DITADURANUNCAMAIS # 1

Via Carol Proner

DitaduraNuncaMais

“Sobe depressa, Miss Brasil’, dizia o torturador enquanto me empurrava e beliscava minhas nádegas escada acima no Dops. Eu sangrava e não tinha absorvente. Eram os ‘40 dias’ do parto. Na sala do delegado Fleury, num papelão, uma caveira desenhada e, embaixo, as letras EM, de Esquadrão da Morte. Todos deram risada quando entrei. ‘Olha aí a Miss Brasil. Pariu noutro dia e já está magra, mas tem um quadril de vaca’, disse ele. Um outro: ‘Só pode ser uma vaca terrorista’. Mostrou uma página de jornal com a matéria sobre o prêmio da vaca leiteira Miss Brasil numa exposição de gado. Riram mais ainda quando ele veio para cima de mim e abriu meu vestido. Picou a página do jornal e atirou em mim. Segurei os seios, o leite escorreu. Ele ficou olhando um momento e fechou o vestido. Me virou de costas, me pegando pela cintura e começaram os beliscões nas nádegas, nas costas, com o vestido levantado. Um outro segurava meus braços, minha cabeça, me dobrando sobre a mesa. E u chorava, gritava, e eles riam muito, gritavam palavrões. Só pararam quando viram o sangue escorrer nas minhas pernas. Aí me deram muitas palmadas e um empurrão. Passaram-se alguns dias e ‘subi’ de novo. Lá estava ele, esfregando as mãos como se me esperasse. Tirou meu vestido e novamente escondi os seios. Eu sabia que estava com um cheiro de suor, de sangue, de leite azedo. Ele ria, zombava do cheiro horrível e mexia em seu sexo por cima da calça com um olhar de louco. No meio desse terror, levaram-me para a carceragem, onde um enfermeiro preparava uma injeção. Lutei como podia, joguei a latinha da seringa no chão, mas um outro segurou-me e o enfermeiro aplicou a injeção na minha coxa. O torturador zombava: ‘Esse leitinho o nenê não vai ter mais’. ‘E se não melhorar, vai para o barranco, porque aqui ninguém fica doente.’ Esse foi o começo da pior parte. Passaram a ameaçar buscar meu fillho. ‘Vamos quebrar a perna’, dizia um. ‘Queimar com cigarro’, dizia outro.”

ROSE NOGUEIRA, ex-militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), era jornalista quando foi presa em 4 de novembro de 1969, em São Paulo (SP). Hoje, vive na mesma cidade, onde é jornalista e defensora dos direitos humanos.

Vamos ajudar o presidente a celebrar a ditadura, compartilhando relatos de quem viveu aquela “festa”

A grande mídia se cala e o monstro passa, por Gabriel Priolli

A Grande Midia se cala e o Monstro (Boçalnazi passa )!

A PM contra os direitos humanos e a mídia contra os fatos
A imprensa dita liberal criou o monstro reacionário. Será engolida como foi no passado, se continuar fingindo que ele não existe.
Por Gabriel Priolli

O que é notícia, atualmente, para a grande imprensa brasileira? Que fatos devem ser noticiados ou ocultados do conhecimento público?
Cerca de cem policiais militares, muitos deles fardados, compareceram na sexta-feira, 11 de agosto, ao campus da Universidade Federal de São Paulo em Santos. Foram participar de uma audiência pública convocada pelo Conselho Estadual da Condição Humana.

Em pauta, a discussão do texto para o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos.

A presença incomum de tantos policiais no campus chamou a atenção de professores e estudantes para a audiência pública, que foi pouco divulgada. E eles decidiram participar, com tanto direito a isso quanto os PMs tinham.

Mas os policiais não gostaram dessa adesão de última hora da comunidade acadêmica. Tentaram impedí-la, argumentando que alunos e professores não participaram do debate desde o começo.
Os acadêmicos insistiram e foram insultados e intimidados pelos policiais. Foram chamados de “vagabundos”, fotografados e filmados. “Depois morre e não sabe porque”, ouviram dos PMs.

Os policiais defendiam “direitos humanos aos humanos direitos”, mudar a nomenclatura Ditadura Militar de 1964 para Revolução, e retirar a discussão de gênero das escolas, entre outras pepitas do ideário ultraconservador.

Na votação do texto, graças à pressão dos PMs, foram aprovadas a supressão de qualquer referência a direitos humanos no plano estadual e da obrigação de formar agentes de segurança pública com base nos princípios dos direitos humanos.

Não por acaso, parte dos policiais ostentou cartazes pregando “Bolsonaro 2018”. E não por acaso, o deputado militarista, defensor de todas as causas reacionárias do universo, agora está isolado no segundo lugar da corrida presidencial do próximo ano, despontando como o candidato anti-Lula na eleição.

Até o momento deste comentário, o ocorrido na UNIFESP não é assunto na grande imprensa. Apenas o portal UOL deu notícia dele, quatro dias depois.

Se o ocorrido em Santos não é pauta para uma imprensa que se diz liberal e se entende progressista, fica impossível saber com quais critérios ela opera agora. O avanço do autoritarismo em todo o país, que se expressa claramente no avanço de Bolsonaro, ainda não mereceu nenhum debate na grande mídia, nem, muito menos, a obstrução esperável.

Apenas a blogosfera de esquerda tem denunciado essa ameaça crescente à democracia. Foi ela que noticiou o incidente de Santos.
Atacar Trump, o reaça americano, no conforto da distância, é muito fácil e talvez acalme a consciência da grande imprensa. Difícil é conter os impulsos fascistóides de milhões de brasileiros, que foram despertados justamente pelo seu jornalismo de campanha, anti-PT e antiesquerda em geral.

A imprensa dita liberal criou o monstro reacionário. Será engolida como foi no passado, se continuar fingindo que ele não existe.

 

Documentário Em Busca da Verdade – torturas na ditadura militar

Para quem não tinha nascido no período negro da nossa história, uma aula. Para quem já havia nascido e já se esqueceu, é bom recordar … Se pensam que ditadura é piquenique …
Documentário com 58 minutos, publicado originalmente no blog da Cynara Menezes – http://www.socialistamorena.com.br, com relatos do ponto de vista dos torturados pela ditadura militar.

A seguir, leia o texto da Cynara, abaixo e, logo após, clique no link para ver o filme de 58 minutos.

Uma das mentiras mais repetidas pelos defensores da ditadura militar no Brasil é a de que as torturas durante o período foram dirigidas apenas a quem participou da luta armada. Tentam esconder dos incautos que índios, camponeses, estudantes, advogados, trabalhadores e pessoas comuns também foram vítimas do aparato repressivo. O documentário Em Busca da Verdade, produzido pela TV Senado, dá visibilidade a estas histórias a partir dos mais de 1 mil depoimentos colhidos pela Comissão da Verdade entre 2011 e 2014.

É o primeiro filme a abordar o resultado das comissões estaduais e nacional da Verdade, cujo relatório foi divulgado em novembro do ano passado, após três anos de trabalhos. Os diretores Lorena Maria e Deraldo Goulart vasculharam dezenas de horas de depoimentos de agentes da repressão e torturados e entrevistaram os membros da comissão para construir a narrativa e para falar sobre o legado que a investigação deixou.

“A imprensa divulgou muita coisa na época, mas deu prioridade aos depoimentos dos agentes. Nós priorizamos os torturados”, diz Lorena. O filme, de 58 minutos, destaca os casos emblemáticos dos desaparecidos políticos Rubens Paiva, Stuart Angel e Epaminondas Oliveira, líder comunista maranhense, o único que a CNV conseguiu localizar as ossadas. Em agosto de 2014, 43 anos após seu desaparecimento, finalmente Epaminondas foi sepultado pela família.

Foram resgatadas imagens raras descobertas pelo pesquisador Marcelo Zelic no Museu do Índio, no Rio de Janeiro, que trazem a infame cena dos índios carregando outro índio no pau-de-arara em um desfile militar. “Os índios e camponeses eram alvo da repressão por uma questão de disputa por terra”, afirma a diretora. “Como diz no filme a psicanalista Maria Rita Kehl, que integrou a Comissão da Verdade, eles viraram um obstáculo que tinha de ser eliminado a bala.”

O documentário também retrata o envolvimento do empresariado, financiando a ditadura militar e a própria tortura. Segundo Lorena Maria, o mais importante é que o filme consegue deixar claro como a política de repressão resultou em problemas para toda a sociedade, não só para quem atuou na luta armada, com efeitos que sentimos até hoje. “A PM ainda continua exercendo práticas de tortura e desaparecimento de cadáveres. A transição negociada para a democracia, sem punição aos mandantes e torturadores, permitiu que isso continuasse. Trouxe uma sensação de impunidade que persiste”, opina.

Em Busca da Verdade será transmitido pela TV Senado a partir de sábado 27, às 21h30. Em agosto, Deraldo Goulart dirige a segunda parte do documentário, enfocando as implicações da ditadura brasileira com os imigrantes e com outros países da região, como a Operação Condor. Assista o primeiro episódio aqui, na íntegra.

Para informações mais detalhadas, clique no link abaixo:

http://www.cnv.gov.br/relatórios.html