Guernica – Pablo Picasso – Quadro Animado – Sensacional

Diálogos Essenciais

Curiosos? Vejam o quadro, abaixo e, a seguir, clique no vídeo.

Para quem não conhece, pesquise na internet sobre esta obra importantíssima de Picasso.

Copiado do blog: 7dasartes.blogspot.com.br

Copiado do blog: artefontedeconhecimento.blogspot.com.br

Vale a pena acessar os blogs acima para visualizar diversas obras de arte importantes.

Paulo Martins – dialogosessenciais.com

Ver o post original

A educação proibida – filme e sites

Um filme sobre a educação centrado no amor, no respeito, na liberdade e na aprendizagem.

Mais de 90 entrevistas de educadores de 8 países iberoamericanos, com 45 experiências educativas.

Projeto financiado coletivamente pela internet, por 704 pessoas.

Uma obra aberta pensada para a transformação social.

Clique no vídeo abaixo. É longo, mais de 2 horas, mas compensa:

Este é o original em espanhol:

http://youtu.be/-1Y9OqSJKCc

Se preferir, assista a uma versão com legendas em português:

http://youtu.be/-t60Gc00Bt8

Para maiores informações sobre o projeto, acesse:

educacionprohibida.com

Acesse também a Reevo – que é uma rede de educação livre, aberta e colaborativa, em espanhol e português:

reevo.org

Um sonho intenso, saiu o dvd do filme

Há pouco tempo eu postei informações sobre o filme Um sonho intenso, do José Mariani. Veja o posto na página principal.

Agora, saiu o DVD.

O DVD está disponível nas seguintes livrarias:

Livraria Travessa – Rio e Campinas

Livraria Cultura – Recife, Brasília, Salvador, São Paulo

Reserva Cultural – São Paulo

Neruda, o filme, estréia nos cinemas cariocas

Filme sobre a fuga do Chile do poeta Pablo Neruda será exibido nos cinemas cariocas nos próximos dias. Vi o trailer hoje em um cinema no Rio de Janeiro. Ainda não tenho informações sobre a exibição em outras cidades no país.

Veja a seguir um pequeno trailer:

<div id=”blogvision”>http://www.adorocinema.com/_video/iblogvision.aspx?cmedia=19545355<br /><a href=”http://www.adorocinema.com/filmes/filme-233903/&#8221; target=”_blank”>Neruda</a><br/><a href=”http://www.adorocinema.com/filmes/filme-233903/trailer-19545355/&#8221; >Neruda Trailer Original</a></div>

No site adorocinema.com pode ser encontrada uma ficha sobre o filme. Link abaixo:

http://www.adorocinema.com/filmes/filme-233903/creditos/

No Chile o filme recebeu o título de Neruda Fugitivo. Leia, abaixo, um artigo publicado no site http://www.latercera.com :

Neruda Fugitivo: el año que vivió perseguido por la policía
El poeta fue acosado por el gobierno de González Videla. Durante 13 meses vivió en una docena de hogares ajenos. Una épica que recuerdan algunos de los involucrados. El próximo 17 de abril se estrena Neruda, película de Manuel Basoalto que revive ese período.
por Javier García – 05/04/2014 – 08:02

Es un oso enjaulado. Camina de un lado para otro. Escribe poemas incendiarios. Se deja barba. Pablo Neruda está escondido en un departamento en Vicuña Mackenna, a pasos de Alameda. La policía lo busca. Quiere beber whisky; pide pero no llega. No tiene comodidades. El poeta lleva dos semanas clandestino en ese departamento de un ambiente, con su mujer, Delia del Carril. Mientras escribe su gran libro, Canto general.

Es febrero de 1948 y la Corte Suprema, por petición del Presidente Gabriel González Videla, aprueba el desafuero del senador Pablo Neruda. Los tribunales ordenan su detención. Durante 13 meses, el autor de Veinte poemas de amor estará clandestino. Vivirá en una docena de casas ajenas, entre Santiago y Valparaíso.

El desenlace será cinematográfico. Ocurre en febrero de 1949: Neruda, con identidad falsa, con el nombre de Antonio Ruiz Legarreta, de profesión ornitólogo, sale de Chile por el sur, rumbo a Argentina, a caballo, en una travesía que luego recordará en su discurso al recibir el Premio Nobel, en 1971: “Todo era a la vez una naturaleza deslumbradora y secreta y a la vez una creciente amenaza de frío, nieve, persecución”.

El episodio más épico y policial de la historia de la literatura chilena comenzó en 1947: González Videla iniciaba su mandato, tras haber ganado en las urnas con el apoyo del Partido Comunista. El jefe de campaña, elegido por el PC, había sido el senador Neruda. En octubre de ese año, los mineros de Chuquicamata entran en huelga. A lo largo del país los trabajadores se enfrentan al gobierno. Los dirigentes comunistas son detenidos y relegados a Pisagua. Por esos días en el diario El Nacional de Caracas (Venezuela), Neruda publica Carta íntima para millones de hombres, donde denuncia la política represiva de González Videla.

El 6 de enero de 1948, Neruda golpea la mesa en el Congreso y lee su discurso Yo acuso: “Yo acuso al Presidente de la República, desde esta tribuna, de ejercer la violencia para destruir las organizaciones sindicales (…). A mí no me desafuera nadie, sino el pueblo”. En unos días, Neruda será un fugitivo y su captura tendrá recompensa.

La cúpula del PC está a cargo de cuidar a Neruda. A fines de enero de 1948 intenta salir de Chile por Argentina. Primer intento fallido. El 2 de febrero, vía Portillo, tratan de salir en un auto diplomático. Van Neruda, Delia del Carril, “La Hormiguita”, y dos diputados comunistas. El pasaporte de Neruda está invalidado.

“Una vez lanzada la orden de detención, más de 600 policías se dedicaron en Santiago a la búsqueda de Neruda”, informaba un diario de la época. Neruda y “La Hormiguita” llegan a una casa en Los Leones. Corren peligro. Se cambian de domicilio durante la noche y se instalan en Vicuña Mackenna. En el pequeño departamento de Víctor Pey, ingeniero catalán que llegó al país en el barco Winnipeg. “Yo llegaba con el almuerzo para los tres, luego partía y en la noche volvía con la cena”, dice hoy Pey, de 98 años. “Neruda se enojaba cuando se terminaba el whisky, que me encargaba junto con novelas policiales de la colección El Séptimo Círculo”, relata Pey.

Durante el día, Neruda escribía poemas contra el presidente, el ministro del Interior, el director de Investigaciones… “Eran cartas que debía depositar en diferentes buzones de la ciudad”, agrega Pey. La carta destinada al presidente: “Triste clown, miserable/ Mezcla de mono y rata”. Meses más tarde, Víctor Pey será el “autor intelectual” de la salida de Neruda por Futrono hacia San Martín de los Andes, Argentina.

Nuevo cambio de domicilio. Neruda y Del Carril llegan al departamento de Aída Figueroa y Sergio Insunza, en la calle Ismael Valdés Vergara, frente al Parque Forestal. Hay rayados en las calles: “Neruda traidor”.

“La primera etapa de la clandestinidad la pasó muy mal. Se sentía realmente perseguido”, recuerda Aída Figueroa. Neruda se armó una rutina. Se levantaba y escribía su gran proyecto: Canto general, que alcanzaría las 500 páginas. Almorzaba, luego dormía su sagrada siesta, mientras Del Carril pasaba al limpio los poemas. “La clandestinidad lo convirtió en un símbolo nacional”, agrega Figueroa. Neruda se irá de ese departamento. Luego volverá.

González Videla juega sus cartas. El Ministerio de RR.EE. trae a Chile a la holandesa María Antonia Hagenaar, con quien Neruda se casó en 1930. “Maruca” es la madre de Malva Marina, la única hija que tuvo el poeta, fallecida en Holanda, en 1943. El gobierno la ayuda a presentar una querella para obtener el divorcio. Además, a Neruda se le acusa de bigamia, por su relación con Delia del Carril.

El 12 de julio, el autor de Crepusculario celebra su cumpleaños 44, en el departamento de los Insunza Figueroa. Entre los invitados están Volodia Teitelboim, el abogado Fernando Silva y el historiador Alvaro Jara. Neruda lee La lámpara en la tierra, primer capítulo del Canto general.

En septiembre se promulga la “Ley maldita” y el PC pasa a la ilegalidad. Neruda llega a Valparaíso. Viajará escondido en un barco de carga, rumbo a Guayaquil. La empresa fracasa otra vez. El poeta se esconde en una zapatería. Viaja a Santiago y llega a Pirque. La policía se acerca. Los diarios y la radio señalan que la captura de Neruda es inminente. “Lo grave de esta vida ilegal es la tortura de sentirse libre y prisionero a la vez, cambiar bruscamente de casa a las horas más intempestivas”, le dice el poeta al diario El Siglo, que también funciona clandestinamente.

Neruda llega con “La Hormiguita” a la casa de Luis Enrique Délano y la fotógrafa Lola Falcón, en calle Ana Luisa Prats, en Ñuñoa. Estarán cerca de un mes. El escritor Poli Délano, entonces de 13 años, les pasa su pieza para dormir. “Era un sibarita. Mi madre le decía: ‘Aquí se come lo que hay’”, recuerda Délano. El poeta pasa la Navidad en Ñuñoa. Lee otro capítulo de su libro: Coral de año nuevo para la patria en tinieblas.

A esas alturas, el mundo está enterado de la persecución hacia Neruda. En Francia hay actos en su defensa, a cargo de Paul Eluard y Louis Aragon, donde participan Picasso y Sartre. En Cuba lo mismo hace Nicolás Guillén. Desde EE.UU., más de 100 intelectuales le escriben al gobierno. Entre otros, firman Dorothy Parker y Dashiell Hammett.

“La salida misma de Chile se produjo el 24 de febrero de 1949, después de haber sufrido durante más de un año la cacería en mi contra”, dijo Neruda al diario El Siglo, en entrevista reproducida recién el año 1963. Durante tres días junto a tres arrieros, Neruda cruzó a caballo la cordillera, tras ser ayudado desde Valdivia por Jorge Bellet y Víctor Bianchi.

A inicios de abril de 1949, Neruda llega a Buenos Aires y ocupa el pasaporte de Miguel Angel Asturias para embarcarse hacia Francia. “Llegué finalmente a París, disfrazado de gran novelista guatemalteco”, diría Neruda. El 25 de abril, el poeta aparece en público, en el Primer Congreso Mundial de la Paz. “Queridos amigos, si llego con un poco de retraso a vuestra reunión es porque no me ha sido fácil llegar hasta aquí”, dijo al público Neruda. En Santiago, González Videla lo seguía buscando.

Um sonho intenso, filme de José Mariani

Nestes tempos de discussão superficial dos assuntos fundamentais do Brasil, este filme de José Mariani veio em boa hora. Uma pena que o filme não tenha acesso à mesmas salas de exibição reservadas para as grandes superproduções globais de Hollywoomd. Não precisa ser economista para entender quais são os caminhos disponíveis para o desenvolvimento do país. O consenso míope em favor do arrocho neoliberal, do crescimento excludente e da concentração da renda é mera repetição das velhas fórmulas que, como pode ser visto nos depoimentos, não deram certo. Como somos um povo sem memória, o filme é fundamental.

“Queremos virar uma caricatura dos Estados Unidos? Um individualismo de massas? Ou queremos construir uma sociedade fundada em valores humanistas?” João Manuel Cardoso de Mello

acesse o site do filme

http://www.umsonhointenso.com.br/release.html

veja o trailer:

http://youtu.be/P8jcboK8T8w

Programação semana 14 a 20/05

Espaço Itaú Botafogo 5-RJ – 18:20
Espaço Itaú Frei Caneca 6-SP – 18:20
Espaço Itaú Brasília 5 – DF – 18:00
Belas Artes 3 – BH – 14:00
Cinespaço Florianópolis 5 – SC – 18:35
Cine Vitoria – Aracaju SE – Dias 14,16,20/5 – 17:00
Dias 15,17/5 – 14:00

O Ovo da Serpente – filme de Bergman

Porto Alegre, 3 de Abril de 2015

A República de Weimar vista por Bergman*

Luiz Santiago
[…] qualquer um que fizer o mínimo esforço poderá ver o que nos espera no futuro. É como um ovo de serpente. Através das membranas finas pode-se distinguir o réptil já perfeitamente formado.

Hans Vergerus

Produzido pelo badalado Dino De Laurentiis (de Noites de Cabíria (1957), Serpico (1973) e Hannibal (2001), só pra citar algumas produções de seu currículo), com colaboração germano-americana, O Ovo da Serpente (1977), de Ingmar Bergman é a melhor reprodução cinematográfica da República de Weimar e do surgimento do nazismo na Alemanha¹.

O cineasta sueco escreveu o roteiro sob meticulosa pesquisa histórica, e nele, retratou com muita fidelidade os primeiros passos de uma sociedade que já dividida, desembocaria nas mãos do nacional-socialismo a partir de 1933. Façamos, antes, uma breve passagem pelos eventos que construíram esse tempo histórico.

Com a queda da monarquia na Alemanha após a Primeira Guerra Mundial, a cidade de Weimar (onde morreu Goethe) foi escolhida como sede do novo governo, uma República liberal que precisava guiar em país destruído pela guerra. Os primeiros anos da República de Weimar são de profunda crise interna, da qual destacamos alguns eventos:

a) Fracasso industrial e monumental inflação;

b) Impunidade dos assassinos políticos, que agiam em larga escala – segundo o historiador alemão Peter Gay, em seu livro A Cultura de Weimar, o fato de o novo governo não empreender uma reforma judiciária foi um dos seus grandes erros;

c) Diversas tentativas de derrubar o governo;

d) A “crise moral” – e muitas outras – causada pela assinatura do Tratado de Versalhes;

e) A ocupação de Ruhr pela França;

f) O crescimento desenfreado do fanatismo político, do anti-semitismo e da xenofobia.

Nesse caos social, a moderna centelha cultural condenada pela monarquia ganhou espaço livre para manifestar-se, e é então que temos a Bauhaus, A ópera dos três vinténs, A Montanha Mágica, O Gabinete do Dr. Caligari, Dr. Mabuse, Nosferatu, Metropolis, O Anjo Azul, etc. O expressionismo nas artes deste período representava artisticamente a insegurança e as diversas crises do país, sendo o medo, o principal fantasma.

Bergman constrói com impecável riqueza de detalhes o mundo sangrento, paranoico e instável que era a Alemanha de 1923, ano em que se passa o seu filme, no período de 3 a 11 de Novembro, semana do Putsch de Munique.

O Ovo da Serpente é a história de Abel Rosenberg (David Carradine, em atuação magnífica), um trapezista judeu que vê o seu mundo desmoronar a partir do suicídio de seu irmão, e sua vida se resume a lutar pela sobrevivência ao lado de sua cunhada Manuella (Liv Ullman, como sempre, fenomenal), uma cantora de cabaré.

Bergman insere em suas características autorais o mundo que se dispõe representar, e com a fenomenal fotografia de Sven Nykvist, percorre esses mundos com sua devida aura, captadas de campos observadores muito representativos. Um desses mundos é o do espetáculo, e assistimos as apresentações do cabaré (com Liv Ullman cantando em alemão) e de um bar jazz em Berlim, com músicos alemães de caras pintadas de preto.

O anti-semitismo da República de Weimar é visto desde a segunda cena do filme, quando o delegado de polícia pergunta a Abel se ele é judeu, e mais adiante o prende como sendo suspeito de uma série de “assassinatos brutais e misteriosos”. Em outra cena, um grupo de jovens alemães obrigam dois judeus a lavarem uma calçada com escovas, atitude ignorada pelo policial que passa e vê a cena, mas não faz nada. Bergman mostra sem sentimentalismo como o anti-semitismo se espalhou pela cidade, e o discurso de justificativa para esse ódio, tão grande quanto o destinado aos “bolchevistas”. Através dos jornais e das batidas policiais em “estabelecimentos judeus” (o caso do cabaré onde Manuella trabalha é um exemplo), é possível identificar como o discurso anti-semita tinha força, e já nos anos 1920, causava destruição, mesmo em uma Alemanha cuja forma de governo era uma República.

O desemprego e a fome estão em toda parte na Berlim dos “loucos anos”. A cidade parece uma carcaça por dentro, encoberta pela arquitetura. Em uma cena chocante, vemos pessoas cortarem a carne de um cavalo morto para alimentar-se. Também acompanhamos a constante desvalorização do marco, até o ponto em que o valor impresso da moeda não importava mais, e a venda era feita pelo peso que tinha o dinheiro.

A luta pela sobrevivência é a ordem a ser cumprida, e o medo acompanha as ações vacilantes de uma sociedade que se decompõe.

A libido se ajusta à histeria e ao desalento.

O ponto-chave e revelador da obra é quando a história das experiências com seres humanos é esclarecida, em uma das mais supremas cenas do cinema, onde a maestria do corte, do enquadramento e da direção podem ser vistas em seu ápice. Entre pequenos curtas-metragens feitos durante as “observações”, os closes descritivos em um silencioso David Carradine falam mais do que páginas e páginas de um roteiro. O profético discurso final do cientista dá conta do caminho perigoso pelo qual segue a Alemanha, e ressalta a “passividade” do povo judeu, que segue como ovelhas para o matadouro (polêmica também trabalhada por Hannah Arendt).

O desfecho do filme é a triste revelação de um indivíduo “contaminado” pela virulenta metrópole, que tem a oportunidade de sair daquele espaço que se decompõe, mas não o consegue, e se perde entre pedestres e ruas molhadas pela constante chuva, para nunca mais ser visto.

O realismo com que Bergman nos apresenta a Berlim de 1923 é espantoso. Os figurinos de Charlotte Fleming também merecem destaque, pela adequação dramática e imagética perfeitas.

Em O Ovo da Serpente, Bergman empreende uma obra dotada de forte senso crítico-social e de uma exposição memorável da história. Com profunda força imagética, o diretor consegue construir uma sociedade que vivia sob o medo, e denuncia os “motivos pelos quais” o futuro tenebroso falaria por si.

Até mesmo a posição de alemães antinazistas é abordada, e a descrença em Hitler, por ocasião do Putsch de Munique, é verbalizada em cena simbólica.

O Ovo da Serpente é um supremo exercício cinematográfico, com atuações irreparáveis – inclusive do elenco de apoio – e com a louvável direção de Ingmar Bergman, que usou de seu profundo conhecimento da alma humana para transformar em celuloide o sentimento de uma época, fazendo-o de forma única e magnífica.
(1) Rainer Werner Fassbinder também nos legou uma notável contribuição sobre o tema, em sua série para a TV, Berlin Alexanderplatz (1980), onde percorre o período com profundidade amarga através de suas personagens não menos atormentadas que o mundo onde viviam.

O OVO DA SERPENTE (Das Schlangenei, EUA/Alemanha Ocidental, 1977)

Direção: Ingmar Bergman.

Elenco principal: David Carradine, Liv Ullmann, Heinz Bennent, Gert Fröbe, Edith Heerdegen.

Cotação: *****
Este artigo é parte do Ciclo Bergman no Cine Revista.

*Artigo originalmente postado no blog “Cinebulição” (http://www.cinebuli.blogspot.com)

Museu do Amanhã – Porto Maravilha – Rio

O Museu do Amanhã deve ficar pronto em dezembro de 2015. Apresentamos, a seguir, informações sobre o museu. O texto está no site do Porto Maravilha. Exclui partes do texto.

Paulo Martins – dialogosessenciais.com

O museu é uma das âncoras da área cultural do Porto Maravilha. Com projeto do arquiteto espanhol Santiago Calatrava, o espaço será dedicado às Ciências, mas terá formato diferente dos museus de História Natural ou de Ciências e Tecnologia já conhecidos.

O Museu do Amanhã será um ambiente de experiências que permitirá ao visitante fazer escolhas pessoais, vislumbrar possibilidades de futuro, perceber como será a sua vida e a do planeta nos próximos 50 anos. O espaço vai explorar variedades do amanhã nos campos da matéria, da vida e do pensamento, além de debater questões como mudanças climáticas, crescimento e longevidade populacionais, integração global, aumento da diversidade de artefatos e diminuição da diversidade da natureza. Será um museu para que o homem possa trilhar o caminho do imaginário e realizar, de forma mais consciente e ética, suas escolhas para o futuro.

A curadoria do Museu do Amanhã é do físico e doutor em cosmologia Luiz Alberto Oliveira, que contou na fase de concepção curatorial com a parceria do jornalista e professor de Cultura brasileira Leonel Kaz. A direção artística é de Andrés Clerici e a concepção museográfica, do designer americano Ralph Appelbaum.

Para estruturar o conteúdo do Museu, Luiz Alberto Oliveira explorou três eixos narrativos. O primeiro é o da polaridade entre as Ciências Cósmicas (que lidam com sistemas demasiado grandiosos ou diminutos) e as Ciências Terrestres (todas as demais, incluindo a Biologia e as Humanidades). O segundo eixo aborda três dimensões da existência terrestre: a história das formações da Matéria; os desdobramentos da organização da Vida e a emergência do Pensamento. Estes domínios serão explorados segundo quatro grandes tendências que, em escala planetária, definirão nosso futuro comum: mudanças climáticas, aumento da população e da longevidade; crescente integração econômica, social e comunicacional; e multiplicação e diversificação dos artefatos, paralela ao decréscimo dos biomas. O terceiro eixo, enfim, enfatiza comportamento humano e Ética.

Como uma das âncoras do Porto Maravilha, o Museu do Amanhã será erguido no Píer Mauá, em meio a uma grande área verde. Serão cerca de 30 mil m², com jardins, espelhos d’água, ciclovia e área de lazer. O prédio terá 15 mil m² e arquitetura sustentável. O projeto arquitetônico, concebido por Calatrava, prevê a utilização de recursos naturais do local – como, por exemplo, a água da Baía de Guanabara, que será utilizada na climatização do interior do Museu e reutilizada no espelho d´água. No telhado da construção, grandes estruturas de aço, que se movimentam como asas, servirão de base para placas de captação de energia solar. Com isso, o Museu do Amanhã vai buscar a certificação Leed (Liderança em Energia e Projeto Ambiental), concedida pelo Green Building Council (USGBC).

A construção do Museu do Amanhã está incluída no conjunto de obras da prefeitura realizadas pela Concessionária Porto Novo, na maior Parceria Público-Privada (PPP) do país. Assim como as demais intervenções do Porto Maravilha, o projeto orçado em R$ 215 milhões será custeado pela venda dos CEPACs (Certificados de Potencial Adicional de Construção) – sem recursos do tesouro municipal. O Museu conta ainda com investimento de R$ 65 milhões do Banco Santander, seu patrocinador master.

POR DENTRO DO MUSEU

Percurso central: Cosmos, Contexto, Antropoceno e Amanhã. Dentro da nave central do Museu, o conteúdo estará dividido em quatro grandes áreas: o Cosmos, o Contexto, o Antropoceno e o Amanhã. Mas, antes mesmo de entrar no prédio, no pátio que se abre para a Praça Mauá, o visitante se depara com frases que, compondo um grande mosaico, antecipam as questões principais do Museu: “O amanhã não é uma data, não é um lugar. O amanhã é uma construção”. Em seguida, já na entrada, vídeos exibem depoimentos de cientistas, artistas e pessoas comuns sobre o amanhã e telas mostram inventos que, em suas épocas, abriram caminhos para o futuro.

Cosmos: O cosmos é o início de tudo. É também a porta de entrada para a jornada proposta pelo Museu do Amanhã. Nesse espaço, o público vai vivenciar uma experiência sensorial, que parte do vazio, passa pelo aparecimento da matéria, do espaço e do tempo e chega ao surgimento do homem e do pensamento.

Contexto: Recursos expositivos diversos levam o visitante a explorar os fatores e os fenômenos naturais do planeta e a compreender como eles influenciam as mudanças climáticas e os ciclos da vida. Logo na entrada da área, a Terra é apresentada da perspectiva de um astronauta, reforçando a sensação de que, pela primeira, tomamos consciência de nossa casa como um todo. A organização dos ecossistemas, a estruturação do DNA, a formação da biodiversidade e o processo evolutivo do cérebro também serão temas de instalações e ambientes multimídia.

Antropoceno: Este momento do percurso será dedicado a pensar o hoje, suas características e seus sintomas: a expansão planetária, o crescimento das cidades, o aumento do consumo, a explosão do conhecimento, a transformação dos ambientes naturais. Grandes telas vão exibir notícias ao vivo (selecionadas de canais de TV, sites de observação, etc.) sobre temas concernentes às ações do homem sobre o planeta. As instalações e experiências dessa área levam o visitante a tomar consciência do papel que desempenha na atualidade.

Amanhã: Na quarta área do percurso central do Museu, o Amanhã surge como um entrelaçamento de cinco tendências: mudanças no clima; aumento da população e longevidade; integração e diversificação crescente de pessoas, povos e regiões; crescimento do número, variedade e capacidade dos artefatos; diminuição da biodiversidade. O ambiente conduzirá a uma reflexão sobre a forma como vivemos. Nossas ações são sustentáveis? Em projeções, instalações e jogos interativos, será possível medir o impacto das escolhas do homem sobre o clima, os ecossistemas e as sociedades. No espaço intitulado Amanhãs que Queremos, o visitante será levado a imaginar um futuro no qual as relações de convívio sejam mais próximas e amigáveis.

Galerias laterais:
Linha do Tempo e Linha da Forma e Estrutura. Nas galerias laterais do Museu, estarão expostas uma Linha do Tempo e uma Linha da Forma e Estrutura. A primeira conta a história do planeta, do surgimento do universo até o aparecimento da linguagem e das diferentes línguas. Na galeria oposta, uma Linha da Forma e Estrutura traz detalhes sobre as formas de organização da matéria, da vida e do pensamento.

Encerramento do percurso:
Convivência e Sustentabilidade. A seção chamada Convivência e Sustentabilidade fecha o percurso do Museu do Amanhã. Recursos expositivos farão com que o público visualize as diversas experiências vivenciadas e saia do Museu consciente de que faz parte do processo de construção do futuro.

Vista do Belvedere:

Espaço de convergência da nave central com as duas galerias laterais, o belvedere coloca o visitante diante de uma panorâmica da Baía de Guanabara, ecossistema alterado diretamente pela ação humana. Nas duas rampas da saída, recursos midiáticos exibem informações sobre práticas que promovem a saúde ambiental da Baía e sobre ações que buscam fazer do Rio um lugar de convívio mais relacional. Por fim, nos jardins, áreas florestadas representam os dois mais importantes ecossistemas do Rio de Janeiro: a mata atlântica e a restinga. Além dos espaços que serão ocupados pela mostra permanente, o Museu terá a Sala de Exposições Temporárias; o Centro de Referência Profissional do Amanhã, para aconselhamento, recrutamento e capacitação de estudantes e profissionais que desejam se dedicar à ciência, à tecnologia e à inovação; e o Observatório do Amanhã, onde serão exibidos os resultados das últimas pesquisas sobre fenômenos naturais e sociais do planeta. Haverá ainda um auditório, uma cafeteria e uma loja.

Visite a página do museu

Última atualização: 02/03/2015

KANDINSKI: TUDO COMEÇA NUM PONTO / no CCBB

Exposição de um dos mais renomados mestres da pintura moderna, pioneiro e fundador da arte abstrata, além de trabalhos dos seus seguidores e de artistas que o influenciaram. Pinturas litografias, fotografias e objetos ilustram a trajetória do artista, com obras provenientes do Museu Estatal Russo de São Petersburgo e outros.

Curadoria: Evgenia Petrova e Joseph Kiblitsky

De 28.01 a 30.03  – no Centro Cultural do Banco do Brasil – Rio de Janeiro

HORÁRIO: de 9h às 21h

INGRESSO: Entrada franca

Para mais informações, acesse:

http://culturabancodobrasil.com.br/portal/kandinsky-tudo-comeca-num-ponto-2/

 

Guernica – Pablo Picasso – Quadro Animado – Sensacional

Curiosos? Vejam o quadro, abaixo e, a seguir, clique no vídeo.

Para quem não conhece, pesquise na internet sobre esta obra importantíssima de Picasso.

Copiado do blog: 7dasartes.blogspot.com.br

Copiado do blog: artefontedeconhecimento.blogspot.com.br

Vale a pena acessar os blogs acima para visualizar diversas obras de arte importantes.

Paulo Martins – dialogosessenciais.com