Sinto náuseas

1º de janeiro de 2019

Mesmo estando fora do Brasil desde o dia 28/12 e com a passagem de retorno marcada – a vontade, do fundo da alma, seria não voltar – para o dia 4/1, sinto náuseas. Tive a sorte de poder não acompanhar ao vivo os botinudos meterem o pé na porta do Palácio e os toscos, que tudo ignoram, passearem com seus tanques de guerra nos jardins mas a náusea, este mal-estar, esta ressaca, me acompanhou na viagem.

A náusea, onipresente, transforma-se em vergonha quando o motorista uruguaio de táxi ou de Uber pergunta o que está acontecendo no Brasil ou faz críticas e debocha da escolha política um grupo de brasileiros. Sim, para estrangeiros, olhando de fora, parece algo incompreensível que um país de dimensões continentais e com uma população de 210 milhões de pessoas resolva, de repente, jogar-se no abismo. Explico que para nós, os brasileiros nauseados, também não é simples explicar.

Não vejo possibilidade de meio termo ante a tudo o que os novos síndicos do prédio – ou seria a Torre de Babel? – ameaçam fazer contra os proprietários dos apartamentos. Ouvi dizer que o tosco prometeu em seu discurso acabar com o verniz civilizatório que a humanidade acumulou, pouco a pouco, ao longo dos séculos. Ele, o tosco, na falta de capacidade intelectual para formular ideias próprias e para elaborar intelectualmente o que ouve, toma por politicamente correto o que é, na verdade, rejeição tosca e ignorante ao verniz civilizatório, que permite ao ser humano conviver em sociedade com um mínimo de consideração e respeito mútuos.

Sem saber onde esconder a cara leio, no mural de um amigo do Facebook, post de Rogério Godinho que fala dessa náusea, dessa vergonha, dessa tristeza. Leia abaixo:

Paulo Martins

Hoje é o dia da tristeza. Quando desperdiçamos a oportunidade de melhorar, dando um enorme salto para trás. É um dia de desrespeito, quando mais uma vez a imprensa foi humilhada e cerceada.
Não se trata mais de esquerda ou direita, progressistas ou conservadores. Hoje é o dia que a ignorância assumiu. Que um homem despreparado, corrupto e oportunista chegou ao poder. A piada ofensiva se tornou discurso oficial, os projetos anacrônicos se tornaram plataforma de governo e o impensável chegou ao Planalto.
Para quem o apoia, tudo isso não tem significado nenhum. Alguns não compreendem as palavras, outros não têm os valores consolidados, a maioria simplesmente não consegue avaliar as consequências.
Vendados por essa incompreensão ingênua, torcem por uma mudança positiva. Não assimilaram a situação, passageiros cegos de um ônibus dirigido por um demente que nos leva em direção ao abismo.
Dizem: “vamos torcer para dar certo”.
Não tenho como torcer.
Não posso apoiar meu algoz.
Sinto náusea por estar sentado nesse ônibus, com esse motorista e essas pessoas.
Sinto vergonha.
Hoje também é o dia da vergonha.
Rogério Godinho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s