Chico Buarque – As Caravanas, por Gilberto Maringoni

Chico Buarque -poucos mergulharam tão fundo na alma do país.
Essa “As Caravanas” é arrasadora.
Um achado: para as elites, os pobres são como os muçulmanos a ameaçar a “civilização ocidental e cristã”. Precisam ser abatidos, porque apenas sua existência, com picas enorme e sacos-granadas representa um risco aos brancos ricos em seus bunkers.
Como esses pobres-muçulmanos ousam descer à Zona Sul? Como ousaram invadir os sacrossantos aeroportos transformando-os em rodoviárias cheias de “gente feia”? Como tiveram a petulância de se transformarem em “doutores e doutoras”? Como se insubordinaram contra o trabalho doméstico e, suprema ofensa, arriscaram almejar dignidade e cabeça erguida?
Pois os ricos golpistas vieram, com Temer e toda a quadrilha, para devolver os pobres-negros-muçulmanos a seus lugares “de direito”: as favelas-senzalas, as prisões-porões, as chibatas-cassetetes-balas dos PMs-capitães do mato.
Como diz Chico ao final de sua As Caravanas, “Filha do medo, a raiva é mãe da covardia”.
Como são medrosos, raivosos e covardes esses ricos do Brasil.

As Caravanas
Chico Buarque

É um dia de real grandeza, tudo azul
Um mar turqueza à la Istambul enchendo os olhos
Um sol de torrar os miolos
Quando pinta em Copacabana

A caravana do Arará — do Caxangá, da Chatuba
A caravana do Irajá, o combio da Penha
Não há barreira que retenha esses estranhos
Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho
A caminho do Jardim de Alá — é o bicho, é o buchicho é a charanga

Diz que malocam seus facões e adagas
Em sungas estufadas e calções disformes
Diz que eles têm picas enormes
E seus sacos são granadas
Lá das quebradas da Maré

Com negros torsos nus deixam em polvorosa
A gente ordeira e virtuosa que apela
Pra polícia despachar de volta
O populacho pra favela
Ou pra Benguela, ou pra Guiné

Sol, a culpa deve ser do sol
Que bate na moleira, o sol
Que estoura as veias, o suor
Que embaça os olhos e a razão

E essa zoeira dentro da prisão
Crioulos empilhados no porão
De caravelas no alto mar
Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria

Filha do medo, a raiva é mãe da covardia
Ou doido sou eu que escuto vozes
Não há gente tão insana
Nem caravana do Arará

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s