Golpe militar e os caminhoneiros

Em 1996, em Eldorado dos Carajás, 21 pessoas do MST foram assassinadas pela PM, na Curva S. Reivindicavam a posse de uma fazenda improdutiva que havia sido ocupada. Pretendiam marchar até Belém para negociar a desapropriação da fazenda. Ou seja, sua reivindicação era sobre uma pauta econômica, plenamente negociável, se houvesse flexibilidade e boa vontade.

Antes que alguém imagine que eu estou propondo fuzilar os manifestantes que pretendem inverter o resultado da eleição presidencial ou exigem a instalação de uma ditadura militar, minha resposta óbvia é não.

O que eu quero argumentar é que este movimento é inaceitável e insustentável, pois suas pautas são inegociáveis. Nenhuma autoridade, nem a Presidência da República, nem o Congresso Nacional, nem o Judiciáro e nem todos estes juntos têm mandato ou autoridade, à luz da CF88, para negociar um absurdo desses.

Não estou preocupado somente com os prejuízos econômicos ou com o direito de ir e vir. Se as causas, ou seja, se as reinvindicações pudessem ser objeto de negociação, a solução seria mais fácil.

Não é o caso aqui. Os prejuízos humanitários ou para a democracia são enormes e se a situação de insurreição se prolongar, vamos começar a colher cadáveres.

Trata-se de uma situação sem saída: ou os manifestantes derrotam o país e sua democracia ou a democracia e o país derrotam os golpistas. Não há meio termo neste caso.

E o presidente da República, ainda responsável pelo governo, ao se omitir, comete crimes, no âmbito político e no âmbito penal. E quanto mais o tempo passa, mais aumentam as qualificadoras e as agravantes desses crimes. A insistir, deve ser chamado à responsabilidade pelo Sr. Procurador Geral República, Dr. Augusto Aras. Não acatando e contribuindo para o encerramento dos bloqueios, deve processado e preso.