Isenção, formatação da opinião e imunidade

Cresci ouvindo falar que a grande imprensa brasileira era isenta. Precisei estudar contabilidade, economia, administração e direito para finalmente entender que a isenção se referia a tributos – impostos, taxas e contribuições.
Descobri que tenho que estudar comunicação, marketing e semiótica para entender como esse grande conglomerado que tem o monopólio da formatação da opinião pública no Brasil conseguiu ampliar o sentido da palavra isenção para significar , também, imunidade perante a Justiça.
Mas o mais genial é que eles conseguiram convencer todos os seus leitores e telespectadores que opinião descaradamente seletiva e maniqueísta é informação. Neste caso, acho que nem estudando filosofia, dos pré-socráticos a Aristóteles, chegando às escolas helenísticas , vou conseguir entender.
Marx, talvez?
A comunicação autointitulada “isenta” é o ópio contemporâneo do povo.
Paulo Martins, do blog dialogosessenciais.com.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s