A elite se entediou do Brasil, por Saúl Leblon

Publicado em Carta Maior

Bye,bye, Brasil

Rumo a Miami , Lisboa ou em exílio rentista na dívida pública, elite e ricaços desistem de construir um país aqui. Definitivamente, essa tarefa cabe à frente ampla das forças progressista brasileiras. Ou isso, ou a esbónia se perpetuará.

Por Saul Leblon

A elite se entediou do Brasil.

Economistas de bancos, gente bem sucedida de berço, executivos prestigiados estão se desfazendo de ativos e participações no país e rumam para temporadas sabáticas no exterior.

O comboio classe A reedita no ‘formato pessoa física’ o percurso que o patrimônio, o chamado dinheiro grosso, sempre fez e continua a fazer.

A explicação para o enfado é a resiliência dos impasses que o golpe tarda a resolver.

Nada contra o golpe, a nonchalance é … com o Brasil.

O país secularmente marcado por crises recorrentes, desta vez não parece reunir tônus para superar seus gargalos.

Pelo menos não do ponto de vista descortinado do mirante dos que nunca sofreram na carne os efeitos dos reveses pátrios, embora sempre tenham se beneficiado dos ciclos de alta.

Persio Arida, o ex-menino prodígio do Plano Real, doutor pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), é um dos que afivela malas em direção ao embarque internacional.

Carrega na bagagem a tranquilidade financeira de quem presidiu o BNDES no governo do PSDB.

De lá migrou junto com a então esposa, Elena Landau (que dirigiu o plano de privatização tucano no mesmo banco) para o Opportunity, de Daniel Dantas. Ali, o casal de tucanos exerceria a republicana função de orientar o capital estrangeiro na compra de ações de estatais privatizáveis.

Arida está se desfazendo também da participação graúda no conselho do BTG-Pactual, o banco que presidiu quando o titular, André Esteves, foi preso por corrupção: compra de emendas no balcão de Eduardo Cunha.

Na juventude nos anos 70, o economista tucano, agora aos 65 anos, militou na resistência armada à ditadura como membro da VAR-Palmares, a mesma organização da ex-presidenta Dilma Rousseff, da qual diverge radicalmente hoje.

Definindo-se como um liberal completo, ele deixa para trás as pendências materiais produzidas por esse choque de ideias para um retiro em Oxford, na Inglaterra.

A partir de setembro ministrará workshops na Blavatnik School of Goverment aproveitando o tempo livre para escrever suas memórias.

Outro titã do Plano Real, André Lara Resende, já decolou há mais tempo.

Foi viver, pedalar, cavalgar e refletir sobre os impasses brasileiros longe do objeto em transe. Primeiro, como fellow scholar da Universidade de Oxford, na Inglaterra, para onde teria levado seus cavalos de corrida a bordo de aviões fretados; mais recentemente, como morador em Tribeca, nos EUA, e professor visitante da Columbia.

Sugestivamente, Lara Resende também recheou o currículo com uma passagem na presidência do BNDES, sob o governo tucano de FHC.

Em 1998 teve que deixar o cargo, ejetado pelo escândalo da privatização da telefonia brasileira.

Como se recorda, gravações envolvendo Fernando Henrique Cardoso e o então ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros, vieram à tona, então. Num deles, Lara Resende fala em ‘acionar a bomba atômica’(FHC) para obrigar um fundo ligado ao setor público a apoiar um consórcio privado interessado nas teles.

Os diálogos demonstraram que o BNDES e o governo como um todo teriam atingido o ‘limite da responsabilidade’ (frase de Mendonça) nas articulações com grupos de interesses no rateio de um negócio milionário.

Apesar das suspeitas de favorecimento e enriquecimento ilícito de tucanos graúdos e seus parentes miúdos, Lara Resende foi absolvido nas investigações.

O economista –que já fora sócio de Luiz Carlos Mendonça de Barros na criação do banco Matrix, em 1993, de sucesso meteórico na era tucana– está no país para lançar seu terceiro livro.

Intelectual respeitado como uma das mentes mais inquietas do conservadorismo, ele inverte a relação convencional que explica a anomalia do juro sideral praticado aqui como consequência e remédio da inflação alta.

A tese do tucano, que num primeiro momento assustou seus pares do mercado, é que ‘no Brasil o juro alto virou o indexador de preços do mercado’.

Mas calma, não é uma guinada esquerdista.

A aparente heterodoxia converge por linhas tortas ao velho ninho seminal da narrativa conservadora.

A origem do juro alto –que indexaria a inflação– é o déficit público.

‘O país é viciado no Estado’, diz o quadro tucano mais admirado por FHC.

‘O país gasta mais do que arrecada’, reiterou em entrevista tranquilizadora para os centuriões competitivos das mesas de operação.

A verdadeira inversão causal que seria dizer ‘o país arrecada menos do que gasta’ nunca esteve nas cogitações de Lara Resende.

Respiram aliviados os endinheirados que, segundo Estudos do Senado brasileiro, auferiram em 2016 cerca de R$ 334 bilhões em lucros e dividendos livres de qualquer tributação (leia nesta página: http://www.cartamaior.com.br/?/Editorial/Rua-voto-e-politizacao-do-desenvolvimento/38252)

A lógica intocada está na origem de uma crise avaliada por outro bico longo, José Serra –um dos responsáveis por ela– como ‘pior que a de 1964’.

Desta vez, no entanto, não são os perseguidos políticos que buscam os saguões do embarque internacional.

O movimento, na verdade, tornou-se perceptível porque atingiu, ademais de pavões e tucanos ilustres, justamente círculos bem postos da classe média alta, sem falar dos seus filhos, em eterna jeunesse dourée.

Fartos ou indiferentes eles se despedem de uma nação posta de joelhos, para retiros mais acolhedores, ainda que com menor grau acadêmico.

Miami e Lisboa lideram as preferencias aqui, sendo a capital portuguesa listada nas apreciações conservadoras, paradoxalmente, pelo bom momento econômico, social e cultural propiciado por políticas heterodoxas. Obra da coalizão de esquerda que, sugestivamente, assumiu o poder português depois do fracasso de um governo austericida.

Dados da Receita Federal contabilizam 20.469 Declarações de Saída Definitiva do país só em 2016.

O salto é graúdo se comparado às estatísticas do início da década: 8.510 saídas definitivas em 2011, por exemplo.

Mais que a escala, importa ressaltar aquia qualidade da resposta conservadora a um desmanche que ajudou a semear com afinco, mas de cuja colheita agora prefere manter-se à distância.

São tempos interessantes.

Na letra miúda do descaso elitista com a sorte da nação define-se, por contraposição, o verdadeiro lastro à pertinência da ideia de Estado, democracia e desenvolvimento em nosso tempo.

Quem de fato sustenta essa sobrevivência porque dela necessita como a corrente sanguínea precisa dos músculos cardíacos para não coagular é o povo brasileiro.

A maciça, esférica maioria de homens, mulheres, idosos, jovens e crianças do país não pode prescindir desses ‘anacronismos’, no dizer neoliberal, sob pena de se tornarem eles próprios anacrônicos na fila cada vez mais estreita e seletiva do ingresso ao estado das artes da civilização.

A indiferença dos de cima complica sobremaneira o acesso dos que dependem da construção uma república de todos nestes 8,5 milhões de kms2 de segregação e riquezas desigualmente auferidas.

Se vivo, o coronel Pedro Nunes Tamarindo, protagonista da Guerra dos Canudos (1896-1897), perfilaria ao lado dos Aridas e Resendes que se escafedem, a bradar o famoso bordão: ‘É tempo de murici, que cada um cuide de si’.

A evocação à debandada corresponde ao empoçamento do futuro para a grande Canudos cuja sorte está atada à superação progressista dos gargalos do desenvolvimento brasileiro.

Da servidão rentista do século XXI ela não se livrará pela lógica de mercado.

Pelo menos é o que se pode depreender da estratégia que gestores de fortunas reservam ao pecúlio sob a sua guarda.

Luis Stuhlberger, dirigente e estrategista do fundo Verde é um caso ilustrativo de exílio financeiro dentro do próprio país.

Ele tem a guarda de algo como R$ 20 bilhões em espécie de ricaços e empresas.

Mas não se dispõe a correr nenhum risco com investimentos de longo prazo, desses que o país necessita desesperadamente para sair do pântano recessivo.

Sua escolha alinha-se a lógica dos que batem asas de costas para a encruzilhada nacional, reduzindo os laços à frequência e intensidade do hotmoney de estadia curta.

‘A única coisa que tem no fundo hoje é uma posição grande –metade do fundo– em NTN-B com ‘duration’ (prazo médio) curta. De Brasil é isso. Tenho CDI com NTN-B. Nem diria que é uma aposta (são papéis de autoproteção)’, explica o estrategista do ‘Verde’, um dos maiores fundos de ‘investimento’ do país.

O exílio do dinheiro grosso na dívida pública é um garrote vil.

Para garantir a remuneração da riqueza privada, que tem na dívida pública a sua contrapartida de miséria, o mercado, a mídia e a escória política fizeram uma sublevação e derrubaram uma Presidenta honesta.

Substituíram- na por um plantel de achacadores profissionais da política.

Agora, nem o Estado investe em infraestrutura, nem os gestores privados querem correr o risco, preferindo exortar as tarraxas do arrocho.

Câmbio favorável à exportação, previsibilidade fiscal, taxa de juro civilizada incluem-se entre os ingredientes da difícil calibragem macroeconômica de qualquer nação em luta pelo desenvolvimento.

Mas a verdade, a dura verdade, é que não bastam; sobretudo, não brotam jamais dos ‘impulsos’ do próprio sistema cantado pelos sacerdotes dos ‘mercados racionais’, como mostra o raciocínio dos gestores da riqueza na hora do aperto.

Enfim, a crise econômica atual não se explica nem se resolve nela mesma.

Atribuir a pasmaceira do país exclusivamente aos ‘erros da Dilma’ – ilusão ruminada inclusive por segmentos à esquerda; ou o cacoete daqueles que transpirando preconceito de classe acusam o ‘voluntarismo lulopopulista’ de responsável pelos gargalos estruturais de um dos sistemas econômicos mais injustos da face da terra, são miragens de quem se recusa a encarar o deserto a transpor e prefere retiros confortáveis enquanto a guerra civil se arma por aqui.

Os riscos decorrentes são enormes.

Num extremo encontram-se as saídas voluntaristas, de verbalização tão simples quanto falsa.

No outro, a ‘rendição dos sensatos’, esses que aparentando responsabilidade descartam irresponsavelmente qualquer alternativa ao armagedon recessivo exigido pelos mercados.

A colonização dos partidos de esquerda por essa lente embaçante de dupla película é uma das tragédias do nosso tempo.

‘O ponto importante’, explica o pensador marxista István Mészàros, ‘é que eles (os mercados capitalistas) vêm praticando orgias financeiras como resultado de uma crise estrutural do sistema produtivo’.

Insista-se: a terra em transe resulta de um traço estrutural do sistema capitalista nos dias que correm.

Ou, na síntese iluminadora de Mészàros: ‘A acumulação de capital não pode mais funcionar adequadamente no âmbito da economia produtiva’.

Seu apetite só se satisfaz na voragem de uma dança financeira descolada da produção.

Essa que capturou o Estado brasileiro para ser a negação da alavanca permeável ao interesse popular na luta por desenvolvimento e justiça social.

Resulta daí o impasse protagonizado por endinheirados que nem investem, nem permitem a tributação da riqueza para que o Estado possa faze-lo.

Como formular e implantar uma política de desenvolvimento focada na construção de uma democracia social nesse ambiente de beligerância constitutiva?

Como fazê-lo contra um adversário capacitado a exercer, como de fato exerce pelas prerrogativas midiáticas e financeiras de que dispõe, seu poder de veto sobre as urnas, partidos, governos e o discernimento social?

O resultado dos desencontros é a crise.

Sobra capital especulativo no fundo Verde atado a títulos de ‘duration’ curta, de um lado.

De outro, a sociedade carece de infraestrutura, serviços, emprego e renda.

No arremate, a retração da atividade reduz ainda mais a margem de ação fiscal do governo.

Não por acaso, o golpe que veio corrigir a ‘gastança’ debate-se em sérias dificuldades para conter o déficit fiscal dentro da meta de R$ 139 bilhões, dependendo para isso de receitas extras que compensem a arrecadação aguada pela retração econômica.

Sem consertar o motor do desenvolvimento brasileiro o comboio não sairá do atoleiro.

Não se trata de uma falha mecânica, porém, mas de um desastre deliberado.

Decorridos 53 anos do golpe militar de 1964, quando tentou pela última vez modelar um país à sua imagem e semelhança, as elites se conformaram em fincar no endividamento público que tanto criticam seu porto seguro histórico.

Essa escolha custa 7% do PIB ao ano.

Juros e rolagem pagos em detrimento de outras prioridades cuja postergação gera múltiplos desse custo, conduzindo a espiral do apartheid em curso nas vísceras da nação.

A tolerância conservadora com quase uma década de políticas progressistas esgotou o prazo de validade quando ficou claro que a crise de 2008 marcava o crepúsculo da ordem neoliberal no mundo.

O comércio internacional cuja expansão feérica, duas vezes maior que a do PIB global, funcionou como força acomodatícia dos conflitos de classe secou seu poder lubrificante.

A consequente atrofia da receita fiscal deixou três opções ao passo seguinte do desenvolvimento brasileiro: I) endividamento público desestabilizador; II) reformas progressistas com taxação adicional da riqueza, ou III) um arrocho fiscal drástico.

‘O Brasil gasta mais do que arrecada’ tornou-se o bordão da opção que partiu para inviabilizar a ação do governo petista, declarando guerra aberta à Presidenta Dilma Rousseff já na metade final de seu primeiro governo.

O estopim foi a decisão presidencial, em 2012, de contornar a saturação do gasto público impondo ao mercado financeiro uma queda expressiva do juro e do crédito, a partir dos bancos estatais.

A manchete garrafal do jornal O Globo do dia sete de maio de 2012 trazia como resposta uma declaração de guerra ao governo: ‘Bancos reagem a Dilma e não garantem crédito maior’.

Em pronunciamento em horário nobre seis dias antes, no 1º de Maio, a Presidenta criticara o que chamou de ‘lógica perversa’ do sistema financeiro.

Foi além: qualificou de ‘roubo’ as tarifas cobradas para administrar fundos de investimento e pediu queda urgente das taxas de juros.

Ato contínuo, o Banco do Brasil anunciaria o seu terceiro corte indutor nas linhas de empréstimo.

A resposta do sindicato dos banqueiros (a Febraban) desaguava na insolência: não garantiria a oferta de crédito pedida pelo governo para assegurar o crescimento econômico. E espicaçava: ‘Você pode levar um cavalo até a beira do rio, mas não conseguirá obrigá-lo a beber a água’.

Era a ordem unida à greve branca do capital, contra o projeto de desenvolvimento com cidadania para todos.

Uma parte da adesão ao lockout explica-se pela existência efetiva desequilíbrios macroeconômicos acumulados desde os anos 90.

Um exemplo: o câmbio valorizado.

Ademais de incentivar importações baratas, ele atrofiou a exportação, subtraiu demanda à indústria local, levou a uma integração desintegradora com as cadeias globais de suprimento e tecnologia.

Em vez de investir, fabricantes trocaram máquinas por guias de importação. E se tornaram sócios do endividamento público, aplicando sobras de capital em títulos, não em capacidade produtiva, empregos ou inovação.

As distorções explicam em parte os impasses da industrialização e do desenvolvimento nos dias que correm.

Mas não explicam tudo.

Quem vê no capitalismo apenas um sistema econômico, e não a dominação política intrínseca ao seu funcionamento derrapa no economicismo.

Ele subestima aspectos cruciais da encruzilhada atual.

Destravar um novo ciclo de investimento no país envolve –ademais da retificação de distorções desindustrializantes– uma disputa para mudar o comando do sistema financeiro na economia.

Que se completa com uma nova relação fiscal do Estado com a riqueza da plutocracia.

Essa que aderiu à ciranda rentista e dela não abdicará espontaneamente, necessitando ser tangida por instrumentos fiscais e de controle da conta de capitais –para evitar fuga de recursos e queima de reservas.

O que se instalou com o golpe de agosto de 2016 foi o oposto disso.

Uma democracia garroteada, humilhada e tutelada, de um lado, por juízes e mídia partidarizada; de outro, por uma escória parlamentar a serviço do mercado, que transformou o Congresso em uma assembleia permanente contra o povo.

O arrocho contido na PEC do Teto, que congela em termos reais orçamentos de serviços públicos subfinanciados, como é o caso da saúde, ilustra essa deriva programada do futuro da sociedade.

O banqueiro Roberto Setúbal explicitou a dissociação elitista com as consequências dessa engrenagem ao declarar ao jornal Valor Econômico no último sábado (24/06): ‘O momento é difícil, complexo, bem atrapalhado. Mas a economia está funcionando; as políticas são corretas, mantendo mais ou menos as coisas bem equilibradas. Houvesse políticas confusas, o problema seria maior’.

Às favas o fato de o país rastejar no fundo do precipício com um governo composto de achacadores, abrigar uma bomba social de 14 milhões de desempregados, ter R$55 bilhões em obras públicas paralisadas e um presidente aprovado por apenas 7% da sociedade.

Dá para levar, diz o dono do maior banco do país: ‘Houvesse políticas confusas, o problema seria maior’.

É tempo de murici, grita igualmente o sujeito oculto do golpe de 2016, o ex-presidente tucano, Fernando Henrique Cardoso.

Diante de um Brasil em ponto de desmanche, ele atualiza a teoria da dependência que defendeu como sociólogo nos anos 60 e personificou como presidente da República nos 90.

Agora, dando ao entreguismo uma dimensão salvacionista.

‘“O que puder privatizar, privatiza, porque não tem outro jeito. Essa não é minha formação cultural, mas não tem mais jeito, ou você realmente aumenta a dose de privatização, ou você vai ter de novo um assalto ao Estado pelos setores políticos e corporativos’, disse em declaração oportunista à imprensa dia 22/06.

É esse Brasil mantido em um formol de iniquidade, congelado fiscalmente pelo custo de uma dívida contraída junto a quem deveria ser taxado, decepado de ferramentas estatais indutoras do desenvolvimento que explica o descrédito popular na política e no futuro, emulado pela panaceia de um combate à corrupção cuja finalidade principal –que nem Moro disfarça mais– consiste em excluir o nome de Lula da cédula de 2018.

Titãs do mercado financeiro, competitivos estrategistas de fundos e bancos são assertivos em dizer que o futuro vai demorar muito para visitar de novo os trópicos.

A estagnação secular do mundo ricos, prevista por Larry Summers, ex-conselheiro econômico de Obama, como resultado de mudanças estruturais na economia e na sociedade coaguladas pela desordem neoliberal, chegou antes.

E durará tanto quanto seu cicerone político quiser um conservadorismo que se protege entre a dívida pública –em títulos de ‘duration’ curta– e o aeroporto.

Deixa aos da terra o emprego instável, informal e mal remunerado, característico da recuperação atual na Europa e nos EUA –aqui replicada a ferro e fogo pela reforma trabalhista que pretende implodir a CLT.

O engessamento de um Estados endividado e sem espaço para promover investimentos contracíclicos é outro garrote, cuja cristalização local representa a própria razão de ser do golpe.

A existência de elevada capacidade ociosa na indústria mundial e chinesa desautoriza, ao mesmo tempo, expectativas de expansão pela alavanca das exportações.

Sobra o quê?

O saldo desse capitalismo deixado à própria sorte – livre mercado- é o ‘murchamento’ produtivo, coroado por desigualdade crescente, uma regressão ordinária do trabalho e a tensão social permanente, embebida em nitroglicerina de marcas variadas: ódio de classe, xenofobia, guerra de tráfico, racismo, intolerâncias de gênero e outras ressurgências nazistas.

Mas pode ser diferente.

O Brasil tem trunfos com escala e densidade suficientes para ocuparem o motor de um novo ciclo de expansão industrializante, em sintonia com a revolução 4.0 que combina biotecnologia, informatização e robótica.

A reciclagem de seu sistema agrícola em práticas e manejos agro-sustentáveis é um exemplo; outro, o potencial de inovação e de transição para uma matriz verde contido no desenvolvimento da cadeia do pre-sal.

O requisito capaz de interligar esse potencial a um novo ciclo de desenvolvimento é a soberania na condução de suas possibilidades industrializantes.

Sem isso o futuro se esfarela nas remessas imediatistas das grandes corporações

Como está planejado para acontecer, graças ao projeto de liberação de terras aos estrangeiros, por exemplo; e do desmonte do modelo soberano de partilha do pre-sal.

Retomar os espaços de soberania e planejamento democrático constitui, assim, o requisito de vida ou morte diante desse cerco.

Para retirar essa chance do reino das ideias é vital reconhecer que os ciclos históricos tem um começo e tem um fim.

Vivemos essa intersecção típica em que o novo ainda não emergiu e o velho já não tem o que propor ao futuro.

O golpe é a manifestação mórbida mais explícita dessa encruzilhada.

Sacrificar 90% da sociedade para gerar riqueza em benefício de 1% é o que os donos do dinheiro tem a oferecer ao século XXI brasileiro. Alguns o fazem da forma mais cínica acenando da escada do avião.

Não há nada mais importante nesse momento do que organizar a capacitação do campo progressista para enfrentar a severidade dessa quadra histórica.

Ela requer o desassombro político para enxergar na debandada dos ‘entediados’ mais que um traço pitoreco da crise.

O auto-exílio financeiro aqui dentro mostra que é muito mais grave que isso.

Políticas de congelamento fiscal da nação em nitrogênio de arrocho por décadas informam a dimensão totalizante da revoada dos bacanas para remansos sabáticos no exterior.

Definitivamente, as elites abdicaram das responsabilidades e valores compartilhados que distinguem um ajuntamento demográfico de uma nação democrática e inclusiva.

Aquilo que nos devora, que nos faz girar em círculos até a prostração, é a hesitação diante da tarefa incontornável que essa abdicação cobra.

Em 12 anos de governos de centro esquerda foram dados passos efetivos na construção da nova fronteira de soberania por aqui: aquela calcada na justiça social e em alianças internacionais progressistas.

Descuidou-se, porém, do indispensável: a contrapartida da organização popular para sustentar e adicionar avanços a esse percurso.

O armagedon penetrou por essa fresta.

O Brasil só retomará seu desenvolvimento se esse erro for retificado sem hesitação, nem sectarismos, por uma frente democrática e popular que se proponha, claramente, a assumir a frente da nação e o comando do seu desenvolvimento.

Inclua-se nisso a disposição de negociar uma repactuação do desenvolvimento com todos os segmentos empresariais locais e estrangeiros; mas a partir dessa condição hegemônica organizada e programática.

Dotada dos instrumentos democráticos de Estado necessários ao exercício dessa hegemonia.

Portanto, não é obra que se possa atribuir a uma liderança ou a um partido isolado.

O Brasil necessita urgentemente viabilizar um novo braço coletivo.

Que seja maior do que a soma das partes, capaz de sacudir o torpor da esquerda, afrontar a soberba da direita, abrir espaço à organização popular e assim preencher o vácuo de futuro e esperança no qual a elite pretende asfixiar o destino de mais de 200 milhões de pessoas na oitava maior economia do planeta.

A travessia requer a força e o consentimento que só podem ser obtidos se a tendência à fragmentação for substituída pela construção urgente de um amplo palanque presidencial progressista.

Trata-se de reunir desde já todos os potenciais candidatos das forças democráticas, populares, socialistas, comunistas e nacionalistas.

Para fazer da campanha contra o golpe não o subtexto de uma gincana fratricida.

Mas a definição de uma nova referência de credibilidade histórica na vida da sociedade.

Na qual a nação se reconheça.

Porque reúne projeto e densidade organizativa para conduzir a reconciliação de todos os segmentos sociais interessados num sonho irresistível: desfrutar uma verdadeira democracia social em seu próprio lugar e em sua própria vida.

Voltar para o Índice

Juros altos e o aumento da desigualdade

Como na lenda do Minotauro, juros são tributo imposto à sociedade brasileira pelos mais ricos. Como eles paralisam país e o tornam mais desigual. Por que é possível vencê-los

Por Célio Turino

Há décadas o povo brasileiro é submetido ao intrincado percurso dos juros altos. Como se nós estivéssemos em um labirinto e dele não mais pudéssemos sair, desorientados, fomos levados a crer que a única alternativa para combater a inflação seria o pagamento de elevadas (estratosféricas!) taxas de juro público (SELIC). Esta crença tornou-se uma religião, um dogma indiscutível, do qual ninguém pode divergir. Diariamente somos massacrados por análises econômicas, seja por meios de comunicação, estudos acadêmicos (os que ganham destaque, é claro), relatórios de consultorias, análises de mercado. Enfim, todos os agentes do terrível monstro que habita o labirinto em que nos jogaram. Quando alguém ousa desafiá-lo ou pensar diferente, logo é triturado por um cruel minotauro, ou então defenestrado e relegado ao esquecimento. A força deste dogma é tanta que pensamos que o que estamos pensando é verdade. E assim, nos rendemos ao deus mercado, de modo que o Brasil é o país que mais paga juros reais no mundo e isto há décadas!

Em Creta, o povo era obrigado a entregar suas virgens para serem comidas pelo minotauro; no Brasil, entregamos nossas vidas e futuro. Segundo dados do Banco Central, no início do Plano Real a dívida interna brasileira era de R$ 153 bilhões (valores atualizados), o que equivalia a 30% do PIB; em 2015 a dívida é de aproximadamente R$ 4 trilhões (isso mesmo), ou 63% do PIB. No mesmo período pagamos, em valores atualizados pelo INPC, um total de R$ 2,9 trilhões! Mas se a dívida pública brasileira era de R$ 153 bilhões e no período de 20 anos pagamos (repetindo) R$ 2,9 trilhões (exatamente e não incluindo 2015, quando pagaremos mais R$ 300 bilhões), como explicar que estamos devendo R$ 4 trilhões?

No artigo anterior, preferi usar dados da dívida líquida (R$ 2,4 trilhões) para demonstrar, a partir dos argumentos do governo, que o aumento da SELIC, praticado pelo Banco Central (13,25%), não só neutralizará os efeitos do ajuste fiscal, como vai piorar a relação dívida/PIB ao final de 2015. Mas, agora precisamos analisar a dívida pública tal qual ela é, por isso os dados de dívida bruta. Este é mais um exemplo da enganação e desorientação que tem sido praticada pelo labirinto dos juros altos. A diferença entre dívida líquida e bruta está no cálculo entre o que o país deve e o que tem a receber. Por exemplo, o país possui US$ 372 bilhões em reservas internacionais, quase tudo em títulos do tesouro dos Estados Unidos; mas o governo dos EUA paga juro de 1% ao ano, o mesmo acontece com créditos do BNDES, com juros entre 5 e 6%, mas cujo dinheiro é captado pelo governo a juro de 13,25%. Seria a mesma coisa que a pessoa pagar juro de cheque especial para aplicar o dinheiro na caderneta de poupança. A conta não fecha, pois pagamos juros de 13,25% para receber 1%, no máximo 6%, por isso o indicador correto para apurar o endividamento de um país tem que ser sobre a dívida bruta e não líquida.

Outro dogma que, nestas dimensões e extensão de tempo só é praticado no Brasil, é de que somente com juros altos poderemos conter a inflação. O juro alto pode ser utilizado em determinadas ocasiões e por tempo limitado, mas ele só detém a inflação quando há excesso de demanda. Inflação é o aumento continuado e generalizado de preços dos bens e serviços e acontece por quatro causas:

Demanda – quando as pessoas querem comprar mais produtos, em velocidade superior àquela em que são produzidos;
Custos – quando aumentam os custos de produção, seja por escassez ou variação de preços de mercado (a variação no preço da energia elétrica, como está acontecendo agora, por exemplo);
Inercial – resultante da sensação de que é necessário aumentar os preços porque os preços irão aumentar, gerando uma “bola de neve” e indexações de custos;
Estrutural – falta de eficiência na Infraestrutura;

Para continuar a leitura, acesse o artigo:

Contra a oligarquia financeira, sejamos Teseu e Ariadne, em

outraspalavras.net

 

A dívida pública é uma piada – Thomas Piketty

“A dívida pública é uma piada! A verdadeira dívida é a dívida do capital natural”.

02 de junho de 2015 / Entrevista com Thomas Piketty

  • Entrevista por Hervé Kempf para o site Reporterre. Ao tempo que o desemprego atingiu um recorde mostrando a ineficácia da política neoliberal, o economista Thomas Piketty recorda que a desigualdade está no centro do mal-estar atual. Ele atacou os crescimentistas (croissancistes) (1). E apela a uma revisão do pensamento econômico para levar em consideração “o capital natural”.

Reporterre: Que ideia principal inspirou seu livro Capital do século XXI?

Thomas PikettyMeu trabalho desconstrói a visão ideológica de que o crescimento traria o declinio espontâneo da desigualdade. O ponto de partida desta pesquisa é ter estendido em uma escala sem precedentes a coleta de dados históricos dos rendimentos e dos patrimônios. No século XIX, os economistas colocavam muito mais ênfase na distribuição de renda do que tem sido o caso a partir do meio do século XX. Mas, no século XIX, havia muito poucos dados. E até recentemente, este trabalho não tinha sido realizado de forma sistemática, como fizemos, em várias dezenas de países em mais de um século. Isso muda muito a perspectiva.

Na década de 1950 e 1960, dominou uma visão muito otimista, expressa em especial pelo economista Kuznets, que uma redução espontânea da desigualdade estava ocorrendo em estágios avançados do desenvolvimento industrial. Kuznets tinha, de fato, encontrado em 1950, uma redução em comparação com 1910.

Esta foi, de fato, relacionada com a Primeira Guerra Mundial e a crise da década de 1930. Kuznets estava ciente. Mas na atmosfera da Guerra Fria, havia a necessidade de encontrar conclusões otimistas para explicar – especialmente para os países em desenvolvimento: “Não se tornem comunistas! O crescimento e a redução de desigualdade andam de mãos dadas, é só esperar”.

Mas, nos Estados Unidos e nos países desenvolvidos, as desigualdades relativas aos níves de renda estão agora muito elevadas, equivalentes às que Kuznets havia medido em 1910. O meu trabalho decompôs estas evoluções, tomando como tema central o fato de que não há nenhuma lei econômica inexorável que conduza quer à redução das desigualdades, ou ao seu declínio. Há um século, os países europeus eram mais igualitários do que os Estados Unidos. Hoje é o oposto. Não há determinismo econômico.
Reporterre: Você mostra a importância da classe média. É ela que permite a aceitação do aumento na desigualdade?

Thomas Piketty – O desenvolvimento desta “classe média patrimonial” é sem dúvida a maior transformação em um século. Os 50% mais pobres da população nunca tiveram patrimônio e não têm quase nada hoje. Os 10% mais ricos que, há um século, tinham tudo, 90% ou mais dos ativos, possuem hoje apenas 60% na Europa e 70% nos EUA. Este continua a ser um nível muito alto. A diferença é que agora você tem 40% da população que observaram sua situação se transformar no século: este grupo central possuia nos anos 1970 mais de 30% do patrimônio total. Mas isso tende a se reduzir e que estão mais próximos de 25% hoje. Ao tempo que os 10% mais ricos continuam a ver o aumento de sua riqueza.

Reporterre: O fato de que este bloco central vê a sua situação piorar, isto explica o aumento nas tensões sociais?

Thomas Piketty – Sim. Pode haver um questionamento geral do nosso pacto social, enquanto muitos membros da classe média patrimonial tem a sensação de perda, os mais ricos conseguem tirar proveito dos mecanismos de solidariedade. O risco é que grupos se voltem cada vez para soluções mais egoístas, deixando de ser possível cobrar dos mais ricos. Um dos desenvolvimentos mais preocupantes é a necessidade das sociedades modernas de dar sentido às desigualdades como uma maneira de tentar

Reporterre: …legitimar

Thomas Piketty –… justificar a herança ou a captura de rendas, ou o poder, simplesmente. Quando os dirigentes de empresas recebem dez milhões de euros por ano, eles a justificam em nome da produtividade. Os vencedores explicam aos perdedores que tudo isso é do interesse público. Exceto que é difícil encontrar qualquer evidência de que faz sentido pagar aos dirigentes de empresas 10 milhões de euros em vez de um milhão.

Hoje, o discurso de estigmatização dos perdedores do sistema é muito mais violento que era há um século. Pelo menos, antes, ninguém teve o mau gosto de explicar que as domésticas ou os pobres eram pobres por causa de sua falta de mérito ou virtude. Eles eram pobres porque era assim.

Reporterre: Foi a ordem social. 

  Thomas Piketty – A ordem social que se justifica pela necessidade de ter uma classe que pudesse se concentrar em outra coisa que não a sobrevivência, e se envolver em atividades artísticas ou militar ou outras. Eu não estou dizendo que esta justificação era boa, mas colocar a pressão psicológica sobre os perdedores.

Reporterre: Estes perdedores, essa classe média central, pode dobrar-se à  lógica da extrema direita?

Thomas Piketty – Claro. Este é o risco principal e teme-se o regresso à Europa do egoísmo nacional. Quando não podemos resolver os problemas sociais de forma adequada, é tentador colocar a culpa em outro lugar: os trabalhadores imigrantes de outros países, os gregos preguiçosos, etc. Reporterre: Um aspecto importante de seu trabalho diz respeito ao “crescimento” da economia. Você lembrou que as elevadas taxas de crescimento de cerca de 5% ao ano são historicamente excepcionais.

Thomas PikettyNós devemos nos acostumar a um crescimento estrutural lento. Mesmo manter 1 ou 2% ao ano implica inventar fontes de energia que, por enquanto, não existem.

Reporterre: Sem energia abundante, não há possibilidade de crescimento de 1 ou 2%?

Thomas Piketty – Haverá um momento em que não será mais possível. Desde a Revolução Industrial, 1700-2015, o crescimento global foi de 1,6% por ano, metade dos quais para o crescimento da população (0,8%) e metade (0,8%) para PIB (produto interno bruto) per capita. Isto pode parecer ridiculamente baixo para aqueles que pensam que não pode ser felizes sem um retorno ao boom no crescimento pós segunda guerra (2) de 5% ao ano. Mas o crescimento de 1,6% ao ano durante esses três séculos multiplicou dez vezes a população e o nível de vida médio, porque quando é cumulativo, é realmente um crescimento enorme. E a população mundial aumentou de 600 milhões em 1.700 para 7 bilhões hoje.

Poderíamos ser mais do que 70 bilhões em três séculos? Não é certo que isto seja desejável ou possível. Quanto ao padrão de vida, um aumento de dez vezes é uma abstração.

A revolução industrial no século XIX aumentou a taxa de crescimento que foi muito próximo a 0% nas sociedades agrárias pré-industriais para 1 ou 2% ao ano. Isto é extremamente rápido. E só em fases de reconstrução acelerada após guerras ou recuperação acelerada de um país em relação a outros que foram a 5% ao ano ou mais.

Reporterre: Os políticos responsáveis, a maioria de seus colegas economistas, os jornalistas econômicos, todos ainda na esperança de um crescimento de 2 ou 3% ao ano, alguns até mesmo sonham com 6 ou 7% da China.

Thomas PikettyO discurso de dizer que sem o retorno a 4 ou 5% de crescimento ao ano, não há felicidade possível é um absurdo, dada a história de crescimento.

Reporterre: No entanto, você usou o termo “forte crescimento” em um artigo assinado com economistas alemães e ingleses.

Thomas Piketty – Para mim, 1 ou 2%, é um crescimento alto! Sobre uma geração, é um muito, muito forte crescimento!

Em 30 anos, o crescimento de 1% ou 1,5% ao ano significa um aumento de um terço ou metade da atividade econômica a cada geração. Este é um ritmo de renovação da sociedade extremamente rápido. De modo que todo mundo tem um lugar em uma sociedade que se renova a este ritmo, precisamos de um sistema de educação, de qualificação, acesso ao mercado de trabalho altamente desenvolvidos. Não tem nada a ver com uma sociedade pré-industrial ou, de uma geração para a próxima, a sociedade se reproduz de forma quase idêntica.

Mas por outro lado, a idéia de que não é possível o crescimento também parece perigoso. É um processo que, reproduzido ao longo de gerações, é muito assustador, não haverá mais a humanidade.

Esta capacidade de crescimento demográgico reduzido a zero ou a níveis negativos restaura a importância da riqueza acumulada. Isso nos remete a uma sociedade de herdeiros que a França experimentou agudamente no século XIX devido à estagnação da população.

Reporterre: Será que faz sentido continuar a falar sobre o crescimento do PIB quando a economia tem um enorme impacto sobre o meio ambiente?

Thomas PikettyCompatibilizar melhor o capital natural é uma questão central. A degradação do capital natural é um risco muito mais grave do que qualquer outra coisa. Esta é a verdadeira dívida. A “dívida pública”, com a qual enchem nossos ouvidos, é uma piada! É um puro jogo contábil: uma parte da população paga impostos para se pagar juros a uma outra parte da população. Mas isso não é dívida com o planeta Marte!

As dívidas públicas, no passado, já tínhamos em 200% do PIB em 1945 e a inflação  as varreu. Estas foram, também, o que permitiu à França e à Alemanha investirem, nos anos 50-60, no financiamento de infraestrutura e do sistema educacional. Se tivéssemos de pagar essas dívidas com os superávits primários – como hoje demandamos que a Grécia faça – ainda estaria por fazer.

Assim, a dívida pública é um falso problema, porque os patrimônios financeiros, imobiliários e comerciais pertencentes às famílias cresceram muito mais fortemente do que tem aumentado a dívida pública. Este aumento de mercado é muito mais importante do que a dívida pública, que pode ser eliminada com uma canetada.

No entanto, um aumento de 2 ° C da temperatura do planeta em 50 anos não é mais um jogo contábil! E nós não temos nada em mãos para resolver o problema do custo imposto ao capital natural.

Reporterre: Um PIB que não integra o capital natural, isso faz sentido?

Thomas Piketty – O PIB não faz sentido. Eu sempre uso o conceito de Receita Nacional para mudar do PIB à renda nacional, você deve subtrair a depreciação do capital. Se um desastre destruiu o seu país, e todo o país está ocupado na reparação do que foi destruído, você pode acabar com um PIB extraordinariamente alto, enquanto a renda nacional é muito baixa.

Leve em conta o que foi destruído, reconheça o capital natural. Contabilizar o que foi produzido sem deduzir o que foi destruído é estúpido.

Reporterre: Por que não há mais trabalho nas Contas Nacionais para desenvolver esta contabilidade do capital natural?

Thomas Piketty – Tentamos expandir a base de dados do capital mundial do carbono, com o pessoal do IDDRI (Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais), entre outros. Mas você está certo, por enquanto, não é estudado. Nossas categorias de análise permanecem profundamente marcadas pelo boom pós-guerra e pelo ideal do crescimento infinito.

Reporterre: O capital é muito poderoso, ele detem um grande poder político, ele tem os meios de comunicação. Não estamos em uma situação sem saída?

Thomas Piketty – Tendências passadas sugerem que as coisas podem mudar mais rápido do que imaginamos. A história das desigualdades, dos rendimentos, do patrimônio, do imposto, é cheia de surpresas. O que emerge de tudo isso é perfeitamente aberto e há sempre vários futuros possíveis. Depois, há diferentes maneiras para chegar, mais ou menos rápido, mais ou menos justo, mais ou menos caro.

Tradução: Paulo Martins

Notas do tradutor:

  1. Crescimentistas/desenvolvimentistas = croissancistes.
  2. Trente glorieuses – gloriosos Anos Trinta – período de alto crescimento econômico de 1945 a 1975