Delação de Cunha faria o país mergulhar no caos, por Reinaldo Azevedo

Leio, vez em quando, os jornalões da grande imprensa formatadora de opinião. Também assisto programas de TV das empresas destes oligopólios familiares  que dominam a comunicação no Brasil. Ora, para fazer as afirmações que faço, preciso acompanhar a desfaçatez diária deste setor empresarial.

Neste processo topei, hoje, com um artigo inacreditável de Reinaldo Azevedo, cujos textos não costumo ler pois minha cabeça não é lata de lixo. Faço questão de deixar aqui registrado, com todas as letras e absurdos, a mais nova pérola do citado articulista.

Em função da quantidade de pérolas que produz, acho que esta ostra está sofrendo muito. Só pode ser isso.

Como alguém pode ter à sua disposição uma coluna em uma revista de circulação nacional para escrever um texto deste? E ainda receber salário por este trabalho?

Abro uma exceção e publico o texto dele neste espaço, antes que ele o apague. Vai ficar para a posteridade. Tudo claro, explicitado, confessado. Segundo raciona o nobre jornalista, as delações do passado podem estar erradas, mas não convém mexer mais no assunto. Para ele, o caos gerado pela Lavajato até o momento no país foi um “caos do bem”, pois ajudou a expulsar o PT do poder e ajudará a destruir este partido. Mas não podemos, ele argumenta, prosseguir com a Lavajato e jogar o país no “caos do mal”, prejudicando os interesses do seu patrão, a Editora Abril.

Ele não quer uma delação do Cunha, pelos riscos que ele enxerga para os seus.

Estou chocado com a sinceridade do articulista.

Leia e tire as suas próprias conclusões.

Paulo Martins

Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Mas, afinal, Cunha fará ou não fará delação premiada?Ninguém sabe. Uma coisa é certa: a esta altura, não faz sentido lhe conceder um benefício, fazendo o país mergulhar no caos
Por: Reinaldo Azevedo 20/10/2016 às 1:10
Eis a questão que não quer calar e, que consta, deixa boa parte do mundo político em polvorosa: Eduardo Cunha, o antes todo-poderoso presidente da Câmara e hoje um presidiário sob a guarda de Sergio Moro, fará ou não fará delação premiada?
Eis um mistério e tanto, não é mesmo?
Eu fico aqui me perguntando qual delação seria o bastante para o tamanho do gigante. Mais: fico aqui refletindo se alguém que chegou ao atual estágio do enfrentamento com seus acusadores merece o benefício de uma delação.
Há, como se sabe, uma disputa surda de estratégias e pontos de vista entre os procuradores da Lava Jato e os delegados da Polícia Federal. Estes acham que é chegada a hora de pôr fim às delações premiadas. E não para frear a investigação, mas para não desmoralizá-la.
“Ah, mas eu quero saber o que Cunha sabe”, poderá dizer alguém. Bem, quem não quer? A questão é saber se seria moralmente aceitável conceder-lhe tal benefício, agora que ele detém um quadro bem mais completo da narrativa do que outros.
Ora, por óbvio, hoje é mais fácil selecionar alvos do que jamais. Em boa parte a história da Lava Jato já está contada. Será que se deve conceder a Cunha a licença de reescrevê-la e de lhe mudar detalhes depois de tanto tempo?
Isso aponta, me parece, para a necessidade de disciplinar as delações. E se Cunha decidir, sei lá, jogar no lixo, com suas eventuais revelações, boa parte do trabalho feito até aqui? Os primeiros delatores tinham menos condições de escolher o caminho do que ele tem agora, embora pareça o contrário.
Para quem passou por aquilo que ele passou, haja temperamento cristão para não pensar um pouquinho em vingança. E, como se sabe, chance de se redimir não lhe faltou.
Delações, creio, têm de ser como repatriação: “Quem tiver algo de relevante a dizer nesse caso apresente-se até tal dia. Depois disso, cada um arca com o peso de suas escolhas”.
Venham cá: ficaria bem um Cunha com uma cana leve, já que, nesse caso, teria colaborado, e um deputadozinho qualquer acusado por ele arrastando uma pena severa? Não creio.
Ou, na hipótese que leva os petistas ao delírio, ele pegaria uma pena bem leve, quase nada, enquanto o país estaria mergulhado no caos. Não parece que seria esse um bom desfecho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s