Até quando vamos suportar essa farsa toda? Por Gilson Caroni Filho

Nos morros e periferias de todas as cidades brasileiras nunca houve democracia. Sequer o reconhecimento da própria condição humana os seus moradores tiveram.
Democracia no Brasil, gente boa e bronzeada das praias e jardins, sempre foi um pacto restrito entre burguesia subalterna, oligarquias e frações seletas da classe média.
A violência só é percebida quando atinge as zonas nobres, aquelas que, ao contrário dos lugares onde habitam os invisíveis, o dia a dia não é vivido sob fuzis e extermínios diários.
Aí vem o clamor contra a violência.
Parem com isso. O medo é real, mas o discurso é cínico. A insegurança não é combatida com Forças Armadas, que nem treinadas para isso foram. Muito menos com incitamentos fascistas ao ódio.
A danação de todos nós só será enfrentada de fato quando os ” cidadãos de bem” abrirem os ouvidos para a polifonia de gritos que sempre fingiram não escutar.
Quando se derem conta de que a desigualdade social é mãe da violência do tráfico, dos milicianos e de policiais que se alternam nos três papéis.
O mesmo vale para o apreço ao regime democrático: quanto mais cidadania, menores as chances de golpes acontecerem em intervalos tão curtos de tempo. Marielle, e com ela várias outros, sabiam disso.
Pagaram um preço caro e tiveram suas narrativas reescritas pela mídia corporativa. Até quando vamos suportar essa farsa toda? Pior, até quando vamos legitimá-la, prezados cidadãos que moram no espelho de Alice?
Por Gilson Caroni Filho

Via João Lopes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s