sem precedentes da burrice motivada ou da má fé deliberada, atacar o último ENEM por conter questões sobre a persistente violência contra a mulher e sobre o racismo na sociedade brasileira.

Em seu maravilhoso “Como conversar com um facista”, Marcia Tiburi chama atenção para o papel da burrice – aquilo que Hannah Arendt caracteriza como “vazio do pensamento” – na banalização do mal a que assistimos ora chocados ora silentes. O fascista não pensa nem reflete criticamente: apenas repete afirmações que estão de acordo com os preconceitos que carrega em si há tempos e dos quais não conseguiu se livrar. “O fascismo é a máscara mortuária do conhecimento”, explica a filósofa em seu livro.

Os que se calam hoje diante da escalada do fascismo no Brasil, por conveniência, preguiça ou egoísmo, não têm ideia do que lhes espera no futuro se esse mal não for devidamente contido. O fascismo e o nazismo aniquilaram milhões de seres humanos com requintes de crueldade pelo simples fato de estes serem judeus, homossexuais, ciganos e comunistas. Não se esqueçam disso!

Peço muitas desculpas a Suplicy e a Haddad, homens públicos que gozam do meu respeito e da minha admiração. O PSOL repudia veementemente não só as agressões de Celene como também o antipetismo odioso expresso pela “grande mídia”, pelos partidos de oposição de direita e pelas hostes fascistas na internet (sempre juntos e misturados!). Só a parte obtusa da militância petista nas redes sociais – obtusa e adepta da má fé como sua contraparte tucana – pode achar e dizer que o PSOL endossaria essa barbárie. Por outro lado, o demo-tucanato pode me chamar à vontade de “linha auxiliar do PT” se isso significar se colocar contra a estupidez e a desonestidade intelectual dos que atacam a agenda e as figuras públicas petistas comprometidas com a justiça social!

Jamais sejamos complacentes com fascistas. Reajamos sempre às suas ações. Mas, num gesto humanitário que nos cabe, apiedemo-nos dessas almas pequenas; elas foram envenenadas por canalhas que, ao contrário de nós, estão pouco interessados num mundo mais justo e humano.

Nova categoria: Ovos da serpente

Há 31 anos Rui Guerra escreveu uma crônica sobre o golpe de 1964.

No dia 03 de abril de 2014 o site Carta Maior publicou uma crônica de Rui Guerra sobre o papel dos militares e a continuidade do comportamento hostil à democracia.

No dia 03 de abril passado eu publiquei esta crônica do Rui Guerra neste blog. Eu estava, então, preocupado com a onda fascista que começava a quebrar a casca do ovo.

Hoje, passados quase 7 meses, as evidências se multiplicam.

Nesta situação, calar é consentir. Omitir-se não é opção.

Estou criando uma nova categoria no blog intitulada Ovos da Serpente, para postar os casos de ódio e intolerância que chegarem ao meu conhecimento.

Espero que funcione como um chamamento singelo ao bom-senso e à construção de um ambiente de paz.

Quem sabe as pessoas não se dão  conta que chegamos a uma situação limite. Se continuarmos nessa trilha, vamos levar o país para uma situação insustentável.

Temos que reconhecer que por mais poderoso que qualquer um seja, seu direito termina onde começa o direito do próximo. Trata-se de regra básica de convivência.

É necessário registar, discutir, analisar, indignar-se, compartilhar … antes que seja tarde.

Paulo Martins

‘O Ovo da Serpente’, por Ruy Guerra: uma crônica premonitória

Em 3 de abril do ano passado a Carta Maior publicou uma crônica de Ruy Guerra sobre o papel dos militares e a continuidade no comportamento hostil e contrário à democracia. Um ano depois, seu texto, premonitório, está mais atual do que nunca. Infelizmente…

Por Ruy Guerra, na Carta Maior:

Um filme de Ingmar Bergman – belíssimo. Aqui, nesta crônica, a mesma metáfora.

Gosto de metáforas ou eu não gostasse de palavras, que são metáforas mortas, segundo Jorge Luiz Borges.

Há 30 anos escrevi uma crônica sobre o golpe de 1964.

Naquele momento nunca imaginei que voltaria a tocar no assunto tantos anos depois, porque pensei que as instituições militares já teriam se redimido desse momento sujo de sua história com um pedido de desculpas à nação.

Pensava, ingênuo, que essa mancha indelével na história das Forças Armadas brasileiras iria ficar circunscrita aos compêndios de História e sair, ainda que dolorosa e lentamente, da corrente sanguínea do cotidiano da nação.

Engano crasso.

Isso não foi feito, antes pelo contrário.

A serpente deixou e choca os seus ovos.

São vozes orgulhosas, arrogantes, provocadoras, insidiosas, nostálgicas, que teimam em insistir que o golpe que se eternizou por duas décadas foi um momento glorioso da História do Brasil: são as vozes fardadas de militares, personagens desse negro período, que buscam anular o passado negando, de pés juntos, o que já corre à luz do dia; são vozes fardadas dos militares que vieram depois e que por “esprit de corp” ou por obediência hierárquica,se refugiam no silêncio; são as vozes civis dos que ganharam poder e que se locupletaram nesse longo período de desbragada corrupção, que cochicham ou louvam em alto e bom som.

Todos unidos, cúmplices na tentativa de desmentir o estigma marcado a ferro no corpo e na alma do povo brasileiro durante duas décadas de um governo autoritário – e autoritário é aqui um eufemismo.

Duas décadas.

Vinte e um anos, para sermos exatos, de arbitrariedades, ameaças, prisões, censura, torturas, assassinatos, ocultação de corpos das vítimas, dentes arrancados e dedos decepados, atentados e testemunhos falsos, subornos, delações, expurgos, sequestros … que mais? Falta, mas qualquer brasileiro pode acrescentar outras ignomínias, mais torpezas, desmandos. Um legado de corrupção, ignorância, desigualdade, matraca e mordaça. E um imenso buraco cultural. A castração sistemática do pensamento criador e político de toda uma juventude, e não só. Um fosso que vai levar décadas para ser transposto.

Mas para abordar esse tema seriam necessárias mais de três telas.

Não é preciso ser historiador para entender que o futuro tem suas raízes no passado. Que um homem, mulher ou nação é feito do que foi e do que carrega na memória, individual e coletiva. Que o que passou tem mais força do que o que está para vir, porque tem o poder de pesar no que se desenha no horizonte. Que não é dever, nem imposição mas uma necessidade incontornável não fechar os olhos para a realidade, por mais ingrata que seja, sem se indagar o que ela significa.

O conhecimento do passado é transformador. O silêncio embalsama, nega o movimento, é pá de cal.

Abro um parêntesis:

Às vezes me sinto tentado a ser inconveniente, usar uma palavra mais contundente. Numa conversa falada, em que a velocidade da ideia e da palavra não admitem retrocesso, uso. E raramente me arrependo; a veemência justifica. Exorcizado o ímpeto da palavra que seria falada, paro, para substituí-la por uma mais delicada. Demorei e resolvi escolher um palavrão infantil: burro.

Fecho parêntesis e retomo a escrita.

As Forças Armadas são assim tão burras que não conseguem entender que ninguém mais do que elas têm interesse em se demarcar desse intolerável passado para retomar a sua dignidade profissional e humana, comprometida durante esses anos cruéis? Que quanto mais completo e rápido vierem à tona os fatos, ainda que incômodos, mais cedo pode haver um novo pacto de dignidade e respeito, entre si e entre todos, mediante seu reconhecimento? Que as instituições são dinâmicas e que as Forças Armadas de hoje podem e devem ser críticas em relação a si próprias, assumir o erro e expurgá-lo? Não creio que sejam.

Quem não quer ou não consegue reconhecer uma verdade tão simples não é burro – é perverso.

E perigoso.

Defende valores que devem ser combatidos, extirpados, porque esses valores são a bandeira de uma corja, baioneta e braço erguido, que atenta contra o axioma mais simples e fundamental do ser humano em sua constante caminhada para se civilizar: respeito ao próximo e ao Outro.

A palavra corja é mais do meu discurso falado, mas não a corrijo: sutileza seria omissão. E nessa palavra tanto cabem civis como militares.

Quebrem-se os ovos – enquanto ainda é tempo.

Rio, 1 de abril de 2014.

Ruy Alexandre Guerra Coelho Pereira (Maputo, Moçambique, 22 de agosto de 1931) é cineasta, dramaturgo e ator. Envolveu-se com clássicos da história do cinema: autor de Os Fuzis, Os Deuses e os Mortos, atuou em Aguirre, a Cólera dos Deuses, de Werner Herzog. Ruy está terminando o roteiro adaptado do romance Quase Memória, de Carlos Heitor Cony.