Encontro de corvos – Pablo Neruda

Em 20/11/2015 publiquei este post sobre os pactos nas trevas, entre traidores. Hoje, nestes dias de delação e traição dentro do núcleo de poder do governo usurpador-provisório, quando o traidor Sérgio Machado entregou seus comparsas de golpe e de falcatruas, penso como se repetem as mazelas nestas nossas sofridas Américas. Conchavos, golpes, traições … Punhais escondidos para as costas dos companheiros de golpe. Vem mais por aí. Faltam o chefe e demais conspiradores.

diálogos essenciais

A traição na Câmara dos Deputados era previsível. Diz o velho ditado que “Ladrão que rouba de ladrão tem 100 anos de perdão”. E traidores que traem o traidor-mor?

Ao ver Kitaguiri, Medonça Filho et caterva discursando contra Eduardo Cunha, que os representa, afinal eles são “milhões de cunhas”, eu me divirto. Mas tapo o nariz … Esses caras falando são verdadeiras “bombas de efeito moral”.

“Cada um escondia o punhal para as costas do associado” …

Encontro de corvos – Pablo Neruda

No Panamá uniram-se os demônios. Foi aí o pacto dos furões.

Uma vela apenas iluminava quando os três chegaram por um.

Primeiro chegou Almagro antigo e torto, Pizarro, o velho porcino e o frade Luque, cônego entendido em trevas.

Cada um escondia o punhal para as costas do associado, cada um com ensebado olhar nas escuras paredes adivinhava sangue, e o ouro do longínquo império os atraía…

Ver o post original 102 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s